FRUTAS VERMELHAS COM BRIGADEIRO

Pois é… minha neta Isadora, de 10 anos, resolveu que ela faria a sobremesa do jantar de Natal!

Ai que orgulho para essa avó cozinheira!

E ela fez tudo direitinho, com a delicada supervisão de sua mãe.

INGREDIENTES

frutas vermelhas a gosto

bananas

tubetes

1 receita de brigadeiro

Primeiro separe, lave e higienize e seque todas as frutas.

Reserve.

Aqui ela começa a fazer o brigadeiro e nessa hora não aguentei e tive que entrar na cozinha para fazer as fotos!

-Vira para cá, querida! Só uma fotinho para a vovó colocar no blog!

E ela se virou!

Aqui ela já me mostra o brigadeiro pronto e que não pode ficar muito duro pois vai ser degustado com as frutas.

E ficou maravilhoso!

Ela mesmo montou os pratinhos e serviu.

Viva a Isadora e sua sobremesa!!!

Não podia deixar de fazer referência aos outros netos e que ficaram lindos na foto: Heitor, Cesar, Isadora e Daniel; e a vovó babona no meio!

“TAMBÉM SABERÁS QUE SE MULTIPLICARÁ A TUA SEMENTE, E A TUA POSTERIDADE, COMO A ERVA DA TERRA.” Jó, 5- 25

FÉRIAS COM OS NETOS

Tem coisa melhor nessa vida do que netos?

Tá bem, você ainda nãos os tem, mas prepare-se: você vai babar por eles.

São seres que vem para encher nossas vidas de alegria e tudo se torna um recomeço para nós!

(Os quatro no trator da fazenda em Campo Mourão))

São dois os filhos da minha filha Viviane: Isadora, 10 anos e Heitor, 7 anos; e dois do meu filho Paulo Emílio: Cesar, 5 anos e Daniel, 2 anos e meio.

Fico a observar cada um em seu jeito tão peculiar de ser, com sua personalidade própria, com suas qualidades, gostos e sentimentos.

Um é extremamente amoroso, que gosta de ficar abraçado, ninhado no colo, dando e recebendo beijos e abraços.

Outro nunca gostou de beijos… mas nem por isso deixa de ser um encanto.

Uma já esta na fase de pré adolescência, muitas vezes se isolando em seu quarto, enquanto brinca de…bonecas! A eterna magia entre ser criança ou não…

O menor, com seus gostos por esqueletos, mas que são originários de desenhos que assiste. Tudo normal!

Já escrevi poemas sobre cada um deles; já escrevi crônicas; escrevi historinhas e fiz vídeos; contei muitas histórias vestida de contadora; brinquei de roda; joguei mico, montei quebra cabeça, brinquei de loja e restaurante, cantei para dormirem…

Isso e mais um pouco, mas tão pouco que queria mais…

Sou imensamente feliz por poder participar de suas histórias de vida e, quando eu virar uma estrela no céu, eles terão lembranças, livros e blog para verem a vovó Sílvia que sempre e sempre os amou!

Mas isso é para depois!

Ainda quero assistir formaturas, casamentos e muito mais ( kkkkkk!)!

(Lanchando no Burger King)

Vou ser uma velhinha presente e feliz, se Deus assim o permitir!

Por enquanto, vou aproveitando essa infância linda que me enche de encantamento e me faz renascer a cada dia!

“MAS A MISERICÓRDIA DO SENHOR É DE ETERNIDADE A ETERNIDADE SOBRE AQUELES QUE O TEMEM, E A SUA JUSTIÇA SOBRE OS FILHOS DOS FILHOS.” Salmos, 103- 17

 

 

BOLACHINHAS SAUDÁVEIS

Ah, um sábado silencioso em casa, depois da alegria de filhos e netos enchendo tudo de risadas, bagunças e alegrias, fiquei sem ter o que fazer…

Então o melhor é ir para a cozinha!

