PÃO DA LUZIA

Primeiro vou explicar o porquê do nome desse pão.

Como contei no post anterior, passei as festas do final de ano em Brusque, Santa Catarina.

Fiquei hospedada na casa da Vânia, irmã da minha nora (ver foto em Terrine de Lombo Canadense) e lá conheci a Luzia que trabalha há mais de vinte anos com a família.

Bem, ela fez muitas vezes esse pão delicioso e numa dessas vezes, cheguei com meu caderninho e além de vê-la fazer, fui copiando a receita.

Quando cheguei em casa, logo resolvi ver se acertava a receita: e deu tão certo, que coloco aqui para vocês!

Primeiro coloque em uma tigela grande os seguintes ingredientes:

1 xícara de fubá

1 xícara de farinha de trigo

1 colher (sopa cheia) de margarina

3 colheres (sopa) de açúcar

1 colher (sopa) de sal

2 xícaras de água fervente para escaldar; mexa bem e deixe esfriar um pouco.

Esses acima, são os outros ingredientes para acrescentar na primeira massinha:

1 quilo de farinha de trigo

1 xícara de água morna

1 colher (sopa) de fermento para pão

Misture tudo.

Aí então coloque mais 2 xícaras de água morna.

Mexa bem até ficar uma massa mole e não precisa sovar!

Deixe crescer na tigela até dobrar de tamanho.

Unte duas formas retangulares para pão, coloque farinha e com as mãos vá colocando punhados da massa (ela fica mole mesmo).

A massa dobra de tamanho.

Coloque para assar em forno bem quente, pré aquecido, durante 10 minutos, depois abaixa o forno para 200º por mais ou menos 30 minutos.

Aí é só aproveitar e comer ainda quentinho com uma manteiga derretendo por cima!!!

Já coloquei aqui outras receitas de pão: Pão Caseiro de Leite, Pão de Hamburger e Meu Pão Caseiro.

Luzia, aí está a receita e espero que goste das fotos e aprove o meu desempenho!!!

Obrigada!

“PORQUE O SALÁRIO DO PECADO É A MORTE, MAS O DOM GRATUITO DE DEUS É A VIDA ETERNA, POR CRISTO JESUS, NOSSO SENHOR.” Romanos, 6- 23

MAIS UMA VISITA LEGAL!

Uma das minhas alegrias é quando sou convidada a falar para alguma turma de alunos, sobre a arte de escrever ou literatura em geral.

Gosto de ver o olhos grudados em mim quando começo a andar e declamar em alta voz os versos que me vem à mente.

E é nesse momento que começo a ganhar os ouvintes e me animo em contar como foi que peguei o “vírus” de uma leitora voraz, a gostar de escrever, a pensar poesia.

Foi assim no ano passado quando visitei pela primeira vez o Colégio Dr. Osvaldo Cruz e que vocês podem ler em “Celeiro Cultural” (é só clicar em cima).

Dessa vez foi diferente.

(Aqui sendo recebida pela diretora Rosemere Scheffer)

Fui conversar com uma turma de sétimo ano no encerramento de mais uma etapa do projeto Celeiro Cultural.

Eles leram o texto “Mãe África” e a poesia “A Poesia e a Cidade”, ambos da coletânea “Caminhos In Versos e Prosas VII” da AME, lançada em 2018.

E também os dois contos “”O Caso do Bilhete Perdido” e “O Jardim dos Três Desejos”, do livro “O Nasquimi Dourado e outras Histórias”, também lançado no mesmo ano.

(Com as professoras Edina Sacramento e Maria Pasquini, idealizadoras do projeto)

Fizeram inúmeras perguntas:

-Ganha-se muito dinheiro escrevendo livros?

-O que te levou a começar escrever?

-Já tem outros projetos prontos?

-Quais seus próximos planos?

(Desenhos e textos feitos pelos alunos)

Agora, o maior interesse mesmo foi sobre minhas viagens a África.

