NA TERRA DOS ANIMAIS!

Fazia muito tempo que minha filha Fabiane não colaborava com o blog ( desde 19 de março de 2018, com Fernando Pessoa) e eu sempre querendo mais e mais.

Então hoje vamos nos deliciar com esse novo texto!

“NA TERRA DOS ANIMAIS”

“Quando eu digo que moro na África muita gente pergunta se eu vejo leões e girafas atravessando a rua. Sempre brinco que sim, e digo que tenho um elefante como bicho de estimação!
Embora nunca tenha encontrado um rinoceronte no meu quintal, a natureza aqui é viva, pulsante e traz surpresas quase que diárias.
Nas últimas semanas uma turma de baleias tem feito a alegria de quem anda no calçadão de Sea Point (um dos bairros mais movimentados de Cape Town). Dia desses cheguei atrasada ao trabalho – fiquei parada olhando encantada elas se exibirem! Golfinhos também são companhias constantes, assim como focas e leões marinhos.

(Foto divulgacão)
E o convívio entre animais e humanos é harmônico. Talvez por isso eles cheguem tão perto da praia, sem receios. Além disso a água do mar, apesar de ser extremamente gelada, é muito limpa.


Já para o lado de Cape Point – onde fica o Cabo da Boa Esperança – os babuínos andam soltos. Mas desses prefiro distância! Eles podem ser agressivos, e gostam de roubar bolsas e comidas. Na minha última passada por lá eles subiram no teto do carro e ficaram pulando. O trânsito para quando eles tomam conta da estrada. Aí o negócio é ter paciência e esperar eles saírem.


Muito mais meigos são os esquilos, que passam o dia subindo e descendo das árvores no Company’s Garden, parque localizado bem no centro da cidade. Eles são supertranquilos e não se assustam com pessoas. Ao contrário, se você tiver alguma comida eles vêm comer na sua mão.


Os pinguins também são bem amistosos, e podem ser vistos aos montes na praia deles, a Boulders Beach em Simon’s Town. A praia é linda, de água limpa e gelada e lá eles vivem soltos na natureza. Como eles já estão acostumados com visitantes, dá dá pra chegar bem perto e caprichar na selfie!


Para os mais corajosos, o Eagle Park, localizado dentro da vinícola Spier, em Stellenbosch, oferece a oportunidade de pegar em águias, corujas e cobras. Como eu estava lá, acabei me empolgando e fiz ‘amizade’ com uma cobra bebê. Segundo o veterinário ela não é venenosa, o que me deu um certo alívio, e ainda vai chegar a três metros de comprimento (depois dessa informação nossa amizade acabou!).


Mas é claro que aqui também tem os grandes e temidos animais! Conhecidos por big five (os cinco grandes), são eles: elefante, rinoceronte, búfalo, leopardo e leão. Com sorte eles podem ser vistos em um dia de game em alguma reserva. Já fiz algumas vezes e recomendo muito! A emoção de procurar e encontrar esses bichos no seu habitat é incrível! Dos cinco só ainda não consegui ver o leopardo. Programa imperdível, afinal não dá para imaginar vir para África e não fazer safari (sim, é como ir a Roma e não ver o papa!).”

Fabiane Prohmann é jornalista, mora em Cape Town e se quiserem saber mais sobre o seu trabalho, é só entrar no Instagran onde tem sua página: @sawabonaturismo e também @fabiprohmann.

“E DEUS CRIOU AS GRANDES BALEIAS, E TODO RÉPTIL DE ALMA VIVENTE QUE AS ÁGUAS ABUNDANTEMENTE PRODUZIRAM CONFORME AS SUAS ESPÉCIES, E TODA AVE DE ASAS CONFORME A SUA ESPÉCIE. E VIU DEUS QUE ERA BOM.” Gênesis, 1-21

 

 

PROCURANDO NEMO, DESCOBRINDO O CANAL

Ah, como é bom conhecer novos lugares!

E nesse dia, eu e Fabiane saímos para turistar mais um pouco.

(Andamos muito esse dia, mas a paisagem valia a pena!)