Foi o que fiz…

Queria mesmo experimentar essa receita que me fez lembrar das Rosquinhas da minha mãe…

INGREDIENTES

1 xícara de fubá

1 xícara de polvilho azedo

1/2 xícara de gordura vegetal

3 colheres (sopa) rasas de açúcar

1 ovo

1 colher (sopa) rasa de fermento

Coloque todos os ingredientes em uma tigela.

A gordura tem que estar bem molinha e por isso coloquei um pouquinho no micro-ondas.

Vá amassando com as mãos até dar liga (é bem rápido e fica uma massa bonita).

Fui tentar esticar com o rolo, mas não deu certo, então fui pegando pedacinhos da massa e modelando com as mãos.

Coloque em assadeira (não precisa untar) e leve ao forno pré aquecido em 200º até pegar uma cor (é bem rápido).

Coloquei em uma lata e aos poucos vou comendo (claro que com uma boa xícara de café)…

Fica macia e super saborosa!!!

Essa receita é para repetir muitas vezes!

“JÁ NÃO É PELO QUE DISSESTE QUE NÓS CREMOS, PORQUE NÓS MESMOS O TEMOS OUVIDO E SABEMOS QUE ESTE É VERDADEIRAMENTE O CRISTO, O SALVADOR DO MUNDO.” João, 4- 42

 

A PESCARIA

 

Ah, um dia lindo de sol nessas manhãs outonais em que a natureza parece explodir em cores!

E lá vamos nós, filho, nora e dois netos para um Pesque Pague perto da nossa cidade.

Um lugar perfeito: tudo muito limpo, as casinhas cobertas, cada uma com duas cadeiras onde nos sentamos confortavelmente.

Eu animadíssima tirando fotos de tudo que via.

Pegamos três varas, sendo uma para mim, outra para meu filho e a terceira para meu neto que tem quase cinco anos.

Vara pronta, isca no anzol, a linha sendo lançada e olho na boia colorida.

-Mãe, fica atenta para quando a boia afundar pois é a hora em que o peixe está mordendo a isca. Aí é só fisgar e puxar. Explicou o meu filho.

-Ok, ok! Já entendi. Falei como se soubesse tudo a respeito.

Nossa, a minha pose era de uma profissional: calça jeans, camisão, boné e aquele ar de quem sabe que vai tirar o maior peixe da água.

Todos sentados, quietos e os peixes começam a pular, aqui, ali, prá fora, uma festa peixal!

-Peguei um! Fala o meu filho.

E vai puxando uma tilápia grande.

Coloca no balde onde ela começa a se debater até parar.

-Papai, fisguei um! É meu neto gritando e meu filho corre para ajudar a puxar uma enorme irmã daquela outra.

Começo a ficar preocupada!

Um senhor que trabalha ali mesmo, chega perto e joga uma porção de comidinhas e a água parece ficar viva com tantos peixes sassaricando por ali!

-Agora pego um! Falei.

Que nada… eles nem ligavam para minha isca e iam direto para a do meu filho que ia tirando e tirando e eu ficando sem graça e sem graça…

Disfarçadamente eu me chegava perto de onde eles estavam, mas continuava sendo ignorada.

Meu neto ainda pegou mais dois.

Meu filho pegou um que pesou 2 quilos, num total de 10 quilos de peixes.

E eu ali, dando banho na minhoca, que nem minhoca era…

De repente cansei de brincar daquilo.

Fui ver os homens limpar os peixes, tirei fotos dos quatis e acabei no restaurante comendo tilápias fritinhas e tomando uma cervejinha gelada.

Mas antes de ir embora, fiz pose com o peixe que meu filho tinha acabado de pescar…

É,“o mar não está prá peixe”, já disse alguém, mas serviu para eu chegar em casa e fazer o que sei: escrever sobre esse dia de pescaria!

“E DISSE-LHES: VINDE APÓS MIM, E EU VOS FAREI PESCADORES DE HOMENS.” Mateus, 4-19

 

 

 

 

 

 

 

MEU DISCURSO DE POSSE NA AML

Muitas pessoas pediram para que eu postasse o discurso que fiz por ocasião da minha posse na cadeira de número dois na ACADEMIA MOURÃOENSE DE LETRAS.

