FILE A PARMEGIANA MM_ VIDEO 06

ALCATRA

Considerada “A Rainha das Carnes”. Servida ao ponto ou mal passada é considerada uma carne nobre, de fibras macias. A peça inteira está localizada no traseiro do boi entre o lombo e a coxa, de onde saem outros cortes igualmente apreciados, como a picanha e a maminha. É ideal para bifes, refogados, assados, ensopados e churrasco.

E o que esta explicado no site da Cooperativa Maria Macia.

Primeiro quero explicar a voce que esta lendo esse texto, que as palavras estao sem acento e a pontuacao nao esta correta devido a um problema que ocorreu na formatacao desse computador e que espero solucionar o quanto antes.

Entao vamos la

Novamente coloco aqui a colaboracao das minhas amigas GLACY e TELMA que tem aproveitado as receitas e enviado as fotos e dessa vez com a MAMINHA MARIA MACIA!

Mais uma vez, obrigada amigas!

Primeira foto: Glaci e segunda foto: Telma.

MAS SE ESPERARMOS O QUE NAO VEMOS, COM PACIENCIA O ESPERAMOS. Romanos, 8, 25.

CARRETEIRO COM CARNES MM- VÍDEO 04

A receita surgiu quando mercadores ambulantes atravessavam a região em carretas puxadas por bois. O carreteiro valia-se muito da carne de sol em seu cardápio, que no Sul do país é conhecida como charque, pois, além de abundante na época, ela se mantinha conservada durante os muitos dias das viagens. (gilomarilia.com.br)

É feito de arroz ao qual se adiciona carne seca desfiada ou picada, às vezes paio e linguiça em pedaços, refogados em bastante gordura, alho, cebola, tomate e cheiro verde.

E é uma receita bem parecida com essa que você vai ver no vídeo abaixo.

Mas antes, quero mostrar outros pratos feito com a FRALDINHA MARIA MACIA e que me foi enviada pelas:  minha amiga de muitos anos, GLACI GURGEL.

Ela contou-me que a família estava reunida e todos aprovaram com louvor!

E acabo de receber mais uma receita aprovada, vinda de Porto Velho, Rondônia. E quem fez foi a TAMARA OLIVEIRA HIGASHI, também amiga de muitos anos!

Obrigada, amigas!

“PORQUE O SENHOR É O NOSSO JUIZ; O SENHOR É O NOSSO LEGISLADOR; O SENHOR É O NOSSO REI; ELE NOS SALVARÁ.” Isaías, 33- 22

 

FRALDINHA MM AOS CINCO TEMPEROS- VÍDEO 03

Como é gratificante fazer um trabalho (tá bom… prá mim nem é trabalho…) e receber tantas manifestações de carinho e incentivo.

Pois é…

Duas amigas apostaram no primeiro vídeo e mandaram fotos dos pratos do Risoto de Linguiça Maria Macia que fizeram!

Eu amei e vou postar aqui para verem.

A primeira a mandar foi a LUCILENE, minha amiga da Câmara da Mulher e que trocamos filmes e séries da Netflix para comentarmos depois.

Olha só que coisa linda ficou!

Ela usou a Linguiça Mista MM!

Bem, a outra a enviar as fotos, foi a TELMA, amiga das Tricocheiras, onde passávamos as tardes a fazer tricô e crochê e trocar receitas.

Vejam que lindo ficou o prato!

Ela usou a Linguiça Mista Apimentada MM!

E assim a medida que eu for recebendo fotos, vou colocando aqui!

Obrigada, amigas!!!

“ESTE É O CAMINHO; ANDAI NELE, SEM VOS DESVIARDES NEM PARA A DIREITA NEM PARA A ESQUERDA.” Esdras, 30- 21

 

BOLACHINHAS DE CANELA

Tenho uma amiga em Curitiba, Taís, que, como eu, adora cozinhar.