Começamos pelo TWO OCEANS AQUARIUM, onde tubarões, peixes coloridos, tartarugas, focas, arraias, pinguins e muitas outras espécies nadam nas águas desse aquário.

Localizado na parte mais charmosa da cidade, o Waterfront, o Two Oceans Aquarium reúne mais de três mil espécies dos oceanos Atlântico e Índico, que se unem no extremo sudoeste do continente africano, onde está o famoso Cabo da Boa Esperança.

Muita gente no local, principalmente crianças de escola com seus professores e que ficavam encantadas, assim como eu.

No aquário, você também pode assistir de perto aos animais sendo alimentados. Os pinguins, por exemplo, têm refeições duas vezes ao dia, às 11h30 e às 14h30. É nesse momento que os tratadores transformam a hora sagrada da alimentação em uma verdadeira aula de ecologia. Eles explicam os motivos de os animais viverem em cativeiro, descrevem os hábitos das espécies e ensinam por que devemos cuidar dos nossos mares. São uns fofos (os pinguins).

Mas vibrei mesmo foi com os milhares de Nemos!!!

Pertinho dali tem o passeio de barco, CANAL CRUISE, que segue por um canal onde vemos a cidade sobre outro ângulo, não menos encantador.

(Aqui também pudemos usar o fone de ouvido explicando todo o passeio).

Passamos por hotéis magníficos, mansões estupendas e tudo isso sobre uma água clara, despoluída e sem odor!

Foram 30 minutos de admiração!

Ainda sobrou tempo para darmos uma passadinha na Torre do Relógio, no Waterfront, onde são vendidos os ingressos para o passeio de barco até a ilha de ROBBEN ISLAND onde Nelson Mandela ficou preso. 

Por causa do mau tempo, os barcos não saíram nesse dia, mas se quiser saber tudo sobre esse passeio, clique aqui (A Prisão de Mandela)onde minha filha Fabiane conta e posta fotos impressionantes do lugar.

Observação: algumas informações foram tiradas do blog pé na estrada.

” ESCONDER-SE-IA ALGUÉM EM ESCONDERIJOS, DE MODO QUE EU NÃO O VEJA?-DIZ O SENHOR. PORVENTURA, NÃO ENCHO EU OS CÉUS E A TERRA?- DIZ O SENHOR.” Jeremias, 23- 24

 

MUITA CULTURA NO CENTRO DE CAPE TOWN

Que presente para esse blog e para todos os leitores dele!

Não é à toa que temos o slogan: ” um encontro da culinária com a cultura”!

Então, vamos caminhar com minha filha Fabiane, pelas ruas e bairros dessa cidade encantadora!

” Vivenciando um pouco da história dessa cidade apaixonante”

“Tenho aproveitado minhas tardes de folga para fazer diversos passeios que não tive a oportunidade da primeira vez que estive aqui.

E durante a semana sempre é melhor, porque tem menos turistas. Além disso, o sol e calor têm sido grandes companheiros nessas aventuras!

FOTO 1

(Árvores centenárias dividem a atenção com a Table Mountain, ao fundo)

Sendo assim, vou contar um pouco da minha programação cultural, por parques, museus e castelos!

E tudo isso no centro da cidade, chamado de City Bowl.
A primeira parada foi no Company Garden, um parque lindo perfeito para fazer um picnic ou simplesmente descansar embaixo de uma das centenas de árvores. O espaço é o jardim público mais antigo da África do Sul, fundado há mais de 350 anos.

Além de mais de oito mil espécies de plantas, ele tem tanques de peixes, jardins de rosas e viveiros.

O mais legal são os esquilos, que ficam subindo e descendo das árvores, e parecem treinados. Eles não têm medo das pessoas, e se você estiver com comida eles sobem no seu ombro para pegar um pedaço. Muito fofos, fazem a alegria das pessoas, principalmente crianças, que passam pelo local.

O parque fica na Queen Victoria Street, mesmo lugar de outros importantes pontos culturais situados no corredor de belíssimos carvalhos, chamado Government Avenue.

