POESIA EM VÍDEO

Há muito tempo, coloquei no youtube alguns vídeos de histórias infantis.

Na verdade, 4 pequenas histórias e um vídeo das comidinhas da vovó.

Nunca mais coloquei nada ali.

Acontece que comecei a gravar vídeos de poesias que me pediam para colocar em reuniões online, como manda a pandemia.

Assim gravei alguns e resolvi postá-los em outro canal do youtube com o nome de Sílvia Fernandes- POESIAS (assim como está escrito com o acento agudo e tudo).

Esse foi o primeiro que gravei para a AML (Academia Mourãoense de Letras), um poema de minha autoria: BAILARINA.

“FESTA JUNINA”, é o tema dessas quadrinhas que fiz para um sarau online da AME (Associação Mourãoense de Escritores).

Essa poesia também é minha e foi a pedido da AML e se chama : CONVERSA COM A NATUREZA.

Pablo Neruda é o autor desse pequeno poema sobre as “estações do ano” e gravei para a AME que pediu para um sarau sobre a PRIMAVERA.

Bem, por enquanto são só esses, mas gostei da ideia e a partir de agora vou gravar mais algumas poesias para esse canal.

Se quiserem, o link é:

https://www.youtube.com/channel/UC8lnrkD_MpUaU3mujn4vRWw

Espero que tenham gostado!

“O SENHOR, TEU DEUS, ESTÁ NO MEIO DE TI, PODEROSO PARA TE SALVAR; ELE SE DELEITARÁ EM TI COM ALEGRIA; CALAR-SE-Á POR SEU AMOR, REGOZIJAR-SE-Á EM TI COM JÚBILO.” Sofonias, 3- 17

SERÁ VERDADE?

Um pequeno conto que poderá se tornar verdadeiro daqui alguns anos…

SERÁ VERDADE?

E aquela velha senhora sentou-se em sua cadeira de balanço e começou a lembrar. Devagar, porque agora em sua vida, não existia pressa para nada.

Seus bisnetos irrequietos não aguentavam a espera para ouvi-la contar histórias do seu passado distante.

– Bisa, conta logo! Pediu o menino de cabelos cacheados.

– Vai ser de medo? Não gosto de histórias que me fazem ter medo. Reclamou a bisneta mais velha.

– Vou contar uma história verdadeira que aconteceu há muito tempo atrás quando eu tinha a idade de vocês.

E ela começou e o silêncio reinou.

Era somente sua voz embalada no vai e vem da sua cadeira.

Num belo dia como outro qualquer, surgiu um mal em nosso mundo. Ele era invisível e muitas vezes mortal.

Tudo parou!

As pessoas não podiam sair de casa, se encontrar com amigos e muito menos abraçar porque esse vírus estava rodeando as pessoas para apanhá-las de jeito.

As escolas fecharam bem como as igrejas, parques, lojas, restaurantes, tudo foi fechado.

– Nossa, bisa, e como vocês faziam? Ficavam presos em casa? Perguntou o mais curioso.

Muitas vezes sim. Respondeu a bisavó. Sair significava não ver esse inimigo que podia entrar pelo nariz e boca nos deixando doentes. As pessoas não podiam ir ao trabalho e começou faltar dinheiro para comprarmos alimentos. Éramos obrigados a usar máscaras.

– O que? Tipo Homem Aranha? Perguntou o menorzinho.

– Mais ou menos, continuou a velhinha, e lavávamos as mãos centenas de vezes ao dia e ainda usávamos álcool nelas e nos móveis, fechaduras, pacotes. Tudo era muito difícil.

– Bisa, muita gente morreu por causa disso? Perguntou tristemente a menina.

– Sim, respondeu a bisa, milhares e milhares! Cada manhã chegavam mais notícias de pessoas contaminadas e os hospitais não davam conta de cuidar de tanta gente. O desespero só crescia!

Até que um dia, a vacina foi inventada!

– Ainda bem, que legal! Todos falaram juntos.

– Verdade, queridos! Sorriu continuando a contar. Mas ela foi vindo de pouquinho em pouquinho e todos nós enfrentávamos fila no desejo de sermos vacinados e ficarmos tranquilos.

Foi uma alegria quando todo o mundo pode tomar a vacina e por o vírus prá correr!

– Que sorte a nossa, né bisa, por não termos mais esse vilão por perto! Ponderou o mais velho.

Sim, falou a bisavó, nossa fé e esperança de que tudo iria passar, foi nossa salvação. É por isso que agora vocês podem usufruir dessa paz e tranquilidade em que o mundo se encontra.