Por isso sempre estou de olho em suas postagens e essa acabei de experimentar.

Ficam lindas e super crocantes, com aquele gostinho irresistível da canela!

Achei bem fácil de fazer, então, segue a receita.

Em uma tigela, juntei todos os ingredientes que são:

175 gramas de farinha de trigo

100 gramas de manteiga

60 gramas de açúcar

1 colher (de café) de fermento em pó

1/2 colher (de sopa) de canela em pó

1 colher (de sopa) de chocolate em pó

1 colher (de café) de essência de baunilha

Primeiro unte bem uma assadeira com manteiga.

Ligue o forno em 180º para aquecer.

Usei as mãos para misturar a massa e juntei um pouquinho de água que fui colocando devagar.

Modele as bolachinhas como quiser e dê uma achatadinha em cima.

Essa receita deu 20 unidades.

Leve ao forno por mais ou menos 20 minutos (dependendo do tamanho que fizer) ou até que as bordas estejam levemente coradas.

Enquanto as bolachinhas assam (e que perfume maravilhoso elas desprendem), faça em uma vasilha uma mistura de açúcar e canela.

Assim que tirar do forno, ainda bem quente, passe as bolachinhas por essa mistura e vá colocando em um prato para esfriar.

Depois de frias, coloque em potes fechados.

Maravilhosas!

Obrigada, Taís!!!

“NÃO ME REJEITES NO TEMPO DA VELHICE; NÃO ME DESAMPARES, QUANDO SE FOR ACABANDO A MINHA FORÇA.” Salmos, 71- 9

PARECE TUDO IGUAL…

Dia 20 de março de 2020, entrando hoje no Outono.

Quer uma estação melhor do que esta para darmos adeus àquele calor sufocante ( como faz calor aqui em Campo Mourão!) e abrirmos os braços para o ventinho mais fresco que ela nos traz?

Parece tudo igual…

Eu em minha rede; o céu azul sem nuvens; as flores dos vasinhos cheias de cor e perfume; os passarinhos indo e vindo tomar a água fresca que coloquei para eles; os beija flores rodopiando por sobre as azaleias do jardim, parece tudo igual.

Só que não!

Isso não acontece nem aqui e nem no mundo!

Nesse outono bonito, dourado pelo sol, as pessoas não estão pelas ruas, estão dentro de suas casas, fechadas, sentindo medo e, muitas delas, em pânico!

Tenho visto os tele jornais e as notícias são alarmantes; recebo diariamente whats de amigos do Brasil e do exterior, constantemente abordando o mesmo assunto; nas redes sociais os acontecimentos são tão comentados que às vezes sobra tempo para recados muitas vezes, engraçados (como o brasileiro é criativo!).

E são médicos, padres e pastores, atores e atrizes, professores, pessoas comuns e que gravam seus vídeos deixando mensagens tentando de alguma maneira acalmar as pessoas com palavras de conforto (ou não…).

Tudo muito válido, mas eu, por exemplo, estou me abstendo de ouvir mais de um jornal ao dia e abrir os vídeos… nem pensar!

Não porque eu queira fugir da situação em que estamos e ficar alienada; não é isso, mas quanto mais você ouve e lê e passa a viver somente para esse assunto, ele vai te fazendo mal e por uns dias me senti até doente…

No último post publicado aqui, texto da minha filha Fabiane, diz o que podemos aprender dessa epidemia.

Em uma semana a situação por lá (Portugal) mudou bastante: tudo fechado incluindo fronteiras e aeroportos e o número de infectados e mortos aumentou e muito!

Em Luanda, Angola, onde minha filha Viviane, meu genro e netos moram, aconteceu os dois primeiros casos do vírus. Estão todos em casa.

Talvez, na semana que vem, quando eu estiver postando alguma coisa, a situação por aqui também tenha mudado…esperemos que seja para melhor!

Confiar e crer que TUDO está nas mãos de Deus é o primeiro passo para nossa cura.