FOTO 2

(Aproveitando a sombra na Government Avenue)

O primeiro deles é a St. George´s Cathedral, igreja anglicana de 1901.

A construção é linda, feita de pedras e janelas com vitrais. Na sequência, logo ao lado, está a National Library, que guarda coleções privadas super valiosas, como a do antigo governador do Cabo, sir George Grey.

FOTO 3

(Uma parte da fachada da Catedral)

Andando mais um pouco, fica a The Houses of Parliament, sede oficial do governo sul-africano.

As casas foram construídas em 1884 para abrigar a Assembleia Legislativa da Colônia do Cabo.

FOTO 4

(Sede oficial do governo sul-africano)

Na mesma avenida fica o South African National Gallery, um antigo casarão que reúne coleções de arte moderna e contemporânea, esculturas e fotos.

O acervo permanente do local é de 6.500 quadros. O ingresso custa 30 rands (R$ 8,00). Como fui durante a semana o local estava vazio, o que possibilitou que eu pudesse aproveitar bastante todas as salas.

FOTO 5

(South African National Gallery)

Um pouco mais à frente fica o South African Museum and Planetarium.

O museu foi fundado em 1897 e mostra a maior coleção de historia natural da África do Sul, e por isso é o mais importante museu de Cape Town. O lugar vale a visita. Extremamente bem organizado, é divido em espaços como pré-história, era dos dinossauros, mamíferos, aves e fundo do mar.

O ingresso custa 30 rands. No mesmo prédio fica o Planetário, que apresenta um programa diverso sobre as maravilhas do universo (ingresso 40 rands – R$ 10,00).

FOTO 6

(South African Museum and Planetarium, a maior coleção de história natural do país)

Não muito longe dali, também no centro, fica o Castle of Good Hope.

Construído entre 1666 e 1679, é o edifício mais antigo da África do Sul. Hoje o espaço abriga o Museu Militar, bem como os regimentos e unidades da National Defence Force. O ingresso custa 30 rands.

FOTO 7

(Fachada do Castelo, edifício mais antigo da África do Sul)

O espaço está em reforma, mas mesmo assim a visita foi válida.

O que mais me impressionou foi a conservação das salas e móveis, bem como a câmara de tortura, onde não consegui ficar por mais de um segundo. Totalmente claustrofóbico!

FOTO 8

(Vista interna do Castelo)

Dos corredores das muralhas a vista também é linda, tendo a Table Mountain de um lado, a Grand Parade (uma enorme praça) e a Prefeitura da cidade, um prédio lindo de 1905, em estilo renascentista italiano.

FOTO 9

(Grand Parede e do lado esquerdo a Prefeitura de Cape Town)

A vantagem de morar em cidades como Cape Town é que você pode aproveitar lugares que não são muito comuns aos turistas.

Vivenciar o dia a dia da cidade está me proporcionando a oportunidade de conhecer mais da história e da cultura local.

Um verdadeiro presente para mim!”

foto 10

(Muralhas do Castelo)

“BEM-AVENTURADO O HOMEM QUE ACHA SABEDORIA, E O HOMEM QUE ADQUIRE CONHECIMENTO.” Provérbios 3- 13

ENTRE O MAR E AS MONTANHAS

Esse blog está realmente muito chique: e não é que temos agora uma correspondente internacional, diretamente da Cidade do Cabo, África do Sul?

E é dela que vem mais histórias para nos deixar com aquele gostinho de (quem sabe?) um dia irmos até lá.

“Entre o mar e as montanhas

Uma das coisas que mais gosto em Cape Town é que não preciso escolher entre o mar e a montanha, já que aqui os dois convivem pacificamente, e proporcionam lindas paisagens diariamente.

FOTO 1

( Table Mountain vista de Waterfront)

A montanha mais famosa daqui é a Table Montain, eleita uma das Sete Novas Maravilhas do Mundo. E não é pra menos que ela recebeu esse título. Lá de cima você tem a vista de praticamente toda a cidade, e o azul do céu e do mar se confundem.
Seu pico atinge 1.085 metros, e para chegar lá em cima você tem a opção de trilhas e do aerial cableway.