Queriam saber tudo sobre o lugar, sobre as pessoas, até se eu gostaria de um dia morar lá…

-Não, isso não, respondi. Meu lugar é aqui, na minha casa, cidade e país, mas enquanto puder, quero voltar lá ainda muitas vezes.

Nossa, como o tempo passou rápido!

Fizemos muitas fotos e, ainda de quebra, uma mesa com salgadinhos, doces, bolo e refrigerantes.

Virou festa!

E meu coração saiu festivo dali, ao saber que jovens leem meus livros, que se interessam pela cultura e literatura.

E, em minha imaginação enquanto caminhava, fui vendo cada um escrevendo sua própria história em forma de contos e poesias.

Será um final feliz!

“E BUSCAR-ME-EIS E ME ACHAREIS QUANDO ME BUSCARDES DE TODO O VOSSO CORAÇÃO, E SEREI ACHADO DE VÓS, DIZ O SENHOR.” Jeremias, 29-13 e 14

 

 

UM SÁBADO NA FAZENDA SANTA HELENA

Dalva Araci Lopes Medeiros, uma mulher sábia que aos 81 anos recebeu homenagem da Câmara da Mulher Empreendedora em reconhecimento ao seu trabalho, numa linda festa em maio passado.

E nós que fazemos parte da CME fomos até sua casa, em uma fazenda, onde ela com seu espírito empreendedor, transformou o local em um lugar para eventos.

Ônibus fretado, lotado, e todas numa animação até a chegada lá.

Quem nos recebeu foi ela própria ao lado de seu filho que nos levou a conhecer toda a instalação.

Era só celular tirando fotos daqui e dali, tanta coisa linda para ser registrada e ser vista de novo em casa com carinho.

A casa de paredes tortas e quase centenária que é como se fosse um museu, tantas pequenas coisas usadas antigamente e que vai despertando em nós aquela nostalgia de tempos passados.

O escritório onde seu marido escrevia (ele é falecido) continua intacto como se ele ainda estivesse por ali escrevendo poemas, livros e textos que fizeram dele um membro da Academia Mourãoense de Letras.

Tudo ali contrasta com a modernidade do salão de festas onde pudemos ouvir a doce senhora Dalva, nos contar sua história.

E o café colonial que nos ofereceu?

Só de lembrar dá água na boca!

Agora o que não posso esquecer mesmo, é que fui tirar uma foto ao lado de uma árvore linda, florida e que tinha ao lado um grande cacto com flores.

Não sei como foi, se encostei sem querer, só sei que de repente senti como se mil espinhos me espetassem.

Saí correndo até o banheiro e fui tirando casaco, camiseta procurando algum bicho ou formigas, mas nada!

Não se via nada!

Eram minúsculos, invisíveis como uma poeira mas que me pinicavam sem dó!

Meu corpo ficou com pequenas manchas grosseiras e até em outros dias, senti os espinhos em meu corpo.

Sei lá o que foi…

Procurei no Google, mas não encontrei nada que me desse uma explicação.

Mistério!

Saímos de lá bem a tardinha, sentindo ainda o abraço gostoso dessa senhora linda que uma vez, em seus poemas, o marido definiu mais ou menos assim:

“Dalva, uma estrela em minha vida, minha estrela Dalva!

Isso se chama amor!

“A NINGUÉM DEVAIS COISA ALGUMA, A NÃO SER O AMOR COM QUE VOS AMEIS UNS AOS OUTROS; PORQUE QUEM AMA AOS OUTROS CUMPRIU A LEI.” Romanos, 13- 8

 

POESIA PARA O CAMPEÃO!

Meu post de hoje já estava pronto, mas… tive que mudar!

Que me perdoem meus tantos amigos atleticanos, mas há quatro anos eu não gritava “É CAMPEÃO!” e por isso resolvi colocar essa poesia que fiz há uns 15 anos atrás.

Foi depois de um jogo que aconteceu no Dia das Mães, não me lembro de qual ano, em que fui ao campo com meu filho.