Ele é um tanto curto para os padrões, mas eu sou assim: minhas palavras são resumidas mas cheias de verdade e amor.

Então aí vai!

“Vou iniciar minhas palavras fazendo referência a três pessoas importantes na história da nossa Academia.

FRANCISCO IRINEU BRZEZINSKI, foi o fundador da nossa Academia Mourãoense de Letras.
Nasceu em Malé, no Paraná, em 1937.
Formado em Direito e Filosofia, em 1962 já estava em nossa cidade e foi vereador e presidente da Câmara.
Colaborou na fundação do Museu Histórico, foi deputado federal e fundou a Associação de Escritores de Campo Mourão.

NELSON BITTENCOURT PRADO, patrono, nasceu em Guarapuava , Paraná, em 1917.
Formado em Ciências Jurídicas e Sociais, Filosofia e Jornalismo.
Em 1951 instalou a primeira banca de advocacia geral aqui na cidade e editou o primeiro jornal local.
Foi vereador e presidente da Câmara.
São deles os dizeres: “bendito o criador e o semeador. Bendita a terra onde o povo recolhe o pão de sua própria seara.”

AGENOR KRUL, primeiro ocupante da cadeira número dois, nasceu em Ponta Grossa, Paraná, em 1946.
Filho de pais poloneses, veio para nossa cidade em 1970.
Formado em Filosofia, foi professor, diretor e depois presidente da Fundescam, hoje Unespar, onde foi o primeiro diretor. Sua esposa está aqui presente, o que muito me honra.
Ele diz em sua biografia: “a profissão do professor é uma das mais nobres entre todas as profissões e nunca devemos deixar as coisas como as encontramos, mas sim melhores do que estavam. Adotei essa terra, Campo Mourão, como a minha terra, para morar, viver e ser feliz.”

Agora sobre mim.
Nasci em Machado, Minas Gerais, a setenta anos atrás.
Meu pai, pastor, professor, escritor, poeta, tradutor; minha mãe professora de música e que tocava piano como ninguém.
Como não acabar gostando de ler, de música, e como boa mineira, gostar de cozinhar?
Então acabei sendo aquela pessoa que gosta de estar na cozinha e que enquanto prepara suas comidas, pensa em versos…
Tudo que escrevo é muito simples.
Minha poesia não é feita com palavras difíceis.
Ela é uma conversa que tenho com o leitor, como se estivéssemos nessa minha cozinha saboreando um café.
Como dizia Rubem Alves que tive o prazer de conhecer pessoalmente: “para se entrar numa escola, alunos e professores deveriam passar por uma cozinha. Os cozinheiros bem que podiam dar lições aos professores. Os banquetes não se iniciam com a comida que se serve. Eles se iniciam com a fome. A verdadeira cozinheira é aquela que sabe a arte de produzir fome. Nós professores, temos que despertar a fome pelo conhecimento em nossos alunos, como faz o bom cozinheiro quando deixa a porta da cozinha aberta para que os aromas possam percorrer pela área de jantar e fazer os estômagos dos frequentadores roncarem de fome.”
É isso que esperam de nós: que possamos levar essa fome pelo saber, pela leitura, pela literatura.

Preciso agora agradecer.
A Deus, em primeiro lugar, por traçar meu caminho de volta para essa cidade que se tornou minha.
A meus três filhos, Viviane, Fabiane e Paulo Emílio, que sempre me incentivaram, juntamente com meu genro André e minha nora Patrícia, que me deram a alegria de quatro netos: Isadora, Heitor, Cesar e Daniel, obrigada.
A todos os meus amigos antigos e novos, da AME, da Biblioteca, do tricô e dessa Academia que hoje me recebe, meu muito obrigada.
Aos amigos que estão prestigiando esse solenidade, obrigada.
E encerro minhas palavras com a poesia que fiz, a qual ganhou o prêmio em 2017 no concurso de poesia sobre nossa cidade.
HISTÓRIA SEM FIM
Há muitos anos atrás
ela aqui viveu.
Na terra vermelha
de campos de soja,
de trigo, de gado,
de andorinhas voando
num céu todo seu.