Obviamente que eu escolhi a segunda opção! O teleférico foi inaugurado em 1929, e o chão gira 360 graus enquanto sobe ou desce, para que todos os passageiros possam ter uma visão completa do passeio. O preço (subida e descida) é de 240 rands, cerca de R$ 67,00.

FOTO 2

( Foto tirada do topo da Table Mountain. Abaixo, Cape Town)

Além da vista espetacular, no topo da montanha tem um café, uma loja de souvenirs e banheiros. Super recomendo esse passeio, e minha dica é: no verão ou no inverno, leve um casaco, porque venta muito lá em cima!

FOTO 3

( Euzinha curtindo a vista maravilhosa da Table Mountain, uma das Sete Novas Maravilhas do Mundo)

Outra montanha famosa é a Lion’s Head, a segunda maior montanha de Cape Town, e fica ao lado da Table Mountain. Como não tem teleférico, você só consegue chegar ao topo após cerca de 1h30 de caminhada.

Por esse ‘pequeno’ motivo ainda não me animei de ir até lá. Mas quem foi garante que a vista é linda!

FOTO 4

(Isso foi o mais perto que cheguei da Lion’s Head até agora – foto tirada da Signal Hill)

Signal Hill fica próxima às duas primeiras, e sua principal vantagem é que dá para ir de carro. Lá em cima, do mirante, é possível ver o centro da cidade e os bairros de Green Point e Sea Point de um lado, e a Table Mountain do outro.

FOTO 5

(Abaixo a vista de Sea Point, bairro onde eu moro)

FOTO 6

(Eu na Signal Hill, de frente para a Table Mountain)

Quanto às praias, já contei aqui sobre Muizenberg, aquela das casinhas coloridas.

Mas é claro que além dela tem muitas outras, que vou mostrar nos próximos posts. Mas a minha preferida é, sem dúvida, Sea Point. Não só porque é onde eu moro, mas porque o por do sol visto do calçadão é realmente um presente de Deus.

FOTO 7

(Por do sol em Sea Point)

E o mais incrível é que vejo essa paisagem todos os dias, inclusive da janela do meu quarto, e não consigo me cansar.

Todos os dias eu vou até a praia, nem que seja por alguns minutos, só para ver essa maravilha e agradecer a Deus por esse privilégio!”

FOTO 8

(Gratidão!)

(Uma dica: as fotos estão tão lindas que vale a pena você clicar em cima para ver em tamanho grande!)

“OS CÉUS MANIFESTAM A GLÓRIA DE DEUS E O FIRMAMENTO ANUNCIA A OBRA DAS SUAS MÃOS.” Salmos 19- 1

A FADA SERELEPE

Em homenagem ao Dia das Crianças, não coloco uma receita hoje e sim: tcham, tcham, tcham, tcham!!! Uma historinha para elas!!!

castelo

No Reino das Fadas existia uma pequena fada chamada Monique.

Mas ela era muito agitada!

Não dava sossego para ninguém, por isso deram a ela o apelido de Serelepe.

Sabem o que é isso?

É um mamífero parecido com um esquilo, muito arteiro,que sobe em tudo e vive brincando.

serelepe

Pois é.

Ela era assim.

Saía lá do reino encantado e vinha até a casa das pessoas.

Aí ela escondia roupas, escrevia em cadernos, assustava gatos imitando o latido dos cachorros, apagava luzes e mais uma porção de coisas.

Cada dia ela inventava mais maluquices para fazer e ria muito!

muitas fadas

Um dia, as fadas estavam reunidas cantando e conversando sobre como ajudar algum mortal, quando deram falta na fadinha.

-Onde está a fada Monique? Perguntou a Rainha das Fadas.

-Eu não sei! Respondeu uma.

-Eu também não a vi hoje. Disse outra.

-Engraçado… onde anda a fada Serelepe? Perguntaram todas as outras em coro.

E saíram preocupadas, procurando.