GOLEADA COXA BRANCA

E, DE REPENTE, EU ESTAVA ALI.

EM PLENO DIA DAS MÃES,

NUM DOMINGO,

SOL A PINO,

CORITIBA CONTRA IRATI.

NÓS DOIS DE UNIFORME:

CAMISA VERDE E BRANCA,

CALÇA JEANS, TÊNIS,

SORRISO FRANCO.

TUDO “NOS CONFORME”.

ESTÁDIO CHEIO, BONITO DE VER.

A TORCIDA ORGANIZADA

GRITA, CANTA,

XINGA, DANÇA,

E O SUOR COMEÇA ESCORRER.

PASSA O PRIMEIRO TEMPO.

“JOGO MORNO,

NÃO ADIANTA…”

E O GRITO CONTINUA

PRESO EM MINHA GARGANTA.

METADE DO CAMPO

JÁ ESTA NA SOMBRA.

E O SEGUNDO TEMPO COMEÇA.

O TIME TODO NO ATAQUE.

QUANDO ELE DESENCANTA:

É GOL!!!

E ENQUANTO PULAMOS ABRAÇADOS,

VEM O SEGUNDO E UM TERCEIRO,

E É A DANÇA, A EUFORIA,

A MARQUISE QUE BALANÇA.

A IMPÉRIO QUE DELIRA.

PARECE QUE TUDO EXPLODE:

O CORAÇÃO, O CORPO,

A MENTE.

E VEM UM QUARTO

E UM QUINTO DE REPENTE.

É A FESTA!

CONSAGRAÇÃO!

O ESTÁDIO INTEIRO GRITANDO:

“É CAMPEÃO!”

COMO É DOCE

O SABOR DA VITÓRIA!

GANHAR DE GOLEADA,

ENTRAR PARA A HISTÓRIA.

E VAMOS EMBORA.

MEU FILHO E EU.

FELIZES, CANTANDO,

(PÉ QUENTE),

NESSE DIA QUE É MEU!

Pois é… continuamos assim: amando, sofrendo muitas vezes, mas vestindo literalmente a camisa do nosso time do coração.

(Ontem, felizes!!!!)

“NÃO TE DEIXES VENCER DO MAL, MAS VENCE O MAL COM O BEM.” Romanos, 12- 21

CHÁ DE NATAL DO DANIEL

Pois é… (adoro começar assim…) mais um netinho chegando!!!

E, como teve a Feijoada do Cesinha que já coloquei a receita para vocês, agora foi a vez de um churrasco (Maria Macia, é claro), saladas, maionese e o Risoto de Palmito da vovó (no caso eu).

image

Como fiz anteriormente com os outros netos, (Isadora, Heitor e Cesar) é claro que nosso bebê também ganhou uma poesia!

DANIEL

O que dizer de mais um

presente vindo do céu?

Pois a alegria nos espera

em pleno mês de janeiro.

Um irmão para o Cesinha

que terá um companheiro.

E será ao certo, como aquele

que um dia Deus escolheu:

forte, bonito e sábio

orgulho dos pais e avós,

alegre como o maninho,

encanto de todos nós!

image

(Essa é a carinha de alegria do maninho!)

image

(Papai Paulo e mamãe Pati, recebendo os convidados.)

image

(Picanha Maria Macia, feita no capricho pelo papai!)

image

(Uma gostosura!!!)

image

(As saladas, maionese e o risoto)

image

(Vista geral: vejam uma sombrinha pendurada… chovia muito, mas não atrapalhou em nada o brilho da festa!)

image

(Lembrancinhas para as crianças e potes de palha italiana para as mamães, tudo muito bem enfeitado pela mamãe Pati)

image

E aqui o agradecimento do dono da festa: Daniel!

Foi tudo muito lindo e ficamos aguardando ansiosos a chegada de mais essa bênção em nossas vidas!

