PARECE TUDO IGUAL…

Dia 20 de março de 2020, entrando hoje no Outono.

Quer uma estação melhor do que esta para darmos adeus àquele calor sufocante ( como faz calor aqui em Campo Mourão!) e abrirmos os braços para o ventinho mais fresco que ela nos traz?

Parece tudo igual…

Eu em minha rede; o céu azul sem nuvens; as flores dos vasinhos cheias de cor e perfume; os passarinhos indo e vindo tomar a água fresca que coloquei para eles; os beija flores rodopiando por sobre as azaleias do jardim, parece tudo igual.

Só que não!

Isso não acontece nem aqui e nem no mundo!

Nesse outono bonito, dourado pelo sol, as pessoas não estão pelas ruas, estão dentro de suas casas, fechadas, sentindo medo e, muitas delas, em pânico!

Tenho visto os tele jornais e as notícias são alarmantes; recebo diariamente whats de amigos do Brasil e do exterior, constantemente abordando o mesmo assunto; nas redes sociais os acontecimentos são tão comentados que às vezes sobra tempo para recados muitas vezes, engraçados (como o brasileiro é criativo!).

E são médicos, padres e pastores, atores e atrizes, professores, pessoas comuns e que gravam seus vídeos deixando mensagens tentando de alguma maneira acalmar as pessoas com palavras de conforto (ou não…).

Tudo muito válido, mas eu, por exemplo, estou me abstendo de ouvir mais de um jornal ao dia e abrir os vídeos… nem pensar!

Não porque eu queira fugir da situação em que estamos e ficar alienada; não é isso, mas quanto mais você ouve e lê e passa a viver somente para esse assunto, ele vai te fazendo mal e por uns dias me senti até doente…

No último post publicado aqui, texto da minha filha Fabiane, diz o que podemos aprender dessa epidemia.

Em uma semana a situação por lá (Portugal) mudou bastante: tudo fechado incluindo fronteiras e aeroportos e o número de infectados e mortos aumentou e muito!

Em Luanda, Angola, onde minha filha Viviane, meu genro e netos moram, aconteceu os dois primeiros casos do vírus. Estão todos em casa.

Talvez, na semana que vem, quando eu estiver postando alguma coisa, a situação por aqui também tenha mudado…esperemos que seja para melhor!

Confiar e crer que TUDO está nas mãos de Deus é o primeiro passo para nossa cura.

É difícil?

Claro que sim!

Mas a oração vai nos fazer mais fortes!

Daqui um pouco vamos poder, de fato, falar:

-parece tudo igual!

E sim! Tudo estará igual novamente!

Imagens: 1) meu jardim; 2) imovelweb.com.br; 3) tempodeagradecer.blogspot.com

“NÃO SE VENDEM DOIS PASSARINHOS POR UM CEITIL? E NENHUM DELES CAIRÁ EM TERRA SEM A VONTADE DE VOSSO PAI. E ATÉ MESMO OS CABELOS DA VOSSA CABEÇA ESTÃO TODOS CONTADOS. NÃO TEMAIS, POIS; MAIS VALEIS VÓS DO QUE MUITOS PASSARINHOS.” Mateus 10- 29, 30 e 31

 

PUDIM ROMEU E JULIETA

Como boa mineira que sou, não podia deixar de experimentar essa receita de: goiabada com queijo!!!

Aproveitei que algumas amigas vieram para jantar em minha casa e fiz como sobremesa: amaram!

INGREDIENTES

1 leite condensado

a mesma medida de leite

1 copo de requeijão cremoso

4 ovos

1/2 xícara de queijo parmesão ralado

Coloque todos os ingredientes em liquidificador e bata bem.

Unte uma forma com manteiga e polvilhe açúcar.

Cubra com papel alumínio e leve ao forno pré aquecido em 180º por uma hora em banho maria.

CALDA

200 gramas de goiabada

2 colheres (sopa) de açúcar

1 copo de água

Prepare a calda levando ao fogo em uma panelinha até dissolver bem a goiabada.

Reserve.

Depois de assado o pudim, leve à geladeira até esfriar bem antes de desenformar.

Vá derramando a calda de goiabada em todo ele.

E essas são as amigas que vieram e provaram o doce.

(Maria Teresa, Clarisse, Rose e eu)

Coisas de mineira…

DECERTO, FIZ CALAR E SOSSEGAR A MINHA ALMA; QUAL CRIANÇA DESMAMADA PARA COM SUA MÃE, TAL É A MINHA ALMA PARA COMIGO.”Salmos, 131- 2

 

 

 

 

UM CAMINHO PARA A LIBERDADE

Férias é sempre assim: vou até uma livraria para escolher um livro com o intuito de ler durante o período de folga.

