“No jargão da didática de leitura e escrita, reescrever um texto não é corrigi-lo ou revisá-lo, como faz supor o senso comum. No contexto da disciplina, reescrever é contar, com as próprias palavras, uma história conhecida, com a qual a turma já está bem familiarizada.”

E é isso que fiz em várias histórias que coloquei aqui, como:

A FILHA DA GALINHA RUIVA

DUNGA, O ANÃO QUE NÃO ERA MUDO

Como tenho visto nas estatísticas um grande número de procura por essas historinhas, resolvi colocar outra.

E hoje, a reescrita vai ter como personagem principal, A CASA DO PORQUINHO PRÁTICO.

Éramos três casinhas: uma feita de bambu, outra de tábuas e outra de tijolos.

Eu sou a de tijolos e vou contar o que aconteceu com as outras duas.

Fomos construídas por três irmãozinhos: o Cícero, o Heitor e o Prático.

Eles andavam com muito medo porque souberam que um Lobo muito mau havia chegado nas vizinhanças e logo acabaria por ali.

Foi quando cada um resolveu fazer uma casa e eu fui a última a ficar pronta.

Fui construída com tijolos, muito cimento e muita paciência e fiquei uma beleza: com janelas e floreiras, porta com cadeado e até uma lareira com enorme chaminé.

Enquanto isso, eu observava os dois irmãos que já estavam com suas casas prontas, a cantar e dançar pelos caminhos.

Nisso, uma correria danada!

Cada um entrou e se fechou dentro de suas casas.

Era o Lobo que chegava!

E logo ouvi sua voz, alta e forte, gritando na frente da casa do Cícero:

– Abra essa porta senão eu assopro e bufo e faço voar essa casa pelos ares!

E ele soprou e bufou e as palhas voaram nada sobrando daquela casinha.

Também ela era amarrada com barbantes e cola!

E não é que o Lobo já estava gritando na porta do Heitor onde o Cícero entrara correndo?

– Abra essa porta senão eu sopro e bufo e faço voar essa casa pelos ares!

E ele soprou e bufou e as tábuas foram caindo como se feitas de papel.

Que susto!

Abri minha porta para os dois irmãozinhos que entraram correndo como um raio, tremendo de medo.

Mas o Prático que estava sossegado, pois sabia como tinha me construído, acalmou-os dizendo que nada iria acontecer porque eu era muito forte.

Fiquei contente, mas sabia que a responsabilidade era enorme.

Eu tinha que salvar a vida daqueles três irmãozinhos adoráveis!

E o Lobo chegou gritando na minha porta:

– Abra essa porta senão eu assopro e bufo e faço voar essa casa pelos ares!

E o ouvimos soprar e bufar, e bufar e soprar e eu ali, firme como uma rocha.

Não balancei nem um milímetro!

Mas o Lobo não desistiu.

Resolveu entrar pela chaminé.

Mas o Prático que além de tudo era muito inteligente colocou fogo na lareira e quando o Lobo desceu, seu rabo começou a pegar fogo e ele saiu como um foguete, correndo sem nem olhar para trás.

E o final foi feliz, é claro: os irmãos se abraçaram e Cícero e Heitor resolveram construir casas iguaizinhas a mim.

Sou ou não sou poderosa?

Outras historinhas com centenas de visualizações:

O SORRISO DO GATO DA ALICE

O ARCO ÍRIS

A FADA SERELEPE

O LANCHE DAS PRINCESAS

O DIA DO PAPAI NOEL

Imagens: 1) Dentro da História; 2) Cultura Genial; 3) iStock

“OUVE-ME, SENHOR, POIS BOA É A TUA MISERICÓRDIA; OLHA PARA MIM SEGUNDO A TUA MUITÍSSIMA PIEDADE.”Salmos, 69- 16

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s