Gostaram da história?

– Sim, muito! Obrigado, bisa! Respondeu o mais esperto que ao sair com os outros para as brincadeiras no quintal, pergunta: vocês acreditaram na história que a bisa contou? Acham que aconteceu tudo aquilo mesmo? Não sei não…

E a bisavó que ouvia tudo pensou com seus botões, será mesmo?

Imagens: 1) dreamstime; 2) Vecteezy; 3) BC boa consulta

“POIS ASSIM COMO POR UMA SÓ OFENSA VEIO O JUÍZO SOBRE TODOS OS HOMENS PARA CONDENAÇÃO, ASSIM TAMBÉM POR UM SÓ ATO DE JUSTIÇA VEIO A GRAÇA SOBRE TODOS OS HOMENS PARA JUSTIFICAÇÃO DE VIDA.” Romanos, 5- 18

O VÍDEO DA LIVE

Tudo passa…e a live já ficou na memória!

Foi uma noite linda com a presença do mestre de cerimônias FÁBIO SEXUGI e da presidente atual da Academia Mourãoense de Letras, DALVA HELENA DE MEDEIROS.

(Fábio e eu)

E meus filhos, nora e netos leram poemas e haicais!

Super emocionante!

O vídeo já está no Youtube, mas vou colocar aqui para quem não pôde assistir, ver!

O link para comprar o ACALANTO é: http://www.livrariaamolivros.com.br

“BOM É O SENHOR PARA OS QUE SE ATÊM A ELE, PARA A ALMA QUE O BUSCA. BOM É TER ESPERANÇA E AGUARDAR EM SILÊNCIO A SALVAÇÃO DO SENHOR.” Lamentações, 3- 25 e 26

A ÍNDIA “CARA PINTADA”

Era uma vez, há muitos e muitos anos atrás, uma indiazinha chamada Luau.

Ela morava com sua tribo bem no meio de uma linda floresta, às margens do rio Paraná.

Era um lugar mágico, cheio de vida silvestre onde as árvores serviam de abrigo para inúmeros pássaros e onde o rio transbordava de peixes.

Os índios mais antigos se reuniam ao pé da fogueira e contavam sobre as maravilhas que conheceram: O Salto de Sete Quedas que deu origem a Usina de Itaipu.

Os homens eram guerreiros valentes e as mulheres cuidavam das ocas, que era como chamavam suas casas.

Luau tinha muitos amigos.

Eles se divertiam nadando nas águas limpas do rio, ouvindo e aprendendo o canto dos pássaros e observando as estrelas à noite no céu.

Aprendeu a fazer objetos de barro, usar plantas para fazer chás e tintas.

Sua melhor amiga era Iamá.

Passavam o dia juntas inventando mil coisas.

E foi num desses dias em que preparavam tintas de várias cores e espessuras (umas mais grossas e outras mais finas) que Iamá perguntou:.

O que vamos fazer com essas tintas?

– Estou pensando em uma coisa: que tal eu passar essas tintas em seu rosto? Perguntou Luau a sua amiga.

Se você prometer que ficarei bonita, eu deixo! Confirmou Iamá.

E, com muito jeito, a pequena índia começou a maquiar (ela nem sabia que era isso que estava fazendo) o rosto de sua amiga.

Começou fazendo um traço bem fino com tinta preta, em volta dos olhos; aplicou a tinta azul que era mais grossa por cima; deu uma cor meio rosa nas bochechas e, na boca, usou uma tinta bem vermelha.

Pronto!

Olhou e nem acreditava no que via: Iamá estava linda!

E foram as duas correndo para suas ocas, mostrar para as mães.

No dia seguinte, ao amanhecer, enquanto espreguiçava em sua rede, Luau ouviu ruídos, passos e conversas lá fora.

Quando olhou, qual não foi sua surpresa ao ver uma fila de mães com suas filhas, esperando por ela e pedindo que as fizesse lindas também!

Até o cacique da tribo, que era o chefe, estava lá.

Só o Pagé, que era o feiticeiro, estava num canto morrendo de inveja.

E assim, Luau ficou sendo conhecida em toda a tribo como a “Índia Cara Pintada” e foi feliz para sempre.

Imagens: 1 e 2) pinterest; 3) educaçaoetransformaçao.com.br

“O SENHOR TE GUARDARÁ DE TODO MAL; ELE GUARDARÁ A TUA ALMA.” Salmos, 121- 7

A CASA DO PORQUINHO PRÁTICO

“No jargão da didática de leitura e escrita, reescrever um texto não é corrigi-lo ou revisá-lo, como faz supor o senso comum. No contexto da disciplina, reescrever é contar, com as próprias palavras, uma história conhecida, com a qual a turma já está bem familiarizada.”

