RELEMBRANDO NATAIS

Difícil escrever sobre o Natal…

Primeiro vem as lembranças mais remotas, de quando eu era pequena e passava esse dia com meus pais e irmãos.

Não tenho lembrança de meus avós junto conosco nessas comemorações; cada um morava em cidades distantes e viagens não eram tão fáceis como hoje em dia.

Assim o Natal se resumia em apenas nós seis: papai, mamãe, eu e meus três irmãos.

(Minha casa nesse ano de 2018)

Ganhava presentes: às vezes uma roupa nova, um sapato novo ou algum brinquedo.

Já com meus filhos os Natais foram diferentes!

Como morávamos no interior, viajávamos até a Capital onde meus pais e sogros moravam.

Então festejávamos dia 24 com os sogros e 25 com meus pais.

Nas duas casas era tudo muito animado com reunião de primos e tios e tudo era música e alegria.

(Mais enfeites em casa!)

Minha mãe sentava ao teclado tocava milhares de músicas natalinas e meu pai lia na Bíblia, a história tão conhecida do nascimento de Jesus.

Aí presentes (muitos) eram abertos e a ceia era repartida entre todos.

O Natal de agora ficou mais triste…

Meus pais se foram e não tem mais a música dos hinos nem a leitura da história de Jesus…

Os filhos vão fazendo suas vidas e alguns seguem para lugares distantes.

Então noto que a idade avançou e fiquei muito mais sentimental, como agora quando escrevo isso…

(Minha sala enfeitada!)

Mas o Natal de Jesus não muda!

Ele permanece através dos séculos como a vinda de nosso Deus ao mundo.

De uma maneira serena e humilde como Ele sempre foi, nos amando tanto que veio até nós para nos dar nova vida.

Então deixemos as lembranças tristes de lado e comemoremos o Natal com gratidão e alegria!

FELIZ NATAL A TODOS!!!

 

“PORQUE DESDE A ANTIGUIDADE NÃO SE OUVIU, NEM COM OUVIDOS SE PERCEBEU, NEM COM OS OLHOS SE VIU UM DEUS ALÉM DE TI, QUE TRABALHE PARA AQUELE QUE NELE ESPERA.” Isaías, 64- 4

 

 

BEBÊS REBORNS

Reborn (em inglês), quer dizer Renascido!

Vocês já ouviram falar desses bebês?

São tão reais que parecem que a qualquer momento vão se mexer e chorar de verdade!

Minha neta Isadora de oito anos, tem um bebê menina, a Melissa.

E é tanto encantamento dela com essa boneca que às vezes acho que ela está pensando que se trata de uma criança de verdade.

E a Melissa não veio sozinha: chegou com sua mochila, seus vestidos, tiaras e fivelas para cabelo, pijamas, sapatinhos, fraldas, toucas, casacos, etc.

Até eu (como boa bisavó) já contribui tricotando para o enxoval as mantas, touca e sapatinhos.

E onde Isadora vai, leva sua filha junto.

(Aqui com Heitor, no Aeroporto)

Sabe aquele sentimento maternal?

Pois aflorou tanto que minha neta troca, conversa, coloca roupas para dormir, arruma para sair e como dormi em seu quarto nessas férias em Curitiba, ficava observando e dizia:

-Isa, apague a luz, já é tarde!

E ela:

-Já vai, vovó, estou colocando o pijama na Melissa…

E quando fomos ao shopping então, ela toda orgulhosa passeando com sua “filha”(claro que Melissa estava com roupa de sair) enquanto as pessoas se voltavam e comentavam se era um bebê de verdade.

Até para mim vieram perguntar quando fiquei com ela no colo para Isa e Heitor irem ao carrossel.

E já teve até Chá de Bonecas, onde cada amiga levou seu bebê!

Isso foi lá na casa dela em Luanda.

Agora ela está esperando ganhar um irmão para a Melissa que já tem até nome: Maurício!

Fico lembrando da boneca que tive quando pequena (veja em Boneca): de louça, tão dura, mas que naquela época era tudo de mais moderna.

As coisas mudam…

Só não muda o sentimento de uma menina que se sente uma mãezinha de verdade, cuidando, embalando, fazendo dormir.

(Uma ida ao Shopping)

Isso não quer dizer que ela só vive nesse mundo de fantasia, não!

Isadora usa celular, gosta dos joguinhos, assiste filmes, lê livros, estuda, mas tem aquela coisa de menina que gosta de brincar de boneca.