É difícil?

Claro que sim!

Mas a oração vai nos fazer mais fortes!

Daqui um pouco vamos poder, de fato, falar:

-parece tudo igual!

E sim! Tudo estará igual novamente!

Imagens: 1) meu jardim; 2) imovelweb.com.br; 3) tempodeagradecer.blogspot.com

“NÃO SE VENDEM DOIS PASSARINHOS POR UM CEITIL? E NENHUM DELES CAIRÁ EM TERRA SEM A VONTADE DE VOSSO PAI. E ATÉ MESMO OS CABELOS DA VOSSA CABEÇA ESTÃO TODOS CONTADOS. NÃO TEMAIS, POIS; MAIS VALEIS VÓS DO QUE MUITOS PASSARINHOS.” Mateus 10- 29, 30 e 31

 

PUDIM ROMEU E JULIETA

Como boa mineira que sou, não podia deixar de experimentar essa receita de: goiabada com queijo!!!

Aproveitei que algumas amigas vieram para jantar em minha casa e fiz como sobremesa: amaram!

INGREDIENTES

1 leite condensado

a mesma medida de leite

1 copo de requeijão cremoso

4 ovos

1/2 xícara de queijo parmesão ralado

Coloque todos os ingredientes em liquidificador e bata bem.

Unte uma forma com manteiga e polvilhe açúcar.

Cubra com papel alumínio e leve ao forno pré aquecido em 180º por uma hora em banho maria.

CALDA

200 gramas de goiabada

2 colheres (sopa) de açúcar

1 copo de água

Prepare a calda levando ao fogo em uma panelinha até dissolver bem a goiabada.

Reserve.

Depois de assado o pudim, leve à geladeira até esfriar bem antes de desenformar.

Vá derramando a calda de goiabada em todo ele.

E essas são as amigas que vieram e provaram o doce.

(Maria Teresa, Clarisse, Rose e eu)

Coisas de mineira…

DECERTO, FIZ CALAR E SOSSEGAR A MINHA ALMA; QUAL CRIANÇA DESMAMADA PARA COM SUA MÃE, TAL É A MINHA ALMA PARA COMIGO.”Salmos, 131- 2

 

 

 

 

UM CAMINHO PARA A LIBERDADE

Férias é sempre assim: vou até uma livraria para escolher um livro com o intuito de ler durante o período de folga.

Geralmente já vou com algum na cabeça, mas dessa vez fiquei olhando, lendo as orelhas, a contra capa, passando de um a outro, até que achei esse.

Essa autora já era minha conhecida, desde que li “A Última Carta de Amor”em 2015 e que reli em outubro de 2019 com o mesmo encantamento da primeira vez.

É também dela o livro “Como eu era antes de Você”, que virou um filme visto por milhares de pessoas chorosas em todo o mundo.

Bem, mas voltando a esse em questão: chorei muitas e muitas vezes!

A história é emocionante e conta a trajetória de cinco mulheres no ano de 1930 e que enfrentam uma cidade inteira por amor aos livros.

Juntas, descobrem o poder do conhecimento, da liberdade e da amizade.

(Jojo Moyes)

A ideia delas é formar uma biblioteca itinerante e levar livros para os moradores mais pobres da região.

E elas enfrentam preconceitos, dificuldades com o tempo gelado, aprendem a andar à cavalo e atirar, mas afinal quem disse que ganhar a liberdade é algo fácil?

Eu amei demais essa história, por isso compartilho com vocês.

“AFASTA, POIS, A IRA DO TEU CORAÇÃO E REMOVE DA TUA CARNE O MAL, PORQUE A ADOLESCÊNCIA E A JUVENTUDE SÃO VAIDADE.” Eclesiastes, 11- 10

 

ANDANÇAS

Engraçado como as coisas boas acontecem até sem planejamento…

E isso aconteceu num domingo de setembro.