Olharam nas estrelas, no arco íris, nas montanhas, nos mares e nada!

Então vieram ao mundo dos homens.

E lá, sozinha, sentada embaixo de uma árvore, estava a fadinha chorando.

fada sentada

-Mas o que  é isso? Perguntou a rainha. O que faz aqui sozinha e chorando? Conte-nos o que aconteceu!

E a fada Serelepe, que talvez naquela hora fosse melhor ser chamada de fada Tristonha, respondeu enxugando as lágrimas:

-Estou triste porque sou muito sozinha… vocês todas tem suas ocupações e eu fico o dia todo só. Por isso faço tanta arte! Gostaria de ter alguém para brincar comigo…

Então a fada rainha perguntou:

-Só isso? Pois espera um pouco!

fada-imagem-03

E pegando sua varinha de condão, bateu em uma pedra que brilhou, soltou estrelinhas e se transformou em um animalzinho de cauda longa que chacoalhou seus pelos e pulou, sem cerimonia, no colo de Monique.

Ela o abraçou com força e seu rosto se iluminou como por encanto!

-Como será seu nome? Perguntaram as fadas.

E foi a rainha quem respondeu:

-Serelepe! Esse é o verdadeiro!

Todas concordaram sorrindo.

Imagens: 1) pt.aliexpress.com; 2) http://www.ra-bugio.org.br; 3) fadadocevida.blogspot.com; 4) galeria.colorir.com; 5) http://www.afadadosdentes.com

” E TUDO O QUE PEDIRDES NA ORAÇÃO, CRENDO, O RECEBEREIS.” Mateus 21- 22

AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES DE UMA AVENTURA

Então… vocês leram o que escrevi há alguns dias atrás sobre “o meu ninho vazio”.

Agora vou transcrever um texto que minha filha Fabiane me enviou de lá, sua nova morada.

Como excelente jornalista que é (já contribuiu aqui no blog com “Feiras Gastronômicas”) vai nos levar a conhecer essa cidade fantástica em plena África do Sul: Cape Town!

fabi1

(Fabiane em Sea Point)

“Sempre ouvi dizer que o sonho de muitos é morar onde as pessoas tiram férias. Pois foi o que eu resolvi fazer.

Em dezembro do ano passado estive em Cape Town, África do Sul, por uma semana e fiquei completamente apaixonada por tudo.
A cidade é limpa, acolhedora, com excelentes shoppings e restaurantes, pontos turísticos incríveis, enfim, sonhei em um dia morar aqui.

Aqui porque a quatro dias Cape Town é minha nova ‘casa’. Vim passar três meses, estudar inglês, passear, talvez trabalhar, enfim, vim atrás de novidades!

fabi3

(Ao fundo Table Mountain)

E em apenas quatro dias já fiz muitas descobertas!

A primeira, e mais importante, é que por mais que você queira muito morar fora e que isso seja um grande sonho, você vai sofrer. Não, não estou sendo pessimista nem desencorajando quem pretende se arriscar por novos caminhos. Isso é real e inevitável. Claro que os primeiros dias são os mais difíceis, e sei que logo estarei bem adaptada, mas até lá…
Antes de vir, minha maior preocupação era com relação à moradia.

Em Curitiba, minha cidade, moro sozinha há mais de dez anos. E amo!! Sou super organizada, gosto de tudo no lugar, não gosto de dividir coisas, tenho muitas manias. Durmo tarde, acordo tarde, tenho fome de madrugada, adoro assistir televisão e ficar trocando os canais, nunca fico no silencio, necessito de uma xícara de café preto assim que acordo, como chocolate todos os dias…

fabi5

(Waterfront)

E, de repente, vim para a casa de uma senhora sul africana, de quem eu não tinha informação nenhuma. Mas, por sorte e benção de Deus, essa mulher é um amor! Toda vez que chego em casa ela pergunta como foi meu dia, quer saber detalhes, me força a falar inglês, me corrige quando erro, é extremamente atenciosa e carinhosa.
A localização da casa também é abençoada.

