21 DE MARÇO: DIA MUNDIAL DA POESIA

“O Dia Mundial da Poesia celebra-se todos os anos a 21 de março. A data foi criada na 30ª Conferência Geral da UNESCO em 16 de novembro de 1999.O Dia Mundial da Poesia comemora a diversidade do diálogo, a livre criação de ideias através das palavras, da criatividade e da inovação. A data visa a importância da reflexão sobre o poder da linguagem e do desenvolvimento das habilidades de cada pessoa. Isso porque a poesia contribui para a diversidade criativa, inferindo na nossa percepção e compreensão do mundo.”-(Calendarr)

Falar como gosto de poesia é “chover no molhado”, como se diz.

Desde muito nova (9 anos), já lia poesias de Gonçalves Dias, Castro Alves e outros em um livro do meu pai, mas só comecei a escrever mesmo depois de muitos anos.

Então, segue abaixo mais alguns vídeos de poesias minhas que leio para vocês.

Viva a Poesia!!!

Viva os Poetas que trazem a beleza da palavra aos corações!!!

“PORQUE, NOUTRO TEMPO, ÉREIS TREVAS, MAS, AGORA, SOIS LUZ NO SENHOR; ANDAI COMO FILHOS DA LUZ.” Efésios, 5- 8

CARNAVAL EM POESIA (VÍDEO)

O Carnaval é uma das festas populares mais conhecidas no mundo ocidental, sendo a maior festividade do Brasil. Sua origem remonta à Idade Média e tem associação direta com o cristianismo. O Carnaval chegou ao Brasil, durante o período colonial, caracterizado por diversas brincadeiras, como o entrudo (os três dias que precedem a entrada da Quaresma).

Ao longo do século XX, uma série de ritmos e danças passaram a fazer parte do Carnaval brasileiro. Atualmente, ritmos como o samba, o maracatu e o frevo são seus símbolos. O Carnaval transformou-se na principal festa popular brasileira a partir da década de 1930 e, atualmente, conta com os blocos de rua que acontecem nos grandes centros do país, assim como os desfiles das escolas de samba. (UOL- mundo educação)

E aqui vai uma poesia que fiz, logo que começou a pandemia no mundo.

“TODAS AS COISAS ME SÃO LÍCITAS, MAS NEM TODAS AS COISAS CONVÉM; TODAS AS COISAS ME SÃO LÍCITAS, MAS EU NÃO ME DEIXAREI DOMINAR POR NENHUMA.” ICoríntios, 6- 12

MAYBUK, UM RELATO PERFEITO

Para quem escreve um livro, a maior alegria é ouvir alguém falando sobre ele.

E melhor ainda quando só falam bem!!!

Foi assim que meu amigo Sérgio Maybuk, integrante da AME (Associação Mourãoense de Escritores) e grande prestigiador de todos nós escritores, comprou, leu e comentou em seu blog (Blog do Maybuk) sobre meu mais recente livro: Acalanto.

Foi tão generoso e seu escrito tão gostoso de ler, que coloco aqui para a leitura de todos vocês.

“O Blog do Maybuk, sempre que possível publica impressões de seu editor o professor Sérgio Luiz Maybuk referente alguma obra lida, de autores aqui da região de Campo Mourão-PR.

Na presente publicação impressões sobre a obra “Acalanto” – Crônicas, Haicais e Poemas da escritora e poetisa Silvia Fernandes.

Capa Tiago Silva. Revisão – Fabiane Prohmann. Edição – Jair Elias dos Santos Junior (Nova História Assessoria e Gestão Cultural). Projeto Gráfico André Luiz Alves (Moai Comunicação).

O Blog do Maybuk já fez várias publicações relacionadas com os escritos da Silvia Fernandes, mineira de nascimento (apaixonada pelo Estado e um dos poemas comprova isso) e paranaense e mourãoense  por escolha (também apaixonada pela cidade e poemas e crônicas comprovam isso).Ela encanta com seus textos, parte deles premiados ver seu no blog e encanta também com suas declamações de poesias (ver seu canal noYoutube) .

Importante destacar que ela faz parte da Academia Mourãoense de Letras – AML e Associação Mourãoense dos Escritores – Ame.