“ORA, A ESSES QUATRO JOVENS DEUS DEU O CONHECIMENTO E A INTELIGÊNCIA EM TODAS AS LETRAS E SABEDORIA; MAS A DANIEL DEU ENTENDIMENTO EM TODA VISÃO E SONHOS.” Daniel, 1- 17

BOLO COM CREME DE PAÇOCA

Dentro do clima desse mês de festas, hoje trago uma receita que é uma delícia!

Nem precisa ir ao arraiá…faça em casa e chame amigos para provarem.

Eu fiz e levei para um encontro e agradou a todos!!!

bolo e creme

INGREDIENTES DO BOLO

3 ovos

1/2 xícara de óleo

1 xícara de leite

1 xícara de açúcar

1 e 1/2 xícara de farinha de trigo

3 paçocas rolhas esfareladas

1 colher (chá) de canela em pó

1 colher (sopa) de fermento

ingred.bolo

Misture bem os ovos, óleo e leite. Junte o açúcar e mexa bem. Adicione a farinha aos poucos, a paçoca e canela e misture.

Antes de colocar o fermento, vi que a massa estava com pelotinhas da farinha, então bati na batedeira. 

Coloque o fermento e leve assar em forma untada.

antes de assar

Parece que a massa é bem pouca, mas ela cresce bastante e fica bem bonita!

Forno pré aquecido, 180º por mais ou menos 30 minutos.

bolo assado

INGREDIENTES DO CREME

1 lata de leite condensado

a mesma medida de leite

2 gemas

2 colheres (sopa) de maisena

1 caixinha de creme de leite

3 paçocas rolha esfareladas

ingred.creme

Em uma panela misture os quatro primeiros ingredientes.

(A maisena coloco com as gemas em uma caneca e um pouquinho de leite para desmanchar).

Leve ao fogo até engrossar.

creme na panela

Retire, junte a paçoca e o creme de leite.

Mexa bem e reserve.

creme pronto

Coloque o bolo em um prato e encha a cavidade com o creme de paçoca.

bolo pronto

Como dá bastante creme, coloque em um outro pote e sirva junto com o bolo.

fatia

Essa receita tirei da Nestlé e ficou realmente muito boa!!!

“PORQUE, ASSIM COMO O RELÂMPAGO SAI DO ORIENTE E SE MOSTRA ATÉ AO OCIDENTE, ASSIM SERÁ TAMBÉM A VINDA DO FILHO DO HOMEM.” Mateus, 24- 27

MÊS DE JUNHO, MÊS DE FESTAS!

As festas juninas são mais antigas do que todo mundo pensa!

Elas surgiram na Antiga Europa, há centenas de anos.
Não se sabe se o nome “junina” é uma adaptação que veio com o tempo ou se mudou porque a festa é comemorada no mês de junho.

acordeon

Cada um dos países deu o seu toque à festa que conhecemos hoje em dia.

Da França veio a dança (quadrilha), de Portugal e da Espanha veio a dança com fitas, entre outras culturas que foram se popularizando.
Como é de se imaginar, a festa junina foi trazida para o Brasil pelos portugueses durante o período colonial.

Por coincidência, os índios que habitavam o nosso país realizavam rituais nessa mesma época de junho para celebrar a agricultura e, com a vinda dos jesuítas, as festas se fundiram e os pratos passaram a utilizar alimentos nativos,como mandioca e milho.

casamento
As festas juninas acontecem em todo canto do país, mas podem ser divididas em dois tipos distintos: aquelas que acontecem na Região Nordeste e aquelas do Brasil caipira (inspiradas nos Estados de São Paulo, região norte do Paraná, região sul de Minas Gerais e Goiás). Elas possuem diferenças e costumes bem diferentes.
As festas do Brasil caipira são realizadas em quermesses com danças de quadrinha em torno da fogueira e, como não pode deixar de ser, com muita música caipira.

quadrilha

Em todos os lugares, as mulheres usam vestidos coloridos de chita e os homens vestem camisa quadriculada e calças remendados com tecidos também cheios de cores.
A fogueira é um dos maiores símbolos das festas juninas.
Assim como a maioria dos elementos de uma festa junina, existem dois significados para a famosa fogueira.