Depois foi embora.
Criar filhos, trabalhar.
Ganhou netos,
escreveu livros,
mas um dia quis voltar.

E chegou devagarinho,
sem saber como
iria se recebida.
E a cidade faceira
abriu seus braços saudosos
recebendo a forasteira.

E ela pergunta ao moço:
A cidade mudou muito,
quase não a reconheço,
onde estão as andorinhas
que faziam alvoroço?

E ele continua contando
coisas que ela consegue lembrar.
Campo Mourão é história,
casa de amigos,
fácil de amar.

E ela agradece sorrindo
porque sabe muito bem
que dessa cidade amiga
ela faz parte também.

Agora, mais do que nunca!
Obrigada!”

“RECOMPENSOU-ME O SENHOR CONFORME A MINHA JUSTIÇA E RETRIBUIU-ME CONFORME A PUREZA DAS MINHAS MÃOS.” Salmos, 18- 20

 

PROJETOS PARA O ANO NOVO!

Ui isso é tão demodê…mais ou menos como essa palavra…

Lista disso, lista daquilo, meus propósitos… quase todo mundo faz e quase ninguém cumpre.

Pois é… vou fazer a minha e espero poder cumpri-la integralmente.

Vamos lá!

Não tenho levado muito a sério meus exercícios de andar…então pelo menos três vezes na semana vou caminhar trinta minutos.

Ai, ai… comer doces! Amo doces e chocolates, mas vou cortar pela metade, pelo menos (que ainda é bastante).

Escrever e publicar mais um livro! Tenho muitos projetos para isso, só preciso criar coragem e ir atrás.

Tricotar e crochetar cada vez mais, afinal faço parte de um projeto e preciso terminar a colcha que estou fazendo para um velhinho do lar.

Reunir em minha casa meus três irmãos para passarmos pelo menos um final de semana juntos.

Fazer novos amigos e cultivar os antigos.

Fazer mais jantares e cafés em casa para minhas amigas porque essa troca é deliciosa.

Visitar mais vezes as amigas de Curitiba porque isso é preciso.

Continuar fazendo minhas comidinhas com amor para que cada vez mais as “Comidinhas da Vovó Sílvia” se tornem conhecidas e apreciadas.

Participar sempre das reuniões da AME (Associação Mourãoense de Escritores) levando uma palavra sempre que possível

Participar das reuniões da célula pois é ali que estudamos e compartilhamos experiências.

Ler mais livros de autores mourãoenses pois quero conhecê-los cada vez mais.

Participar de eventos culturais como fiz nas escolas Paulo VI, Osvaldo Cruz e Unespar.

Fazer com que meu blog cresça cada vez mais e, se já está em 46 países e com mais de 120 mil visualizações, por que não dobrar?

Sonhar é bom, então por que não fazer um Cruzeiro, mesmo sendo por costas brasileiras?

Visitar novamente Angola e África do Sul, ver minhas filhas e netos, por que não?

Vou entrar para a Academia Mourãoense de Letras e isso me faz lembrar que logo será minha posse. Muito trabalho me espera, afinal serei uma “imortal”!

Agora, tudo isso só será possível se em todas essas “promessas” de ano novo, eu colocar na frente: SE DEUS QUISER!

Tomara eu possa cumprir tudo que planejei para 2019!!!

“DIGO-VOS QUE NÃO SABEIS O QUE ACONTECERÁ AMANHÃ. PORQUE QUE É A VOSSA VIDA? É UM VAPOR QUE APARECE POR UM POUCO E DEPOIS SE DESVANECE.” Tiago, 4- 14

 

RELEMBRANDO NATAIS

Difícil escrever sobre o Natal…

Primeiro vem as lembranças mais remotas, de quando eu era pequena e passava esse dia com meus pais e irmãos.

Não tenho lembrança de meus avós junto conosco nessas comemorações; cada um morava em cidades distantes e viagens não eram tão fáceis como hoje em dia.