Ainda bem que ela é assim, nesses tempos em que meninas de sua idade já querem ser mocinhas, imitando as Anitas rebolativas, ela faz renascer (Reborn) esse  encantamento!

Ainda bem mesmo!

” BENDITO SEJA O SENHOR, PORQUE OUVIU A VOZ DAS MINHAS SÚPLICAS.” Salmos, 28- 6

 

 

 

DUAS SEMANAS DE JULHO

E não é que cheguei em Curitiba com duas malas cheias de blusas, cachecóis, gorros de lã e botas e não usei quase nada?

Foram duas semanas de dias lindos, céu azul e um friozinho bem confortável!

(Uma rua nas Mercês com essa cerejeira maravilhosa)

Aliás, a cidade estava florida e meu coração cheio de alegria por poder passar essas duas semanas com minhas filhas e netos que chegaram da longínqua África…

E aproveitei muito!

(Dentro do elevador nas saídas quase que diárias)

E assim íamos ao shopping onde eu tomava meu imperdível sundae no Mc Donald’s, café canelinha na Kopenhagen, comidinha no Outback, mas também andava no parque Barigui enquanto as crianças brincavam.

Quando ficávamos em casa, eu ia para a cozinha e dali saíram pasteis, panquecas, estrogonofe, filé à parmegiana, batata suíça, feijão com arroz e farofinha, macarrão à bolonhesa além do bolo indiano que é uma gostosura!

À noite, brindávamos com um vinho que saboreávamos com uma bandeja de aperitivos!

Pude encontrar uma das minhas irmãs, a Raquel, e passeamos, tomamos café e pusemos as conversas em dia.

(Faltou encontrar meus dois irmãos, Ciro e Ângela, que estavam viajando)

Depois almocei com a Akico, amiga de longa data e que fazemos parte de um grupo onde também algumas estavam viajando.

Aí a vez foi da Sonia fazer um lanche na casa dela onde eu e Débora ficamos até tarde, sempre conversando e relembrando coisas de quando elas vieram me visitar aqui em Campo Mourão.

E o último encontro foi com nove amigas da turma de 1966, na casa da Vera!

Cada vez surge uma nova amiga daqueles áureos tempos!

(Sentadas: Jóia, Vera, Ivete e Maria de Lourdes; em pé: eu, Elizabeth, Cleide, Carmen, Sonia e Marilu).

Quanta coisa boa pode acontecer em duas semanas!

Até um assalto, o que deixou de ser bom!!!

Em plena 15:00 horas, dentro do ônibus, fui imprensada na porta por 3 mulheres que roubaram minha carteira de dentro da bolsa, com todos meus documentos, cartões e dinheiro!

Voltei para casa com somente um BO e pronta para fazer todos os documentos novamente.

Mas como dizem, “mais tem Deus para dar do que o diabo prá tirar” ou “vão-se os anéis, mas ficam os dedos”; eu digo, obrigada, Senhor por mais esse livramento!

“EM TUDO DAI GRAÇAS, PORQUE ESTA É A VONTADE DE DEUS EM CRISTO JESUS PARA CONVOSCO.” I Tessalonicenses, 5- 18

 

 

 

 

UM BEBÊ EM NOSSAS VIDAS

“Filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. Isto mesmo! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado. Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo!” José Saramago.

image

E Daniel chegou há 17 dias trazendo alegria para seu papai Paulo Emílio, mamãe Patrícia e maninho Cesar ( e todos nós também!).

image

Essa foto tirei na porta do apartamento enquanto Pati se arrumava para entrar no centro cirúrgico.

image

Essas são as lembrancinhas em uma caixa e ao fundo a foto dos quatro (Daniel ainda na barriga da mamãe…)

image

Dentro uma caixinha com pão de mel (maravilhoso, da amiga Michelle), um cartão de agradecimento e um calendário de mesa.

image

Nesse calendário tem a poesia que fiz para meu neto, antes dele nascer (leiam no Chá de Natal do Daniel).

image

Para esperar as visitas, mais docinhos lindos da Michelle.

E se antes a família já era feliz, imagina agora com mais esse presente de Deus!

image

Os dois irmãos!!!

Que cena mais linda: Cesinha olhando embevecido o seu maninho que parece sorrir…

É muito amor!!!

E assim reparto com vocês mais esse momento emocionante da minha vida de avó!!! 

“FALOU DANIEL E DISSE: SEJA BENDITO O NOME DE DEUS PARA TODO O SEMPRE, PORQUE DELE É A SABEDORIA E A FORÇA.” Daniel, 2- 20