Com referência ao presente livro que servirá de presente de natal , de arrancada o/a leitor/a vai se encantar com o prefácio, um belo texto escrito pelo professor Fábio Sexugi, mas há uma discordância ali. Ele recomenda que se leia com calma e sem pressa, mas os escritos são tão bons que não é possível aceitar a recomendação, é possível devorá-los e depois pede-se perdão pela gula rsrs e aí sim, na segunda leitura segue-se o prefaciador. 

Com referência especialmente às crônicas e poesias, há duas características interessantes. A primeira é a de que são produções escritas em vários anos inclusive os dois últimos e essas duas formas de produção não têm data de validade.

A segunda é uma característica da autora. Ninguém acredita e pede o RG para conferir, mas ela já completou 70 (é uma setentona moderníssima e deve chegar aos 120). Tal detalhe é importante porque ela retrata situações que a juventude atual não conhece e ao mesmo tempo ela se atualiza junto com os netos e pode alcançar todos os públicos.         

São vinte e duas crônicas, uma mais deliciosa que a outra. Não serão comentadas todas, mas o/ leitor/a:

Poderá lembrar da avó se ela foi uma contadora de história. E se tem crianças,  e já as viu  brincando vai se deliciar e a netinha da autora já fala em débito e crédito.

Vai entender a importância da bela mistura que é tomar café e manusear um livro. E se é mais jovem vai estranhar de se falar em conversar no escuro mas se é mais velho vai ter gostosa recordação.

Que já sonhou ter um encontro com um/a cantor/a vai se identificar com a autora. Ou que já foi a evento que odiou ou que já teve uma prosa consigo mesmo/a vai rir ou refletir com a autora. 

Quem teve a experiência de colorir um livro ou teve o prazer de assistir filme de heróis com filho ou neto vai gostar.

É mulher que trabalha, que cuida da beleza ou percebe a necessidade de cuidar para elevar a auto estima ou que cuida de neto ou tira um momento específico para namorar ou consegue “atuar” em todas as personagens citadas, vai se identificar. Ou ainda vai lembrar de ter perdido o encanto por um homem, por causa de um hábito feio e dizer “aconteceu comigo”. E mais, inventou um pretexto para paquerar um homem desconhecido, também está valendo rsrs. 

Que já teve uma experiência linda e inesquecível quando criança, que já teve insônia, que já passou raiva por causa de mudança de casa, que já reencontrou um/a amigo que não via há muitos anos, também vai se encontrar no livro. 

Sobre os haicais são 39 e não há o que comentar, somente parabenizar. É mais fácil escrever crônicas.

Com referência aos poemas são 20 e também para vários gostos e parte deles premiados. 

Sobre Campo Mourão (duas),  Minas Gerais,  África, Amor, Entardecer, Casal apaixonado, Netos (cinco), Saudades, Calvário de Jesus, Natureza, Bailarina, Roupas penduradas (quem ler não olhará um varal com roupas como antes), uma com o título do livro e outra belíssima que trata da pandemia e fala do carnaval adiado e cita uma pequena parte, da talvez marchinha mais linda já composta em 1967, qual é?

Segredo. Compre o livro  e ao ler o verso lindo vai se sentir rodopiando num salão ou numa rua dos antigos e saudáveis blocos de carnaval. “

Gente, é isso aí!

Querem melhor resenha do que esta?

Obrigada, Sergio Maybuk!

Imagem do Carnaval: Acedata Contabilidade

“SE O SENHOR NÃO EDIFICAR A CASA, EM VÃO TRABALHAM OS QUE EDIFICAM; SE O SENHOR NÃO GUARDAR A CIDADE, EM VÃO VIGIA A SENTINELA.” Salmos, 127- 1

A MAGIA DE ESCREVER

A MAGIA DE ESCREVER

Sou mágica, acreditem!

Transformo pensamentos em letras,

que se transformam em palavras,

para tudo virar poesia,

contos, histórias,

na mais perfeita harmonia.

—–

Gosto de escrever.

Sinto-me plena quando

minhas mãos parecem ter vontade própria

e tecem poemas que voam

para outros mundos

levando toda minha história.

—–

Gosto do cheiro do livro.

Do novo, do velho.

De sentir em meus dedos

o toque das páginas passando

uma a uma,

como melodia tocando.

—–

Só quem escreve

sabe o poder que recebeu.