Geralmente já vou com algum na cabeça, mas dessa vez fiquei olhando, lendo as orelhas, a contra capa, passando de um a outro, até que achei esse.

Essa autora já era minha conhecida, desde que li “A Última Carta de Amor”em 2015 e que reli em outubro de 2019 com o mesmo encantamento da primeira vez.

É também dela o livro “Como eu era antes de Você”, que virou um filme visto por milhares de pessoas chorosas em todo o mundo.

Bem, mas voltando a esse em questão: chorei muitas e muitas vezes!

A história é emocionante e conta a trajetória de cinco mulheres no ano de 1930 e que enfrentam uma cidade inteira por amor aos livros.

Juntas, descobrem o poder do conhecimento, da liberdade e da amizade.

(Jojo Moyes)

A ideia delas é formar uma biblioteca itinerante e levar livros para os moradores mais pobres da região.

E elas enfrentam preconceitos, dificuldades com o tempo gelado, aprendem a andar à cavalo e atirar, mas afinal quem disse que ganhar a liberdade é algo fácil?

Eu amei demais essa história, por isso compartilho com vocês.

“AFASTA, POIS, A IRA DO TEU CORAÇÃO E REMOVE DA TUA CARNE O MAL, PORQUE A ADOLESCÊNCIA E A JUVENTUDE SÃO VAIDADE.” Eclesiastes, 11- 10

 

ANDANÇAS

Engraçado como as coisas boas acontecem até sem planejamento…

E isso aconteceu num domingo de setembro.

Acordei num dia lindo de sol e calor, com todo aquele dia pela frente e sem saber o que fazer.

Não demorou muito e o whatsapp apitou.

Minhas duas amigas, Ester e Giselta estavam perguntando o que eu achava de irmos até a Fazendinha passar o dia.

-Que ótimo! Um programa para hoje! Vamos sim! Falei alegre.

A Pousada Fazendinha pertence a um casal amigo, a Iracema e o Denir, que transformaram esse local em um encanto de lugar!

E, depois de nos encontrarmos na Praça, onde todos os domingos acontece a Feira Criativa da cidade, seguimos para lá.

E ali estavam eles: ela percorrendo tudo para se certificar que tudo corria bem e ele em uma mesa à beira da piscina, saboreando um vinho branco.

Pois foi ali que ficamos, entre conversas e lembranças, saindo de vez em quando para tirar algumas fotos do lugar.

E chegou a hora do almoço!

Que comida gostosa!

Eu, como boa mineira, me servi de carne de porco pururuca e da abóbora assada com açúcar mascavo.

Depois, sobremesa!

E se engana quem pensou que aí fomos deitar na rede para um repouso tranquilo.

Que nada… minhas duas amigas que estão acostumadas a fazer trilhas, me chamaram para andar numa delas que cortava a pousada.

E lá fui eu: com meu vestido africano, bolsinha nas mãos e mule!

Isso mesmo! Completamente despreparada para o feito!

Mas fui!

E elas riram muito de mim e eu aproveitava para deixar tudo mais engraçado do que já estava.

Até um lagarto enorme elas viram, mas eu não vi!

Estava agarrada aos arbustos pelo caminho até chegar a ponte pênsil, que foram duas, enquanto elas me zoavam muito.

Quando chegamos ao final da trilha, parei, levantei os braços e gritei:

-consegui!!!

E saiu essa foto!

Querem me convidar para uma próxima trilha (verdadeira) que farão no final do mês.

Não sei não…

Acho que fiquei satisfeita com essa!

“CERTAMENTE QUE A BONDADE E A MISERICÓRDIA ME SEGUIRÃO TODOS OS DIAS DA MINHA VIDA; E HABITAREI NA CASA DO SENHOR POR LONGOS DIAS.” Salmos 23- 6

 

 

 

CAFÉ COM LETRAS

Que faço parte da Academia Mourãoense de Letras, vocês já sabem (é só ler lá em Foram tantas Emoções….).

Que gosto de café, todos sabem também, é só olhar nas receitas dos bolos onde escrevo: tudo de bom com um café.

E que gosto de livros, claro que estão cansados de saber!

Pois é!

Juntem tudo isso e olhem no que dá: domingo, manhã de céu azul, aquele calorzinho gostoso, uma feira com mil novidades, pessoas passeando e uma barraca com o quê?

Acertou quem pensou em LIVROS E CAFÉ!