Acordei num dia lindo de sol e calor, com todo aquele dia pela frente e sem saber o que fazer.

Não demorou muito e o whatsapp apitou.

Minhas duas amigas, Ester e Giselta estavam perguntando o que eu achava de irmos até a Fazendinha passar o dia.

-Que ótimo! Um programa para hoje! Vamos sim! Falei alegre.

A Pousada Fazendinha pertence a um casal amigo, a Iracema e o Denir, que transformaram esse local em um encanto de lugar!

E, depois de nos encontrarmos na Praça, onde todos os domingos acontece a Feira Criativa da cidade, seguimos para lá.

E ali estavam eles: ela percorrendo tudo para se certificar que tudo corria bem e ele em uma mesa à beira da piscina, saboreando um vinho branco.

Pois foi ali que ficamos, entre conversas e lembranças, saindo de vez em quando para tirar algumas fotos do lugar.

E chegou a hora do almoço!

Que comida gostosa!

Eu, como boa mineira, me servi de carne de porco pururuca e da abóbora assada com açúcar mascavo.

Depois, sobremesa!

E se engana quem pensou que aí fomos deitar na rede para um repouso tranquilo.

Que nada… minhas duas amigas que estão acostumadas a fazer trilhas, me chamaram para andar numa delas que cortava a pousada.

E lá fui eu: com meu vestido africano, bolsinha nas mãos e mule!

Isso mesmo! Completamente despreparada para o feito!

Mas fui!

E elas riram muito de mim e eu aproveitava para deixar tudo mais engraçado do que já estava.

Até um lagarto enorme elas viram, mas eu não vi!

Estava agarrada aos arbustos pelo caminho até chegar a ponte pênsil, que foram duas, enquanto elas me zoavam muito.

Quando chegamos ao final da trilha, parei, levantei os braços e gritei:

-consegui!!!

E saiu essa foto!

Querem me convidar para uma próxima trilha (verdadeira) que farão no final do mês.

Não sei não…

Acho que fiquei satisfeita com essa!

“CERTAMENTE QUE A BONDADE E A MISERICÓRDIA ME SEGUIRÃO TODOS OS DIAS DA MINHA VIDA; E HABITAREI NA CASA DO SENHOR POR LONGOS DIAS.” Salmos 23- 6

 

 

 

CAFÉ COM LETRAS

Que faço parte da Academia Mourãoense de Letras, vocês já sabem (é só ler lá em Foram tantas Emoções….).

Que gosto de café, todos sabem também, é só olhar nas receitas dos bolos onde escrevo: tudo de bom com um café.

E que gosto de livros, claro que estão cansados de saber!

Pois é!

Juntem tudo isso e olhem no que dá: domingo, manhã de céu azul, aquele calorzinho gostoso, uma feira com mil novidades, pessoas passeando e uma barraca com o quê?

Acertou quem pensou em LIVROS E CAFÉ!

Que dupla imbatível!

E ali em volta, nós, os escritores com seus livros, em conversas animadas com os passantes que chegam e param, pegam um ou outro livro e…resolvem levar.

(Dalva, eu, Maurício, Benedita, Giselta, Silvania, Gilson e Jair com sua filha)

Um pai se aproxima com sua filha que observa atentamente os livros à mostra.

– Olá! Eu digo. Quantos anos você tem?

– Nove. Responde ela.

Pego então o meu livro infanto-juvenil “O Nasquimi Dourado e outras Histórias” e entrego a ela.

– Você vai gostar de ler esse. Falo sorrindo.

O pai olha a capa e pergunta:

– Quem é Sílvia, a autora?

– Eu mesma. Respondo.

Ele fica mais interessado e comenta com sua filha em como é bom conhecer uma escritora.

– Vou levar. Ele diz.

Chamo então a menina e digo que vou escrever uma dedicatória a ela.

– Como é o seu nome? Pergunto.