Transformar mentes,

instigar o leitor

a imaginar, exercitar, criar!

É sou mesmo mágica!

Imagens: 1) Freepik; 2) Espaço Cognita

“DESPERTA, GLÓRIA MINHA! DESPERTA, ALAÚDE E HARPA! EU MESMO DESPERTAREI AO ROMPER DA ALVA.” Salmos, 57- 8

POESIA PARA O ANO NOVO EM VÍDEO

Escrevi essa pequena poesia há muito tempo atrás, mas sinto que passei uma mensagem meio pessimista nela… não sei não.

Deixo então, agora, o meu desejo profundo de um novo ano repleto de bons acontecimentos, novos recomeços e uma bênção antiga e especial.

“O SENHOR TE ABENÇOE E TE GUARDE; O SENHOR FAÇA RESPLANDECER O SEU ROSTO SOBRE TI E TENHA MISERICÓRDIA DE TI; O SENHOR SOBRE TI LEVANTE O SEU ROSTO E TE DÊ A PAZ.” Números, 6- 24, 25 e 26

POESIA EM VÍDEO II

Aos poucos vou conseguindo gravar novos vídeos e colocando no Youtube.

Além de escrever as poesias, gosto de ler e muitas vezes até encenar as que estou lendo.

Me divirto muito!!!

Aqui nesse post, Poesia em Vídeo, estão as primeiras que gravei e hoje coloco mais algumas.

A primeira é ÁFRICA onde estive por duas vezes e… me encantei!

A segunda, ofereço ao meu time do coração: GOLEADA COXA BRANCA, onde presenciei tudo isso que conto.

Essa abaixo, UM POUCO DE MIM, é a poesia que abre meu primeiro livro, do mesmo nome.

E essa última (para não cansar vocês), chama-se MINEIRA em homenagem às mulheres mineiras como eu.

Então, divirtam-se e, como dizem por aí, curtam e deixem o seu like!!!

“TUDO QUANTO TEM FÔLEGO LOUVE AO SENHOR! LOUVAI AO SENHOR!”Salmos, 150- 6

UMA POESIA DE NATAL EM VÍDEO

Ah o Natal!

Já escrevi muito sobre ele e cada vez ele me inspira a escrever mais.

Hoje deixo essa minha poesia em vídeo, esperando que ela fale aos corações de vocês e aproveito para deixar aos meus mais de 216.000 visualizadores desse blog em mais de 40 países, meus votos de um Natal feliz e abençoado por Deus!

“GLÓRIA A DEUS NAS ALTURAS, PAZ NA TERRA, BOA VONTADE PARA COM OS HOMENS!” Lucas, 2- 14

DEZEMBRO E SEU COMEÇO

Só se passou 10 dias desse mês e como já tenho mil coisas para contar!

Dezembro é assim mesmo: parece que é até mais curto que os demais porque acumula festas, encerramentos, amigo secreto, compras, viagens, etc.

No dia 02, comemoramos os 25 anos da AME (Associação Mourãoense de Escritores) e o lançamento de mais um livro!

Escreverei sobre essa Antologia em uma próxima vez.

Na foto acima, temos a Iza como mestre de cerimônia, a Silvania, presidente da AME, Luciana, representando o Secretário de Cultura Roberto Cardoso, Dalva, presidente da AML e Rosinaldo, presidente da AMEM (Associação Mourãoense de Escritores Mirins). E logo abaixo, Silvania.

Na primeira foto, recebo das mãos da Luciana, o livro “Entre Letras e Lentes” do qual faço parte; na segunda foto aproveito para fazer uma pose com ele…

Aqui já virou festa: com amigos, com Giselta e com Fátima.

Muita animação e encontro de pessoas que não se viam há bastante tempo.

No dia 03, fui convidada para integrar a comissão de avaliação do Primeiro Concurso de Poesias “Girassóis em Versos” da Escola Municipal São José, em Peabiru.

Foi uma live apresentada pelo nosso confrade Fábio, organizador desse evento e do também confrade Arleto.

Nessas fotos, os três avaliadores do concurso: Marlene, Gilmar e eu.

Foram inscritos 50 poemas de alunos do referido colégio e 43 poemas do público em geral, com pessoas de vários estados do Brasil e até do exterior, como Portugal, Itália e Moçambique.