Estou em Sea Point, o segundo melhor bairro de Cape Town – perde apenas para Waterfront, que é a melhor região da cidade, e fica a 40 minutos a pé de onde estou. Ah! E da janela do meu quarto eu vejo o mar, que fica a uma quadra de distância.

fabi4

(Waterfront)

A escola, que eu achei que seria tranquila, foi péssima no primeiro dia!

Minha aula começa às 9h e vai até às 12h40. A professora só deu gramática, fiquei super frustrada. Achei que seria uma aula de conversação, onde poderia ‘gastar’ todo o meu inglês! Sai de lá odiando ter tido essa ideia estapafúrdia de estudar inglês na África!
Já o segundo dia foi melhor. A primeira parte foi de gramática e depois de conversação. Acredito que logo entrarei no ritmo e vou gostar mais.
Outra frustração foi com relação às novas amizades.

Eu, que converso até com a porta, não falei com ninguém no primeiro dia.

Todos já tinham suas turminhas e, aparentemente, eu não me encaixava em nenhuma delas. Mas no segundo dia já consegui trocar algumas palavras com um grupo de brasileiros. Sim! Eu sei que a dica é não falar com brasileiros, mas minhas opções na escola não são muitas: brasileiros, angolanos (que também falam português), e árabes, que tem o inglês mais difícil de entender de todo o mundo! Ou seja, vamos falar com os brasileiros em inglês, porque na escola é proibida outra língua!

fabi7

(Waterfront)

A comida, para quem me conhece, sabe que é um capítulo a parte.

Não gosto de um monte de coisa, outras tantas fecham a minha glote (hahahaha!!!), ou seja, tenho muita dificuldade nesse quesito.
Café da manhã é tranquilo: café preto com pão ou bolacha. Almoço também não tenho problemas, porque eu tenho ido todos os dias para Waterfront, onde tem um milhão de opções – desde Mac Donald’s e KFC, a restaurantes de massas e frutos do mar divinos.
O problema é o jantar, que é servido às 19h, pela dona da casa.

No primeiro dia cheguei tão cansada que não quis jantar. A diferença de fuso é de 5 horas para mais aqui, então tudo o que eu queria era dormir.
Nos outros dois dias a comida estava boa para mim: arroz, carne de panela e legumes. Mas ontem foi um problema. Tinha pasta de berinjela, bolinho de alho com frango, sopa de sei lá eu o que e filé de frango frito. De tudo isso, a única coisa que eu como é filé de frango. Peguei um pedaço, e quando dei a primeira garfada… Muito gosto de cebola!

Voltei para o meu quarto e me atraquei no pacote de bolacha e nas barras de chocolate que comprei no segundo dia!

fabi2
Sei que logo vou estar adaptada, e começarei a curtir mais a cidade e todas as suas belezas. Tenho certeza de que farei amizades e de que meu inglês vai melhorar muito. Os primeiros dias são sem dúvida os piores.
Mas graças a Deus existe FaceTime e WhatsApp!

Assim recebo o apoio e carinho dos meus pais, meus irmãos e das minhas amigas (Top5, Lufas, Santas, Fas+A, Lulus, Tati, Bibs). Sem vocês sem dúvida seria muito mais difícil!!”

fabi6

Fabi, nós adoramos e vamos esperar mais textos e fotos daí, OK?

” O CHORO PODE DURAR UMA NOITE, MAS A ALEGRIA VEM PELA MANHÃ.” Salmos 30- 5

CIDADES ONDE MOREI: 1. MACHADO-MG

Tem pessoas que nascem e morrem no mesmo lugar.

Eu morei em muitas cidades, nessa ordem: Machado (onde nasci), Londrina, Castro, Sengés, Santa Cruz do Rio Pardo, Ourinhos, Antonina, Formosa d’Oeste, Iporã, Campo Mourão e Curitiba (finalmente!).

Ufa!!!

Como tenho lembranças gostosas de cada lugar, vou escrever um pouco sobre cada uma delas.

Começo por onde nasci: Machado- MG, o início da minha história!

mapa

Machado tem como principal atividade econômica o cultivo do café.