– Hannah! E soletra para mim. É a mesma coisa de trás para a frente. Completa.

– Que lindo nome você tem. Eu falo enquanto escrevo para depois entregar.

Fizeram questão de uma foto.

É isso que nos faz sentir a importância desse nosso Café com Letras.

A conversa com um público que ainda não conhece os autores de sua própria cidade!

(Eu, Benedita e Giselta)

(Nós com a primeira dama Hosana)

A reunião gostosa de nós “imortais” tão e apenas mortais como todos que por ali passam

Aquela sensação de estarmos contribuindo com um pouquinho daquilo que temos e sabemos para outras pessoas.

É maravilhoso ver as pessoas saindo dali felizes com seus livros nos braços.

É gratificante o olhar agradecido de quem leva para casa aquilo que nós passamos dias, meses e até anos pensando e escrevendo.

E o que dizer desse encontro dentro dessa barraca onde trocamos ideias, fazemos planos, brincamos uns com os outros?

(Nosso presidente Fabio Sexugi fazendo uma selfie)

São letras que esvoaçam e vão colorindo o céu da nossa cidade.

Isso tudo enquanto tomamos um café!

“NÃO PEÇO QUE OS TIRE DO MUNDO, MAS QUE OS LIVRES DO MAL.” João, 17- 15

 

 

 

NO TEMPO DO TEMPO

É tão gratificante olhar através do tempo e resgatar pessoas e momentos de um passado distante!

Como já disse Salomão: “tudo tem o seu tempo determinado e há tempo para todo o propósito debaixo do céu”.

E foi assim que passados 40 anos, pude me encontrar com uma amiga de quando aqui morei: Jose.

Ela era tão especial na sua maneira de ser, de conversar, além do que foi ela quem me ensinou a fazer bolos recheados onde o recheio principal era o amor.

(Lanche em sua casa em nosso primeiro encontro)

Estou escrevendo era, mas quando a encontrei, pude observar que ela continua a mesma pessoa de antes, de uma meiguice ímpar.

E foi interessante o modo como a reencontrei.

Eu já andava há tempos com dores nas pernas e então resolvi consultar um ortopedista.

Como não conhecia nenhum aqui (lembrem-se que retornei para Campo Mourão há três anos) pedi orientação de uma amiga que conhece a cidade inteira.

Ela me deu o nome do médico e disse:

-Ele é filho da Jose!

-Como assim? Perguntei. Da Jose nossa amiga que me ensinou a fazer bolos?

-Sim, ela mesma! Afirmou.

Claro que fui me consultar com ele e fiz mil perguntas sobre sua mãe.

Saí de lá com a receita para minhas dores e com o telefone da minha amiga.

Quando liguei para ela foi um sentimento gostoso, como se o tempo não tivesse passado.

Bem, aí fui até o apartamento onde ela mora e o abraço disse tudo: saudades, um olhar demorado para ver como estávamos (ela parece não ter mudado em nada) e perguntas e mais perguntas para serem respondidas em torno da mesa de café.

Depois desse dia, em 28 de maio, com muita chuva, voltamos a nos encontrar, dessa vez em minha casa e com a presença de mais duas amigas que também não se viam há bastante tempo.

(Jose com Rose e com Maria Teresa)

E em volta da mesa de café da tarde, tiramos selfies, fotos, rimos muito, conversamos com a promessa de nos encontrarmos mais vezes agora.

(Mesa de café bem mineira que preparei em casa)

Pois é, mais uma amiga que junto a tantas outras nessa cidade!

Como diz o final dos versos de Mário Quintana sobre o laço e o abraço: “então o amor e a amizade são isso… não prendem, não escravizam, não apertam, não sufocam. Porque quando vira nó, já deixou de ser um laço.”

“O AMOR SEJA NÃO FINGIDO. ABORRECEI O MAL E APEGAI-VOS AO BEM.” Romanos, 12-9