Foi muito bom ter participado para ver a quantidade de poetas que temos e especialmente o talento das crianças, com certeza, futuros poetas.

E, no dia 04, tivemos o jantar de confraternização da nossa AML, com direito a amigo secreto e tudo mais.

Na primeira foto, a mesa com os presentes: TODOS LIVROS!!!

Na segunda e terceira fotos o padre Jurandir Aguilar, nos presenteia com sua mensagem de amizade e nos fala sobre o Natal de Jesus.

Aqui a revelação dos amigos: eu tirei a Nelci e a esposa do confrade Leandro me tirou.

Na primeira foto, uma visão geral das pessoas, na segunda, o padre Jurandir e nossa Presidente, Dalva, na terceira a amiga Ester e eu.

Encerrando, todos os presentes, tanto da AML como alguns convidados.

Isso tudo ainda nesse começo de mês!

Haja disposição!!!

“O QUE É JÁ FOI; E O QUE HÁ DE SER TAMBÉM JÁ FOI; E DEUS PEDE CONTA DO QUE PASSOU.” Eclesiastes, 3- 15

NOVEMBRO, MÊS DE ENCONTROS

Ah, quanta saudade… de sair, encontrar pessoas, amigos, poder conversar (mesmo de máscara)com alguém à sua frente (nem tão de longe…).

Pois foi assim esse novembro, cheio de coisas boas!

Começo com uma sala de aula (eu não estava presente), na penúltima oficina com alunos da Escola Municipal São José, de Peabiru, em que o professor Arleto, ensina literatura e, qual não foi minha surpresa, quando vejo a foto que ele me mandou!

Sou euzinha no quadro! E esse verso faz parte de uma poesia minha OUTONO.

Depois foi o café nas dependências do SENAC, onde comemoramos o Dia do Empreendedorismo Feminino, uma parceria do SENAC, SESC e da Câmara da Mulher Empreendedora e Gestora de Negócios de Campo Mourão e região (CMEG).

Foram homenageadas 20 empresárias e a presidente, Ester Abreu Piacentini, fez questão de homenagear as participantes da sua diretoria com flores e certificados.

(Na foto acima Sr. Reginaldo, eu, Ester e Thiana, depois eu com o certificado, abaixo Cleire, Sonia, Ester, eu e Giselta; ao lado Giselta, Luciana e eu).

Nessa mesma tarde, fui até a Biblioteca Municipal em companhia da Dalva, presidente da AML e do Jair, também integrante como eu da Academia, para doação de livros às escolas de Campo Mourão e região.

(Acima: Dalva, Jair e eu; abaixo; Daniela (Colégio Mal. Cândido Rondon) e eu.
(Eu e Lílian (Colégio Integrado); Ana Roseli (Escola Municipal Monteiro Lobato) e eu; eu e Maria de Lourdes (Colégio Olavo Bilac- Peabiru) e Edilaine (Colégio Estadual Osvaldo Cruz) e eu).

Ainda nessa semana, fui visitar o Colégio Vicentino Santa Cruz para entregar dois livros meus para a Biblioteca: “O Nasquimi Dourado e outras histórias” e o recém lançado “Acalanto”.

( Marlene, bibliotecária do Colégio e eu)

Querem saber mais?

Gravei mais duas poesias para meu canal no Youtube que logo postarei aqui, mas hoje vou colocar um que minha nora, Patrícia, fez e editou.

É sobre como presentear nesse Natal: dando livros, repartindo conhecimentos, envolvendo a todos nessa corrente de paz e alegria que nos traz os livros.

Como já disse Monteiro Lobato: “quem escreve um livro cria um castelo, quem o lê, mora nele.”

Então, dê livros nesse Natal!!!

Isso tudo porque o mês ainda não acabou…rsrsrsrsrsrs

“VÊ, POIS, QUE A LUZ QUE EM TI HÁ NÃO SEJAM TREVAS.” Lucas, 11- 35

UM ENCONTRO EM TOLEDO

O primeiro encontro de Academias que participei, foi em Londrina no ano de 2019.

Em 2020 as festividades foram canceladas devido à pandemia.

E nesse outubro de 2021 pudemos, graças a Deus, nos encontrar, claro que com os devidos cuidados, na linda Toledo.