E é isso que fiz em várias histórias que coloquei aqui, como:

A FILHA DA GALINHA RUIVA

DUNGA, O ANÃO QUE NÃO ERA MUDO

Como tenho visto nas estatísticas um grande número de procura por essas historinhas, resolvi colocar outra.

E hoje, a reescrita vai ter como personagem principal, A CASA DO PORQUINHO PRÁTICO.

Éramos três casinhas: uma feita de bambu, outra de tábuas e outra de tijolos.

Eu sou a de tijolos e vou contar o que aconteceu com as outras duas.

Fomos construídas por três irmãozinhos: o Cícero, o Heitor e o Prático.

Eles andavam com muito medo porque souberam que um Lobo muito mau havia chegado nas vizinhanças e logo acabaria por ali.

Foi quando cada um resolveu fazer uma casa e eu fui a última a ficar pronta.

Fui construída com tijolos, muito cimento e muita paciência e fiquei uma beleza: com janelas e floreiras, porta com cadeado e até uma lareira com enorme chaminé.

Enquanto isso, eu observava os dois irmãos que já estavam com suas casas prontas, a cantar e dançar pelos caminhos.

Nisso, uma correria danada!

Cada um entrou e se fechou dentro de suas casas.

Era o Lobo que chegava!

E logo ouvi sua voz, alta e forte, gritando na frente da casa do Cícero:

– Abra essa porta senão eu assopro e bufo e faço voar essa casa pelos ares!

E ele soprou e bufou e as palhas voaram nada sobrando daquela casinha.

Também ela era amarrada com barbantes e cola!

E não é que o Lobo já estava gritando na porta do Heitor onde o Cícero entrara correndo?

– Abra essa porta senão eu sopro e bufo e faço voar essa casa pelos ares!

E ele soprou e bufou e as tábuas foram caindo como se feitas de papel.

Que susto!

Abri minha porta para os dois irmãozinhos que entraram correndo como um raio, tremendo de medo.

Mas o Prático que estava sossegado, pois sabia como tinha me construído, acalmou-os dizendo que nada iria acontecer porque eu era muito forte.

Fiquei contente, mas sabia que a responsabilidade era enorme.

Eu tinha que salvar a vida daqueles três irmãozinhos adoráveis!

E o Lobo chegou gritando na minha porta:

– Abra essa porta senão eu assopro e bufo e faço voar essa casa pelos ares!

E o ouvimos soprar e bufar, e bufar e soprar e eu ali, firme como uma rocha.

Não balancei nem um milímetro!

Mas o Lobo não desistiu.

Resolveu entrar pela chaminé.

Mas o Prático que além de tudo era muito inteligente colocou fogo na lareira e quando o Lobo desceu, seu rabo começou a pegar fogo e ele saiu como um foguete, correndo sem nem olhar para trás.

E o final foi feliz, é claro: os irmãos se abraçaram e Cícero e Heitor resolveram construir casas iguaizinhas a mim.

Sou ou não sou poderosa?

Outras historinhas com centenas de visualizações:

O SORRISO DO GATO DA ALICE

O ARCO ÍRIS

A FADA SERELEPE

O LANCHE DAS PRINCESAS

O DIA DO PAPAI NOEL

Imagens: 1) Dentro da História; 2) Cultura Genial; 3) iStock

“OUVE-ME, SENHOR, POIS BOA É A TUA MISERICÓRDIA; OLHA PARA MIM SEGUNDO A TUA MUITÍSSIMA PIEDADE.”Salmos, 69- 16

VACA ATOLADA COM COSTELA MM- VÍDEO 10

E chegamos à última receita da série NA COZINHA COM MARIA!

Como foi gratificante fazer e receber tantas mensagens carinhosas; também tantas participações especiais de amigas que puderam comprovar a qualidade dessa carne!

Já estou com saudades da Maria…

Mas vamos ao prato de hoje.

A “vaca atolada” é um prato típico da chamada “comida caipira” que é muito popular em estados como Minas Gerais. A combinação da carne (costela bovina) com a mandioca e temperos, resulta em uma comida saborosa e com substância.

Assistam ao vídeo e comprovem vocês mesmos!

“DE MANEIRA QUE CADA UM DE NÓS DARÁ CONTA DE SI MESMO A DEUS.” Romanos, 14- 12

ESTROGONOFE DE MIGNON MM- VÍDEO 08

STROGONOFF é um prato originário da culinária russa.