Que dupla imbatível!

E ali em volta, nós, os escritores com seus livros, em conversas animadas com os passantes que chegam e param, pegam um ou outro livro e…resolvem levar.

(Dalva, eu, Maurício, Benedita, Giselta, Silvania, Gilson e Jair com sua filha)

Um pai se aproxima com sua filha que observa atentamente os livros à mostra.

– Olá! Eu digo. Quantos anos você tem?

– Nove. Responde ela.

Pego então o meu livro infanto-juvenil “O Nasquimi Dourado e outras Histórias” e entrego a ela.

– Você vai gostar de ler esse. Falo sorrindo.

O pai olha a capa e pergunta:

– Quem é Sílvia, a autora?

– Eu mesma. Respondo.

Ele fica mais interessado e comenta com sua filha em como é bom conhecer uma escritora.

– Vou levar. Ele diz.

Chamo então a menina e digo que vou escrever uma dedicatória a ela.

– Como é o seu nome? Pergunto.

– Hannah! E soletra para mim. É a mesma coisa de trás para a frente. Completa.

– Que lindo nome você tem. Eu falo enquanto escrevo para depois entregar.

Fizeram questão de uma foto.

É isso que nos faz sentir a importância desse nosso Café com Letras.

A conversa com um público que ainda não conhece os autores de sua própria cidade!

(Eu, Benedita e Giselta)

(Nós com a primeira dama Hosana)

A reunião gostosa de nós “imortais” tão e apenas mortais como todos que por ali passam

Aquela sensação de estarmos contribuindo com um pouquinho daquilo que temos e sabemos para outras pessoas.

É maravilhoso ver as pessoas saindo dali felizes com seus livros nos braços.

É gratificante o olhar agradecido de quem leva para casa aquilo que nós passamos dias, meses e até anos pensando e escrevendo.

E o que dizer desse encontro dentro dessa barraca onde trocamos ideias, fazemos planos, brincamos uns com os outros?

(Nosso presidente Fabio Sexugi fazendo uma selfie)

São letras que esvoaçam e vão colorindo o céu da nossa cidade.

Isso tudo enquanto tomamos um café!

“NÃO PEÇO QUE OS TIRE DO MUNDO, MAS QUE OS LIVRES DO MAL.” João, 17- 15

 

 

 

NO TEMPO DO TEMPO

É tão gratificante olhar através do tempo e resgatar pessoas e momentos de um passado distante!

Como já disse Salomão: “tudo tem o seu tempo determinado e há tempo para todo o propósito debaixo do céu”.

E foi assim que passados 40 anos, pude me encontrar com uma amiga de quando aqui morei: Jose.

Ela era tão especial na sua maneira de ser, de conversar, além do que foi ela quem me ensinou a fazer bolos recheados onde o recheio principal era o amor.

(Lanche em sua casa em nosso primeiro encontro)

Estou escrevendo era, mas quando a encontrei, pude observar que ela continua a mesma pessoa de antes, de uma meiguice ímpar.

E foi interessante o modo como a reencontrei.

Eu já andava há tempos com dores nas pernas e então resolvi consultar um ortopedista.

Como não conhecia nenhum aqui (lembrem-se que retornei para Campo Mourão há três anos) pedi orientação de uma amiga que conhece a cidade inteira.

Ela me deu o nome do médico e disse:

-Ele é filho da Jose!

-Como assim? Perguntei. Da Jose nossa amiga que me ensinou a fazer bolos?

-Sim, ela mesma! Afirmou.

Claro que fui me consultar com ele e fiz mil perguntas sobre sua mãe.

Saí de lá com a receita para minhas dores e com o telefone da minha amiga.

Quando liguei para ela foi um sentimento gostoso, como se o tempo não tivesse passado.

Bem, aí fui até o apartamento onde ela mora e o abraço disse tudo: saudades, um olhar demorado para ver como estávamos (ela parece não ter mudado em nada) e perguntas e mais perguntas para serem respondidas em torno da mesa de café.

Depois desse dia, em 28 de maio, com muita chuva, voltamos a nos encontrar, dessa vez em minha casa e com a presença de mais duas amigas que também não se viam há bastante tempo.

(Jose com Rose e com Maria Teresa)

E em volta da mesa de café da tarde, tiramos selfies, fotos, rimos muito, conversamos com a promessa de nos encontrarmos mais vezes agora.

(Mesa de café bem mineira que preparei em casa)

Pois é, mais uma amiga que junto a tantas outras nessa cidade!