A abertura se deu no Olinda Park Hotel onde fui representando a Academia Mourãoense de Letras.

Cheguei de ônibus em menos de quatro horas e fiquei encantada com a cidade! Quero logo ter outra oportunidade para visitá-la.

As palestras, almoços e jantares foram todas no mesmo local da hospedagem e, logo depois de um banho, fomos todos recepcionados por artistas do Circo Ático.

Coloquei nosso banner em evidência ao lado do 15º Encontro de Toledo.

Às 17 horas deu-se a solenidade de abertura dos trabalhos com a formação da mesa de honra e a presença do prefeito Beto Lunitti, do presidente da Academia de Letras do Paraná, Ernani Buchmann e da presidente da Academia de letras de Toledo, Lucrécia Welter, além de outras autoridades.

O Hino Nacional foi cantado por uma voz feminina e logo depois o Hino da ALT cantado por um casal convidado.

Todos estávamos portando a pelerine e após os discursos foi feita a foto oficial do encontro.

Foi um momento de congraçamento entre as Academias presentes e onde aproveitei para presentear meu livro Acalanto ao presidente da ALP.

Seguiu-se a apresentação de um grupo de 15 mulheres “Encanto Sul” que cantaram e dançaram lindamente.

Enquanto era servido um coquetel, apreciamos a apresentação da Orquestra São Gonçalo de Viola Caipira e numa descontração total, alguns pares saíram bailando…

Assim encerramos esse primeiro dia.

Essa modernidade às vezes chega a me surpreender!

Em duas telas grandes de TV bem posicionadas, chegou até nós o palestrante professor Dr. Stefano Busellato diretamente da Itália.

O tema foi “Dom Quixote: o duelo entre literatura e realidade”.

Envolvente a apresentação mostrando a interpretação romântica e realista do autor onde o herói confunde a ilusão com a realidade.

O autor espanhol, Miguel de Cervantes, trás através de seu livro, que é um dos mais importantes clássicos da literatura, a amada Dulcinéa, o fiel amigo e companheiro Sancho Pança e seu cavalo Rocinante.

Seguimos ainda, pela manhã, com a palestra do Mestre Jorge Pereira, (um jovem rapaz) sobre a “Escrita Criativa e Construção de Personagens”.

Interessante a colocação de que quando criamos um personagem, ele pensa em viver. E segue:

-experimentação verbal- quando o pensamento é transformado em palavras;

-alegorias- personagens e vozes da narrativa;

-símbolo- o personagem tem que existir;

-palavra como elemento fundamental- entrando na narrativa.

Sobre as estruturas: tempo/ espaço/ personagens/ intriga.

Em seguida, vários acadêmicos apresentaram as atividades de suas respectivas academias até irmos almoçar o tão esperado e tradicional “Porco no Rolete”, prato típico da cidade.

Tivemos pouco tempo para o descanso (ainda mais desse almoço delicioso) porque às 14:00 horas já estávamos prontos para uma nova palestra.

Foi a vez do também jovem, Lucas Fonseca com uma mesa de conversa sobre “O Artista em Processo- literatura e artes plásticas”.

Iniciou falando sobre o criador e a criatura, desenvolvendo a visualidade (do autor e do leitor), o tempo e o produto (o livro).

Sobre o livro pensar sobre o pessoal como sua obra e o profissional como o mercado, extensão e o produto.

Logo depois voltamos às apresentações dos acadêmicos contando sobre as atividades das suas respectivas academias.

Foi aí que coloquei o nosso banner à frente, ao meu lado, onde se lia nele toda a nossa programação e projetos.

Como o tempo máximo de explanação era de cinco minutos, comecei saudando as Academias presentes, em nome da nossa presidente Dalva Helena de Medeiros contando sobre a impossibilidade de sua presença por há muito tempo estar com viagem marcada.