Assim o Natal se resumia em apenas nós seis: papai, mamãe, eu e meus três irmãos.

(Minha casa nesse ano de 2018)

Ganhava presentes: às vezes uma roupa nova, um sapato novo ou algum brinquedo.

Já com meus filhos os Natais foram diferentes!

Como morávamos no interior, viajávamos até a Capital onde meus pais e sogros moravam.

Então festejávamos dia 24 com os sogros e 25 com meus pais.

Nas duas casas era tudo muito animado com reunião de primos e tios e tudo era música e alegria.

(Mais enfeites em casa!)

Minha mãe sentava ao teclado tocava milhares de músicas natalinas e meu pai lia na Bíblia, a história tão conhecida do nascimento de Jesus.

Aí presentes (muitos) eram abertos e a ceia era repartida entre todos.

O Natal de agora ficou mais triste…

Meus pais se foram e não tem mais a música dos hinos nem a leitura da história de Jesus…

Os filhos vão fazendo suas vidas e alguns seguem para lugares distantes.

Então noto que a idade avançou e fiquei muito mais sentimental, como agora quando escrevo isso…

(Minha sala enfeitada!)

Mas o Natal de Jesus não muda!

Ele permanece através dos séculos como a vinda de nosso Deus ao mundo.

De uma maneira serena e humilde como Ele sempre foi, nos amando tanto que veio até nós para nos dar nova vida.

Então deixemos as lembranças tristes de lado e comemoremos o Natal com gratidão e alegria!

FELIZ NATAL A TODOS!!!

 

“PORQUE DESDE A ANTIGUIDADE NÃO SE OUVIU, NEM COM OUVIDOS SE PERCEBEU, NEM COM OS OLHOS SE VIU UM DEUS ALÉM DE TI, QUE TRABALHE PARA AQUELE QUE NELE ESPERA.” Isaías, 64- 4

 

 

CRIANÇAS BRINCANDO

Adoro ver crianças brincando sozinhas!

Fico ali perto com cara de paisagem, como quem não quer nada, às vezes fingindo ler, procurando demonstrar que não estou nem aí para o que estão fazendo.

Puro engano!

Estou super ligada, aprendendo com eles como entrar no mundo do faz de conta!

(O menorzinho, meu neto Daniel)

E é tanta magia: amigos imaginários, avião feito de uma caixa, foguetes que sobem através de uma pequena mão para cima, heróis que andam e conversam entre si, carros que passam por pontes invisíveis aos meus olhos de adulto, bonecas que conversam e tomam conta de seus filhinhos menores… tanta beleza junta!

E quando os mais velhos querem brincar de restaurante?

Aí eu entro na história!

Como somos em três, um fica como dono e os outros dois são os clientes.

E tem toda a encenação: primeiro eu, que estou com meu “filho”, toco a campainha (imaginária também) e ela atende:

-Boa tarde! Sejam bem vindos! (Ela é muito educada!) Mesa para quantas pessoas?

E eu respondo:

-Para duas! Obrigada (também sou educada!).

Aí ela mostra o cardápio (escrito por ela mesma com preço e tudo) e nós escolhemos.

Depois de anotar os pedidos, ela diz:

-Um momento que já vou trazer.

E nós esperamos ansiosos por nossa “comida” até que ela vem com uma bandeja com pratinhos, copos, xícaras e talheres (de brinquedinho) e nós experimentamos, fingimos comer e comentamos como tudo está gostoso.

Pedimos a conta e ela vem com uma caixinha e pergunta:

– Débito ou crédito?

Me seguro para não dar uma gargalhada!

-Coloque sua senha, por favor.

E eu segurando o riso, digito a senha na caixinha.

Nos despedimos e agora é a vez do outro ser o dono do restaurante.

Fazemos tudo de novo!

E querem repetir muitas vezes mais, parecem não enjoar!

(Formatura do Pré, meu neto Heitor)

À noite é hora de histórias e lá vou eu novamente.