Sua população em 2014 era de 41.070 habitantes.

vista

Meus pais foram os autores do Hino Oficial da cidade e são cidadãos honorários dela.

HINO DO MUNICÍPIO DE MACHADO

LETRA: ROSSINE SALES FERNANDES

MÚSICA: YEDDA NOVAES FERNANDES

Machado terra querida!

Cantar-te em versos eu quero:

pedaço de minha vida,

rica joia do Brasil!

—–

Berço dos meus ancestrais,

Oh! Terra dos cafezais!

Imenso e rico é teu solo,

formoso é teu rio,

teu céu sem igual!

—–

Boa terra de luz e de futuro,

boa gente que vive do trabalho.

Um risonho porvir eu vos auguro,

sob as mais ricas das bênçãos do céu.

—–

Que teus filhos, todos irmãos,

sempre unidos possam viver,

sem barreiras, sem prevenções,

amando aos tristes

que vivem a sofrer.

—–

Como esse rio que corre,

indo a procura do mar,

quis eu também te deixar,

por cobiça de outras terras…

—–

Hoje porém mui saudoso,

sonho ao teu seio voltar

como ao seu leito retornam

em chuvas, os rios

que foram para o mar.

“CRIA EM MIM, Ó DEUS, UM CORAÇÃO PURO E RENOVA EM MIM UM ESPÍRITO RETO”. Salmos 51-10

 

 

O DIA EM QUE QUASE MORRI

Férias, que maravilha!

E no verão, melhor ainda!

Como recém separada, peguei meus três filhos, coloquei no carro com toda a bagagem a que tínhamos direito e lá fomos nós, rumo à praia.

Viajamos felizes, cantando e em cada curva que nos aproximava mais do nosso destino, brincávamos de “quem vê o mar primeiro”.

mar

Já sentia aquele cheiro de maresia, já saboreava o que estava para acontecer: muito peixe e camarão no cardápio.

Chegamos à casa que eu alugara por telefone: era bem boa, apesar de um pouco antiga, mas ficava no centro da cidade e bem perto do mar.

E assim começamos nossa tão sonhada temporada.

Os dias se sucediam em passeios, sorvetes, parquinho à noite, amigos e muita alegria.

Até que uma tarde choveu.

Chuva-forte_22

Forte, com direito a relâmpagos rasgando o céu e trovões assustadores.

Só a minha filha mais velha estava comigo em casa porque os outros tinham ido mais cedo à casa dos amigos.

Como o calor era muito forte, fui até a cozinha, descalça, e abri a geladeira para pegar água.

Fiquei grudada nela!

A geladeira em questão era daquelas bem antigas com puxador em aço.

Não conseguia me soltar, nem gritar, meu corpo todo tremia e eu senti que estava desfalecendo.

Foi uma questão de segundos e então fui jogada para longe.

Quando comecei a enxergar melhor, percebi minha filha abaixada ao meu lado.

Ela, com uma rapidez de raciocínio (só por Deus mesmo), tinha puxado o fio da tomada!

Mais tarde, quando fui ao médico e contei o sucedido, ele disse que eu já estava morrendo pelo fato do meu corpo nem ter controlado mais a bexiga.

Naquela noite enquanto dormia, senti alguma coisa bem perto do meu rosto e que me fez acordar: era a mãozinha do meu filho caçula, bem perto do meu nariz, para sentir se eu estava respirando…

Pobrezinhos, como ficaram assustados!

mãe e filhos

É por essa razão que em um poema que escrevi “Minha Filha, Minha Amiga”, do meu livro “Um Pouco de Mim”, digo: “se um dia te dei à luz, você também já me deu”.

Realmente, nasci de novo.

E da minha filha!

Imagens: 1) fundamar.org.br; 2) tempoagora.com.br; 3) colorirgratis.com

Do meu livro “Confidências ao Meio Dia”

“ASSIM QUE, SE ALGUÉM ESTÁ EM CRISTO, NOVA CRIATURA É: AS COISAS VELHAS JÁ PASSARAM, EIS QUE TUDO SE FEZ NOVO”. 2 Coríntios 5-17

PERIPÉCIAS EM BOMBINHAS

Enfim, chegou minha semana de férias e com ela o dia da viagem.