Falei sobre o “Café com Letras” e o “Primeiro Concurso Internacional de Poesias” onde naquele mesmo dia (30-10) encerrava as inscrições com mais de 1000 inscritos de todo o Brasil e outros países e também dos diversos lançamentos de livros, sendo pela AML os livros “Ad Immortalitatem” e “Obras Reunidas- Pedro Poleto” e diversos acadêmicos, como: Silvania Maria Costa (Enquanto o Tempo Passava), Dalva Helena de Medeiros (1.História e Trajetória do Curso de Pedagogia da Unespar/Fecilcam; 2. Obra Póstuma: Síntese Existencial Constantino de Medeiros), Jair Elias dos Santos Júnior (1. Araruna, a história de uma Cidade; 2. Uma História de Gerações- 70 anos do Clube Social e Recreativo 10 de Outubro); Marlene Kohts (Um Dia Normal) ; Edcleia Basso (Ensinar e Aprender uma Língua Estrangeira/ adicional nas diferentes idades vol.2) e eu com o lançamento on line do livro Acalanto.

Encerrei minha fala com a poesia “História sem Fim” sobre Campo Mourão.

Foram muitas pessoas usando a palavra para saudações e o momento foi de congraçamento.

Aproveitamos para observar a exposição de telas distribuídas juntamente com os banners das outras Academias presentes.

Tivemos um tempo para descansar antes de voltarmos para assistir a apresentação da Invernada Adulta do CTG- Província Gaúcha com muita animação por parte de todos os presentes.

Em seguida, a ALT prestou uma homenagem a todas as instituições presentes onde cada acadêmico foi convocado a fazer uma poesia para outra academia visitante.

Recebi três poemas, sendo dois para a AML e outra para a Academia de Filosofia de Campo Mourão.

Muito singelo o gesto escrito em letra cursiva e em papel pergaminho.

Fomos então ao jantar em comemoração aos 10 anos da ALT, com direito a bolo e mais fotos.

Nesse momento a chuva veio forte o que prejudicou a presença de muitos ao Sarau dos Acadêmicos que era em outro prédio.

Eu mesma fui diretamente ao meu apartamento para um merecido descanso.

Às nove horas do domingo, já depois de um gostoso café, voltamos para a palestra on line –interativa, da professora doutora Sonia Sirtoli Farber sobre “As Interfaces da Tanatologia nas Produções Literárias e sua contribuição para o enfrentamento das perdas”.

Ela, uma pessoa extremamente doce e gentil, iniciou falando sobre a realidade da morte.

Mas o que vem a ser a Tanatologia?

A ciência da vida e da morte que visa entender o processo de morrer e do luto.

E as letras são uma forma de imortalidade.

Escrever é uma resistência à morte que não deixa de ser uma realidade normal.

Quando fala sobre “sermos salvos pelos nossos autores”, ela deixa claro seu imenso reconhecimento a Dostoievski (Crime e Castigo, Os Irmãos Karamazov), seu autor preferido.

Deixando em aberto para perguntas ou interferências, fui a primeira a levantar e recitar o haicai de minha autoria:

Os poetas mortos

estão vivos nas lembranças.

Viverei um dia?

Foram feitas várias outras intervenções após a palestra aplaudidíssima por todos e em seguida passou-se aos temas sobre a pandemia onde diversos autores, inclusive eu com a poesia “E não houve Carnaval…”, leram seus poemas.

O término foi com o momento ALCA ( Associação das Academias de Artes e Letras do Paraná) com apresentação de trabalhos e da diretoria gestão 2023-2024 a ser eleita e empossada no 16º encontro em Irati, novembro de 2022.

A presidente da ALT e ALCA, Lucrécia Welter Ribeiro, foi homenageada com agradecimentos e flores.

Foi lida a Carta de Toledo com a avaliação do encontro e encerrada a solenidade.

Após o almoço, despedidas e saldo positivo com novos amigos que fizemos.

Acima eu e LUCRÉCIA, depois EDY, eu e MALGARETE/ abaixo MARIA EUNICE, eu, MARLENE e MARIA DILONÊ

Voltei para casa com um casal muito amável da cidade de Cornélio Procópio, Solange e professor Armando Paulo da Silva, representando a Academia de lá.

E preparem-se todos:

2023 o 17º Encontro de Academias vai ser aqui!!!

Acima, os acadêmicos da Academia de Letras de Toledo que tão bem nos recepcionaram.

Gratidão!

Campo Mourão espera todos de braços abertos!

“Ó SENHOR, SENHOR NOSSO, QUÃO ADMIRÁVEL É O TEU NOME SOBRE TODA A TERRA!” Salmos, 8- 9