Nas festas pagãs e indígenas, elas eram feitas para espantar os maus espíritos.

Já na tradição cristã, ela tem uma explicação: Isabel teria dito à Maria (mãe de Jesus) que acenderia uma fogueira para avisá-la do nascimento de seu filho (João).
Maria viu as chamas de longe e foi visitar a criança que tinha acabado de nascer.
Hoje, por questão de segurança, elas também só são feitas em poucas cidades do interior, já que também não são permitidas nas grandes quermesses para que se evite incêndios e acidentes causados pelas chamas.

Mas o símbolo está sempre presente quando pensamos nas festas juninas.

fogueira-na-festa-junina
No Nordeste, o forró é, talvez, o ritmo mais requisitado para as festas juninas, seguido pelo baião, xote, reisado, o samba de coco e outras cantigas típicas. 
Simpatias e promessas para os santos são comuns em todas as épocas do ano, mas, para os três santos homenageados em junho, agora é a hora, principalmente para Santo Antônio, já que ele é considerado o santo casamenteiro e as moças que procuram um namorado, noivo ou marido se apressam para ter tudo pronto no dia 13.

mesa
Difícil não ficar com fome em uma festa junina.

Milho cozido (ou assado), pipoca, bolo de fubá cremoso (ou de milho), maçã do amor, pé-de-moleque, vinho quente, quentão, arroz-doce, canjica, chá de amendoim e muitas outras delícias (normalmente quentinhas, porque essa época do ano é bem fria) são a alma da festa.
Reparou que muitas comidas são derivadas do milho verde?

Isso se deve ao fato de que junho é a época propícia para a colheita do alimento e essa tradição está presente nas festas juninas desde que ela chegou ao Brasil.

Outros grãos — como o amendoim — e raízes — como a mandioca — também marcam presença nas comemorações de junho.

E eu me lembro de uma musiquinha que cantávamos nessa época e que dizia assim:

“MÊS DE JUNHO, MÊS DE FESTAS,

DE FOGUEIRAS AO LUAR.

NO TERREIRO ILUMINADO

TODA GENTE VAI DANÇAR.

DESDE 13 A 29

QUE SE OUVE O ESPOUCAR

DAS BOMBINHAS, DOS FOGUETES

ESTOURANDO PELO AR”

Que lembranças boas tenho das festas da minha infância… e essa música acima, nunca mais ouvi… nem achei no google…perdeu-se com o tempo, bem como as bandeirinhas que fazíamos com capricho para enfeitar o quintal…

bandeirinhas

Fonte: http://www.megacurioso.com.br

Imagens: 1) edu-candoconstruindosaber.blogspot.com; 2) atividadesparaprofessores.com.br; 3) plus.google.com; 4) http://www.grupogsa.com.br; 5) http://www.24brasil.com; 6) http://www.vivaeventos.com.br

“DIRIGE OS MEUS PASSOS NO TEUS CAMINHOS, PARA QUE AS MINHAS PEGADAS NÃO VACILEM.’ Salmos, 17- 5

 

CIDADES ONDE MOREI: 11- CAMPO MOURÃO

No final da 10ª cidade, escrevi que saímos em cinco pessoas dali, mas uma ainda estava em minha barriga…

Viemos para Curitiba onde meu caçula nasceu e aí sim, após quinze dias fomos para nossa nova cidade: Campo Mourão!

CampoMouro-pr

Em 2014 sua população foi estimada em 92.300 habitantes e numa pesquisa recente, a cidade foi classificada em quarto lugar do Paraná como melhor para se viver!

mapa

Ali ficamos quase seis anos e foi onde meus filhos passaram uma infância alegre, desfrutando um quintal grande, brincando com amigos, andando de bicicleta, indo a piscina de clubes e começando a vida escolar.