Como diz o final dos versos de Mário Quintana sobre o laço e o abraço: “então o amor e a amizade são isso… não prendem, não escravizam, não apertam, não sufocam. Porque quando vira nó, já deixou de ser um laço.”

“O AMOR SEJA NÃO FINGIDO. ABORRECEI O MAL E APEGAI-VOS AO BEM.” Romanos, 12-9

 

 

PUDIM JAPONÊS

Eu preparei essa receita que li no “Tudo Receitas”como sobremesa de um jantarzinho em minha casa.

Perguntei às minhas convidadas quais eram o ingredientes dela.

Elas experimentaram, pensaram e disseram várias coisas, mas não acertaram.

Pois é, são apenas 3 ingredientes para esse doce gostoso!

Vamos a eles.

2 barras de chocolate branco

2 potes de cream cheese

6 ovos

Primeiro derreta o chocolate no micro-ondas durante 30 segundos.

Retire, misture e repita a operação até derreter por completo.

Reserve para esfriar.

Adicione o queijo cremoso ao chocolate branco derretido e misture bem.

Separe as claras das gemas e adicione as gemas à misura anterior (não esqueça de peneirar as gemas).

Bata as claras em neve e adicione pouco a pouco na misura anterior envolvendo DELICADAMENTE para que não percam o ar.

Esse é o segredo: misturar levemente, com cuidado.

Unte uma forma redonda e coloque a massa.

Pré aqueça o forno em 180º.

Leve ao forno em banho maria por mais ou menos 30 minutos.

Desligue o forno e deixe o pudim por mais 15 minutos (não abra o forno).

Retire, espere esfriar e coloque em um prato para levar à geladeira.

Vejam como ele fica areado por dentro!

E uma gostosura!!!

“CRÊ NO SENHOR JESUS CRISTO E SERÁS SALVO, TU E A TUA CASA.” Atos, 16-31

 

FORAM TANTAS EMOÇÕES!!!

Depois de entregar convites, escrever o discurso, escolher uma roupa adequada para a solenidade, marcar salão, e esperar ansiosa, finalmente chega o dia tão esperado: 23 de março de 2019, um dia para ser lembrado com muita alegria!

Já pela manhã, me empolgo com flores que vão chegando!

À tarde me arrumo e… vou direto para as mãos fantásticas do meu amigo Jackson, que consegue transformar a Gata Borralheira numa Cinderela!

Às 07:15, já estou na Câmara dos Vereadores, recebendo os convidados e é quando bate aquela saudade de minhas filhas, tão longe, e que gostaria tanto de tê-las comigo.

Mas logo o coração se acalma com a chegada de meu filho e nora.

A cerimonia começa com a saudação feita pelo mestre de cerimonias, Ilivaldo Duarte de Campos.

Então sou levada até dentro do plenário pelos amigos Giselta da Silva Veiga e Robervani Pierin do Prado.

A mesa já está composta pelo presidente Fábio Alexandro Sexugi e demais autoridades e então é entoado o Hino Nacional e o Hino de Campo Mourão.

É depois disso que assino o livro da Academia Mourãoense de Letras.

Nossa, nessa hora eu estava tremendo…

Aí meu filho Paulo Emílio é chamado até a frente, já com minha pelerine em mãos e coloca em meus ombros a tão sonhada vestimenta!

Que abraço gostoso, cheio de carinho, obrigada Senhor!

Minha amiga Ester de Abreu Piacentini, faz a entrega do diploma.

Chegou a hora em que subo à tribuna para o juramento: “Juro pela minha honra cultivar, preservar e enaltecer o vernáculo pátrio em seus aspectos científico, histórico, literário e artístico, nas suas muitas diversidades culturais e de falares, construindo uma sociedade ética, fraterna e solidária.”

Após a leitura de minha biografia feita pelo mestre de cerimonias, faço o meu discurso.

Nessa hora estou calma, tranquila e olho para todos os presentes com muito carinho.

Primeiramente discorro sobre os três ilustres personagens da história de Campo Mourão: o fundador, Francisco Irineu Brzezinski, o patrono, Nelson Bittencourt Prado e o primeiro ocupante da cadeira número dois, Agenor Krul.

Então falo sobre mim, encerrando com minha poesia sobre Campo Mourão e que foi premiada em 2017.

Um rápido discurso e que teve a “minha cara”.

A palavra é passada para a nossa primeira dama, Hosana Avila Tezelli, representando o prefeito e que sendo minha amiga, teceu muitas palavras carinhosas a meu respeito.

Depois dela, foi chamado o professor José Eugênio Maciel que em seu discurso nos deu uma aula de amor a essa cidade.