Minha empolgação é tanta de “contadora de histórias” que isso me faz lembrar de outra passagem engraçada.

(Mudança de faixa no karatê, meu neto Cesinha)

Meu neto gostava muito da história dos Três Porquinhos e na hora em que eu contava da chegada do Lobo Mau, fazia uma voz grossa e cavernosa.

Na outra noite perguntei:

-Qual história você quer ouvir hoje?

E ele:

-Os Três Porquinhos, mas vovó não faz a voz do Lobo Mau, tá bom?

Quem não se encanta com isso?

Li, recentemente, um pensamento do meu amigo escritor Oswaldoir que diz:

“A criança rabiscou o céu num pedacinho de papel e agora brinca de ser anjo, como se já não o fosse”.

Lindo, não?

(Formatura da 4ª série, minha neta Isadora)

É muito amor envolvido!

E sim, eles acreditam em Coelho da Páscoa e Papai Noel!

E sim, quero crer que eles continuem a existir na imaginação tão pura e inocente das crianças.

E sim, ainda vou observar muito esses quatro anjos, meus netos amados, brincando, enquanto finjo ler um livro…

“…QUE DEUS É TÃO GRANDE COMO O NOSSO DEUS? TU ÉS O DEUS QUE FAZES MARAVILHAS…” Salmos, 77- 13 e 14

 

ELE CHEGOU!!! A FESTA PARA ELE!!!

Lembro de uma música que se cantava nos tempos da jovem guarda, que dizia assim:

“Quando o carteiro chegou e meu nome gritou com uma carta na mão, ante surpresa tão rude, nem sei como pude chegar ao portão…”

Ele nem gritou meu nome, mas sim tocou a campainha e nem fiquei surpresa porque já esperava a qualquer hora que ele chegasse.

Ah como é gostoso receber pronto, cheirando novo, a sua última cria!

Tudo começou com uma vontade enorme de escrever para essa faixa etária que faz parte da literatura infantojuvenil e que possui poucas histórias dedicadas a ela.

Seu nome: O NASQUIMI DOURADO E OUTRAS HISTÓRIAS.

(Marcadores de páginas)

E não me perguntem o que é Nasquimi porque só saberão, ou não, quando lerem a história.

As demais são: “O Caso do Bilhete Perdido”, “O Jardim dos Três Desejos” e “Aventuras na Ilha”.

São 64 páginas e a editora é a Multifoco do Rio de Janeiro.

A capa. convites e marcadores, ficou a cargo da Estúdio Arte daqui da cidade com a competência do casal querido Rafael e Vanieli.

Bem, aí vamos para a parte mais difícil que é a organização do evento.

Afinal tenho que apresentá-lo em grande estilo!

Começamos pelo convite, que hoje em dia nem se imprime mais e vamos enviando por whatsApp e e-mails.

Segue a encomenda do coquetel, das flores e tenho a ajuda das incansáveis funcionárias da biblioteca.

(Aqui os livros editados, antologias e revistas que participei)

A nossa Biblioteca é muito linda e foi fácil deixarmos tudo muito aconchegante e gostoso.

Nessa foto, temos a Mestre de Cerimônia (Fátima Braga) fazendo a abertura, logo depois eu discursei e em seguida fez-se a fila para os autógrafos.

Meu filho Paulo Emílio e minha nora Patrícia, foram representando minhas duas filhas e o Cesinha, representando os outros três netos.

Esse livro foi dedicado aos meus quatro netos: Isadora, Heitor, Cesar e Daniel que me proporcionam momentos indescritíveis de amor e me fazem voltar a ser uma Contadora de Histórias.

Paulo foi meu fotógrafo (apesar de na foto acima, seu filho estar fotografando) e se saiu muito bem (vejam as fotos lindas que estou postando); e a Pati foi minha tesoureira, agilizando a venda dos livros.

Na foto acima, estão as amigas Tricocheteiras, que fazemos um trabalho voluntário à pessoas carentes; abaixo, as meninas da biblioteca, Simone, Luciana, Vivian e Kelli.