Uma festa que se tornou conhecida em todo Brasil, é a do Carneiro no Buraco, criada na década de 60 e que acontece sempre no mês de Julho e reúne pessoas de todo canto.

carneiro no buraco

Hoje em dia, Campo Mourão possui 4 instituições de Ensino Superior além da sede da maior cooperativa do Brasil e a 3ª maior do mundo- a Coamo.

igreja e fonte

Foi com tristeza que deixamos essa cidade, mas o futuro nosso estava na capital e é para lá que fomos: Curitiba.

Imagens: 1) http://www.skyscrapercity.com; 2) pt.wikipedia.org; 3) http://www.copa2014.pr.gov.br; 4) assesa.sanepar.com.br

” PORQUE O SENHOR NÃO VÊ COMO VÊ O HOMEM. POIS O HOMEM VÊ O QUE ESTÁ DIANTE DOS OLHOS, PORÉM O SENHOR OLHA PARA O CORAÇÃO.” ISamuel 16- 7

PUDIM DE NOZES

Pudim todo mundo gosta e sabe fazer!

Agora, essa receita é uma mistura da leveza do pudim tradicional com nozes, o que fica fantástico!

Procurem fazer para essas festas de final de ano e não vão se arrepender!

pudim de nozes 1

INGREDIENTES

2 latas de leite condensado

200 ml de leite

2 ovos

1 xícara de nozes moídas

2 colheres de achocolatado (eu usei Nescau)

Primeiro de tudo, caramelize uma forma de buraco e reserve.

Coloque as nozes no liquidificador e triture.

Junte todos os ingredientes e bata bem.

pudim de nozes 2

Leve ao forno em banho maria por mais ou menos 45 minutos.

pudim de nozes 3

Retire, espere esfriar e vire em um prato bem bonito.

pudim de nozes 4

Fica delicioso!!!

pudim de nozes 5

(Essa receita copiei do blog da Cíntia Marcucci)

” E TU, BELÉM EFRATA, POSTO QUE PEQUENA ENTRE MILHARES DE JUDÁ, DE TI ME SAIRÁ O QUE SERÁ SENHOR EM ISRAEL, E CUJAS ORIGENS SÃO DESDE OS TEMPOS ANTIGOS, DESDE OS DIAS DA ETERNIDADE.” Miquéias, 5- 2

 

TENDER

Tenro, delicado, sensível, macio.

O famoso Tender, não passa de um grande presunto (ou uma bolinha) que já vem cozido.

Então seu preparo não é demorado e ele é muito apreciado nas festas de final de ano.

2 (2)

INGREDIENTES

1 tender bolinha

4 colheres (sopa) de mostarda

meio copo de calda de abacaxi

meio copo de suco de laranja

1 xícara de açúcar mascavo

4 colheres (sopa) de manteiga

cravos

2 (1)

A primeira coisa a fazer é cortar o tender em losangos e colocar os cravos.

4 (1)

Reserve.

Numa tigela misture a mostarda e o açúcar mascavo.

4 (2)

Besunte todo o tender com essa mistura (ele já deve estar na forma forrada com papel alumínio).

6 (2)

Pique a manteiga em pedacinhos e coloque em baixo e em cima do tender.

6 (1)

Regue com os sucos.

Leve ao forno quente por mais ou menos 40 minutos.7

Pronto!

Não tenho a foto dele fatiado porque esse foi mais uma encomenda das “Comidinhas da Vovó Sílvia”.

8

(Aqui ele está junto com um peru assado e recheado com farofa e o copinho ao lado contem o molho do tender para acrescentar na hora que for esquentar- tudo muito prático!).

“PORQUE UM MENINO NOS NASCEU, UM FILHO SE NOS DEU; E O PRINCIPADO ESTÁ SOBRE OS SEUS OMBROS; E O SEU NOME SERÁ MARAVILHOSO CONSELHEIRO, DEUS FORTE, PAI DA ETERNIDADE, PRÍNCIPE DA PAZ”. Isaías, 9- 6