O presidente encerra então a solenidade de posse e pede aos “imortais” presentes que se aproximem para a foto oficial.

Começam então os abraços!

Que gostoso!

(As amigas do crochê/tricô)

Essas fotos foram tiradas pelo mestre da fotografia, Walter Natalio!

E as pessoas foram saindo para comemorarmos em um restaurante, o Cayena e que fica quase em frente de onde estávamos.

Nesse momento eu estava tão descontraída e feliz, que peguei o microfone das mãos da cantora que estava começando as notas de Fascinação, e me atrevi a cantar…

Pois é!

O casal Larissa Guimarães e Diego Salvetti, ele tocando magistralmente um violão e ela com uma voz afinadíssima, trouxeram a beleza da música italiana e deixou o ambiente mágico e acolhedor.

Fomos para o restaurante em um local aberto, com um céu cheio de estrelas sobre nossas cabeças e um calorzinho gostoso.

Descontração geral!

E assim foi a minha noite de posse: pertenço agora à cadeira de número dois dessa Academia de Letras, dessa cidade onde moro e que aprendi a amar.

São ou não são, “muitas emoções”?

“A MINHA BOCA ENTOARÁ O LOUVOR DO SENHOR, E TODA A CARNE LOUVARÁ O SEU SANTO NOME PARA TODO O SEMPRE.” Salmos, 145- 21

 

 

 

 

 

ARROZ À GREGA

Sim, eu sei que as festas de Natal e Ano Novo já passaram, mas nem sei porque não coloquei essa receita antes…

Mas o Arroz à Grega é tão fácil de preparar e combina tanto com carnes (e até puro é uma delícia) que vou dar a receitinha.

Esse eu fiz em um jantar aqui em casa para amigas.

INGREDIENTES

arroz cozido

1 pimentão

1 cenoura

uma xícara de milho

uma xícara de ervilhas

1 cebola e um dente de alho

passas à gosto

1 colher (sopa) de manteiga

sal e pimenta do reino

Primeiro frite na manteiga o alho amassadinho e a cebola bem picada.

Junte a cenoura cortada em cubinhos bem pequenos.

Depois o pimentão também cortado em pedacinhos pequenos.

Refoque um pouquinho, mas não deixe amolecer.

É preciso ficar ao dente!

Tempere com o sal e pimenta.

Junte o milho e ervilhas.

E por último as passas.

Reserve.

Faça o arroz como de costume.

Em uma panela maior, misture tudo com cuidado.

Ele tem que ficar bem soltinho.

Faça com capricho e transforme seu almoço em um almoço super especial!

“PORQUE TODOS OS POVOS ANDARÃO, CADA UM EM NOME DO SEU DEUS; MAS NÓS ANDAREMOS NO NOME DO SENHOR, NOSSO DEUS, ETERNAMENTE E PARA SEMPRE.” Miquéias, 4- 5

 

 

 

 

 

PUDIM DE LEITE EM PÓ

No sábado, dia 8 desse mês de dezembro, tivemos o encerramento das atividades da AME (Associação Mourãoense de Escritores) em uma chácara da nossa amiga Zilma.

Foi um dia muito gostoso, mas vou contar de uma coisa mais gostosa ainda!

Um pudim que a filha da Silvania fez, levou e nos passou a receita.

Ela se chama Izabelle e com mais duas amigas, Marcela e Sabrina, criaram um grupo de teatro Cazamiga que por várias vezes nos presentearam com apresentações.

É claro que fiz!

Não vai ovos e nem vai ao fogo ou forno, super prático e fácil de fazer!

INGREDIENTES

1 leite condensado

2 xícaras de leite em pó

200 ml de leite integral

500 gramas de creme de leite

 10 folhas de gelatina incolor

Calda: 1 pote de Nutella

meia caixinha de creme de leite

Bata em liquidificador o leite condensado, o leite em pó, o leite integral e o creme de leite.

Coloque a gelatina para hidratar, dissolva (como as instruções dela) e misture ao liquidificador.

Bata bem.

Unte uma forma de pudim com óleo (não vai ficar com gosto)e despeje a mistura. 

Cubra com papel filme e leve à geladeira até ficar bem firme!

Vire em um prato.

Prepare a calda, que é só misturar os dois ingredientes.

Despeje por cima e sirva bem gelado!

Uma gostosura!!!

“TU ÉS O LUGAR EM QUE ME ESCONDO; TU ME PRESERVAS DA ANGÚSTIA; TU ME CINGES DE ALEGRES CANTOS DE LIVRAMENTO.” Salmos, 32- 7