Aqui, com o Prefeito da nossa cidade, Tauillo Tezelli que prestigiou o lançamento e com amigas da Academia Mourãoense de Letras.

E, em seguida, fotos das pessoas queridas que foram me abraçar!

 

Foram momentos muito gratificantes e que ficarão marcados para sempre!

Transcrevo para vocês, o final do meu discurso onde digo: “Monteiro Lobato escreveu certa vez que quem escreve um livro, cria um castelo; quem o lê mora nele. Eu já morei em muitos castelos, pois sempre li muito; agora eu criei esse castelo e quero que vocês venham comigo morar nesse lugar de sonhos, encantamento, onde tudo é poesia e amor.Ele chegou! Aproveitem!”

“O SENHOR É A MINHA FORÇA E O MEU ESCUDO; NELE CONFIOU O MEU CORAÇÃO, E FUI SOCORRIDO; PELO QUE O MEU CORAÇÃO SALTA DE PRAZER, E COM O MEU CANTO O LOUVAREI.” Salmos, 28- 7

 

 

 

 

 

UMA VISITA MUITO “GIRA”!!!

Aqui em Luanda tenho aprendido muitas palavras novas e, uma das que anotei foi essa: “gira” que quer dizer “legal”!

Foi quando visitei o Colégio dos meus netos pela primeira vez e uma ajudante comentou com outra:

-O cabelo da avó da Isadora é gira!

Fiquei sem saber o que era e perguntei a Isadora.

_Não vovó, não é ruim não… é bom! É legal!

É, meus cabelos brancos andam fazendo sucesso por aqui (ou como eles diriam: “estão a fazer sucesso!”)

(A primeira foto é na frente do Colégio; abaixo o complexo esportivo e a terceira somos nós em frente a um baobá, ou imbundeiro, também na frente do Colégio).

O CSFA (Colégio São Francisco de Assis) de Luanda é um estabelecimento de ensino de Currículo Completo Português, localizado em Talatona, que assegura a educação pré-escolar (3 anos) até ao ingresso na Universidade.

Como eles estavam comemorando a Semana da Família, fui convidada a falar nas turmas dos meus dois netos.

No primeiro dia, fui à sala da quarta série da professora Ada onde Isadora estuda.

Falei por mais ou menos meia hora sobre “como se tornar um escritor” e os 23 alunos ficaram muito interessados e me encheram de perguntas!

Contei dos livros que escrevi e sobre o mais novo a ser lançado na minha volta ao Brasil e que é direcionado às suas idades.

Pediram para eu contar alguma história dele e resumidamente contei.

Foi super gratificante e ao final, vieram com folhas e cadernos para eu autografar…

Me senti tão importante!

Em outro dia marcado, foi a vez de visitar a sala do Pré, da professora Teresa, onde estuda o Heitor.

Eles já me esperavam ansiosos!

Sentei em uma cadeira baixa e eles em volta no chão.

Aí a “Contadora de Histórias” colocou um laço de fita no cabelo e começou a contar a história da Dona Baratinha (que aqui se chama Dona Carochinha).

Cantei, fiz as vozes dos personagens, interagi com eles e foi realmente um momento mágico!

(Aqui com a professora Teresa)

Depois que saí da sala, a professora pediu que seus alunos desenhassem aquilo que mais gostaram na história e eles fizeram um pouco de tudo.

Até o caldeirão de feijoada onde o Dom Ratão caiu, foi desenhado (pelo Heitor, que me explicou…).

E hoje, 25 de maio, é o dia da África e os alunos foram vestidos à caráter!

(Isadora e Heitor na frente do Colégio)

Este dia recorda a luta pela independência do continente africano, contra a colonização européia e contra o regime do Apartheid, assim como simboliza o desejo de um continente mais unido, organizado, desenvolvido e livre. 

FELIZ DIA DA ÁFRICA!!!

“LEVANTA-TE, RESPLANDECE, PORQUE JÁ VEM A TUA LUZ, E A GLÓRIA DO SENHOR VAI NASCENDO SOBRE TI.” Isaías, 60-1