Malas prontas e lá vou eu!

3419

Em minha bagagem, além de roupas e necessaires, claro que meu iPad e celular conectadíssimos na Internet.

E depois de quase 250 km vou sentindo o cheiro do mar e começando a vê-lo ao passar por Balneário Camboriu, Itapema, Porto Belo, Bombas e finalmente Bombinhas, meu destino final.

Bombinhas 001

Sabem o porquê do nome “Bombinhas”?

Conta-se que se deu em função da areia solta de sua praia, que, ao caminhar, as pessoas percebiam alguns ruídos, pequenos estalos, que popularmente entendiam como sendo as famosas “bombinhas” muito comuns nas festas juninas.

Bombinhas pertencia ao município de Porto Belo e sua emancipação se deu em 1992. 

É composta de 39 praias e a população gira em torno de 15 mil habitantes alcançando mais de 100 mil na alta temporada de verão.

Bombinhas 004

Cheguei já pensando em entrar no Facetime e mostrar a meus filhos distantes a beleza do lugar; entrar no Facebook para colocar no Google maps minha localização e ir mostrando dia a dia as comidas que provava.

Entrei no Hotel, deixei as malas no apartamento e voltei à recepção para pegar a senha do Wi-Fi. 

Gente, não entrava!

Nunca entrou!

Por mais que eu tentasse dentro do apartamento, no corredor, no restaurante, na rua… nada!

Comecei a ficar desesperada!

À noite consegui uma ligação (nem isso conseguia…) e falei com minha filha Fabiane em Curitiba contando que estava bem, mas que não estava “conectada”.

Sabem o que ela respondeu?

– Mãe, desligue os aparelhos!Não se preocupe! Você está aí para descansar então aproveite tudo aí e ESQUEÇA a Internet!

Nossa! E não é que ela estava certa?

Depois dessa conversa, aposentei os “apetrechamentos” como diria Odorico Paraguaçu e passei a desfrutar de tudo sem me preocupar!

Bombinhas 024

Não, não é a Rua Caminito em Buenos Aires e sim uma rua de Bombinhas.

Bombinhas 025

Igreja Nossa Senhora dos Navegantes.

191

Vista da sacada do meu apartamento (todas as noites foram assim).

Aí resolvi aposentar o relógio também… não queria saber a que horas levantava, almoçava ou ia dormir… Qualquer hora era hora. Meu estômago avisava quando devia me alimentar.

E o sol brilhou a semana toda!

Amo o sol, mas tenho medo dele; isso porque já me queimei demais nos tempos da Ilha do Mel.

Então o jeito foi me cuidar.

Bombinhas 027

Lá os moradores dizem que Bombinhas é o lugar do sol o ano inteiro.

Eu pude ver!

E acreditei!

(Aguardem mais peripécias na quinta feira que vem!)

SOLIDARIEDADE

Choro…

Pelas incertezas da vida…

Pela criança perdida,

pelas pessoas doentes,

pelas famílias ausentes,

por pais esquisitos,

pelos velhos, esquecidos.

—–

Pela poluição do ar,

por falta do que sonhar,

pela injustiça, pela guerra,

pela falta de paz na terra,

pelo político ladrão

que rouba seu próprio irmão.

—–

Pelo desrespeito,

pelo desfalque aceito,

pela menina abandonada,

pela comida estragada,

pela morte na barriga

tirando de dentro uma vida.

—–

Pela sujeira de rios, mares,

pela destruição de lares,

pelo abraço negado,

pelo perigo a nosso lado,

pelo descaso com Deus

pela influência de ateus.

—–

Que fazer, Senhor?

Enxugue minhas lágrimas!

Solidariedade,

teu nome é amor!

maos_dadas

(Imagem: apenasumservo.blogspot.com)

Poesia do meu livro Um Pouco de Mim.