Existem várias explicações para o nome desse prato, presume-se que seja derivado do nome de algum membro da grande e importante família Stroganov.

O estrogonofe (já na versão abrasileirada) é bastante popular no Brasil, onde tem muitas variações, podendo ser utilizado carne bovina, frango ou camarões. A principal característica do estrogonofe brasileiro é o uso de molho de tomate ou ketchup, misturado com o creme de leite e cogumelos. Além disso, é sempre servido com uma porção de arroz branco e batata palha, enquanto que na Rússia é geralmente servido com batatas cozidas. (Wikipédia)

(Foto ilustrativa MdeMulher)

Nossa, está passando super rápido essas postagens dos vídeos!

Já são oito, mas aguardem: temos duas ótimas receitas ainda!

E vou colocar uma foto minha enquanto preparava essa receita.

Bem feliz, não é mesmo?

Pois é, somos felizes quando fazemos aquilo que gostamos e eu, particularmente, estou amando tudo isso!

“BUSCAI AO SENHOR ENQUANTO SE PODE ACHAR, INVOCAI-O ENQUANTO ESTÁ PERTO.” Isaías, 55- 6

ESCABECHE DE LAGARTO MM- VÍDEO 07

O escabeche era um modo tradicional de conservar alimentos, como carnes, aves e peixes, especialmente para longas viagens. A base do escabeche era o vinagre, que fazia um pré cozimento e conservava o alimento por meses sem deteriorar.

Esse tipo de conservação deu origem a pratos na gastronomia local.

Fiz essa carne para comer fria, dentro de um pãozinho ou salada.

É ótima para trocarmos o jantar por um lanche, o que é bem mais saudável.

E hoje temos mais uma colaboração e que está sendo frequente aqui no blog: minha amiga GLACY, que está se superando em nossas receitas.

Hoje com o Filé à Parmegiana!

“E, ASSIM, COM CONFIANÇA, OUSEMOS DIZER: O SENHOR É O MEU AJUDADOR, E NÃO TEMEREI O QUE ME POSSA FAZER O HOMEM.” Hebreus, 13- 6

FILE A PARMEGIANA MM_ VIDEO 06

ALCATRA

Considerada “A Rainha das Carnes”. Servida ao ponto ou mal passada é considerada uma carne nobre, de fibras macias. A peça inteira está localizada no traseiro do boi entre o lombo e a coxa, de onde saem outros cortes igualmente apreciados, como a picanha e a maminha. É ideal para bifes, refogados, assados, ensopados e churrasco.

E o que esta explicado no site da Cooperativa Maria Macia.

Primeiro quero explicar a voce que esta lendo esse texto, que as palavras estao sem acento e a pontuacao nao esta correta devido a um problema que ocorreu na formatacao desse computador e que espero solucionar o quanto antes.

Entao vamos la

Novamente coloco aqui a colaboracao das minhas amigas GLACY e TELMA que tem aproveitado as receitas e enviado as fotos e dessa vez com a MAMINHA MARIA MACIA!

Mais uma vez, obrigada amigas!

Primeira foto: Glaci e segunda foto: Telma.

MAS SE ESPERARMOS O QUE NAO VEMOS, COM PACIENCIA O ESPERAMOS. Romanos, 8, 25.

CARRETEIRO COM CARNES MM- VÍDEO 04

A receita surgiu quando mercadores ambulantes atravessavam a região em carretas puxadas por bois. O carreteiro valia-se muito da carne de sol em seu cardápio, que no Sul do país é conhecida como charque, pois, além de abundante na época, ela se mantinha conservada durante os muitos dias das viagens. (gilomarilia.com.br)

É feito de arroz ao qual se adiciona carne seca desfiada ou picada, às vezes paio e linguiça em pedaços, refogados em bastante gordura, alho, cebola, tomate e cheiro verde.

E é uma receita bem parecida com essa que você vai ver no vídeo abaixo.

Mas antes, quero mostrar outros pratos feito com a FRALDINHA MARIA MACIA e que me foi enviada pelas:  minha amiga de muitos anos, GLACI GURGEL.

Ela contou-me que a família estava reunida e todos aprovaram com louvor!

E acabo de receber mais uma receita aprovada, vinda de Porto Velho, Rondônia. E quem fez foi a TAMARA OLIVEIRA HIGASHI, também amiga de muitos anos!

Obrigada, amigas!

“PORQUE O SENHOR É O NOSSO JUIZ; O SENHOR É O NOSSO LEGISLADOR; O SENHOR É O NOSSO REI; ELE NOS SALVARÁ.” Isaías, 33- 22