O QUE PODEMOS APRENDER COM ESSA PANDEMIA

Esse texto veio quentinho ontem à noite, diretamente de Lisboa, Portugal, onde minha filha Fabiane, que é jornalista, está morando.

“O novo sempre assusta.

E se esse novo for uma doença, apavora ainda mais.

Mas sim, há vida nesse caos e é possível aprender a lidar com esse momento passageiro.

 Talvez você já não aguente mais ouvir falar do coronavírus.

Talvez você ache isso tudo um exagero.

Talvez isso nem tenha chegado à sua cidade ainda…

 Mas, como eu estou em Portugal, esse é um assunto que não tem como não fazer parte das conversas – online, porque reuniões com mais de cinco pessoas não são aconselháveis no momento.

Diferentemente da Itália e Espanha, aqui não estamos proibidos de muita coisa. Mas há restrições. O estado de alerta em Lisboa segue até 9 de abril.

 A cidade está mais vazia, mesmo nesses dias de calor.

Apesar de ainda estarmos no inverno, faz duas semanas que tem feito sol e calor em Lisboa. As esplanadas – restaurantes e bares ao ar livre – deveriam estar lotadas, mas não estão. Há pessoas, mas em número reduzido.

A curiosidade é que 90% dos que ainda saem às ruas são estrangeiros.

No sábado dei uma volta pela cidade e só ouvi inglês, francês e alemão. Português mesmo só dos motoristas de tuk tuk e dos garçons.

 (Apesar do sol, esplanadas com poucas pessoas, sendo 90% estrangeiros).

 As pessoas estão cuidadosas. A recomendação é não chegar perto, não abraçar nem beijar. Para mim, tudo normal: sou de Curitiba!!

 As escolas e universidades foram encerradas.

Os supermercados têm novo horário de funcionamento, reduzido. Os centros comerciais também.

A Câmara Municipal da cidade fechou museus, teatros, bibliotecas, piscinas e pontos turísticos, como o Mosteiro dos Jerônimos, a Torre de Belém e o Padrão dos Descobrimentos.

( Um dos lugares mais procurados pelos turistas, a Praça do Comércio estava vazia para um final de semana).

 Algumas empresas adotaram o home office, como forma de evitar que os funcionários peguem o transporte coletivo.

A minha foi uma delas, então desde a última quarta-feira todos trabalham de casa.

 Alguns restaurantes também fecharam as portas, assim como shows e peças de teatro agendados para março e abril foram adiados.

À noite, todos as discotecas e bares estão encerrados.

A maioria das academias também optou por fechar.

 No domingo o Ministro da Administração proibiu o consumo de bebida alcoólica nas vias públicas e determinou a redução para cem pessoas em espaços fechados (até então o número era de 500 pessoas).

A intenção é evitar ao máximo as aglomerações.

 (Na Ribeira das Naus, em frente ao Tejo, algumas pessoas aproveitaram o sol do final de semana, mas mantendo distância uns dos outros).

 Nos supermercados há muitas prateleiras vazias, mas a reposição é feita diariamente. Houve um certo pânico, mas quando as pessoas perceberam que se não fizerem estoque não vai faltar, os ânimos se acalmaram.

Só há duas coisas que realmente não existem: álcool em gel e máscaras.

  (Alguns produtos são mais procurados, como enlatados, leite e limpeza. Mas a reposição tem sido rápida).

 A grande preocupação agora é fazer com que as pessoas sejam menos egoístas. Talvez essa pandemia ensine isso.

Por que não se trata de ficar doente – já sabemos que a mortalidade é pequena face a tantas outras doenças. A questão é que não há espaço para atender todas as pessoas que precisam, em especial os idosos.

Por isso é tão importante respeitar as regras impostas, para que a disseminação não se alastre ainda mais.

(Em Alfama, um aviso com os cuidados básicos sobre o Covid-19).

 Ontem à noite, após uma convocação pelas redes sociais, as pessoas saíram ao mesmo tempo nas janelas de casa para aplaudir os profissionais de saúde, que têm se empenhado muito na luta contra o coronavírus. Foi lindo de ver!

 Vamos sobreviver? Com certeza!

Serão tempos difíceis, mas acredito de que vamos passar por mais essa! Enquanto isso, vamos aprendendo a ser menos individualistas e mais solidários. Vamos confiar nas autoridades, obedecer às recomendações, não entrar em pânico e não repassar fake news.

Enfim, vamos nos adaptar a esse momento, e quando tudo passar, estaremos fortalecidos e aprenderemos a dar mais valor à saúde e à liberdade.

E que Deus nos proteja!”

Muitos de nós, que estamos longe de nossos queridos que moram no exterior, com razão nos preocupamos com a saúde deles.

Então foi oportuna essa reflexão e que nossa fé em Deus, jamais seja abalada porque, como Ele mesmo disse:

“…O VOSSO PAI, SABE O DE QUE TENDES NECESSIDADE, ANTES QUE LHO PEÇAIS.” Mateus, 6-8

 

 

EXPO LIVRO

Gosto de andar pelas ruas da cidade e vou assim, meio devagar, mas observando tudo ao redor.

E foi assim que olhando ao longe, no meio da praça, vejo…

-Não, não pode ser! Um ônibus de livros?

Vou chegando mais perto e…

-Sim, sim é um ônibus de livros!

Entro curiosa e o que vejo é tudo tão claro, limpo, ar condicionado (lá fora um calor enorme), mesas, cadeiras, TV, sofás e livros, muito livros!

Converso então com o casal que me recebe, Milton e Juracema, que me contam sobre tudo aquilo que meus olhos extasiados veem.

Esse projeto se chama INSTITUTO VIDA PARA TODOS (www.institutovidaparatodos.org.br) que leva para inúmeras cidades essa biblioteca ambulante.

Os livros, para adultos, jovens e crianças, são especialmente cuidados e editados em sua própria editora (EDITORA ÁRVORE DA VIDA) onde também circula um jornal mensal e que está em sua 300º edição.

Eles ficam, dependendo da disponibilidade do local, em média 20 dias; vieram de Foz do Iguaçu e seguem daqui para Guarapuava.

Também apresentam palestras e peças teatrais durante a permanência na cidade.

Não são ligados a nenhuma denominação e sua visão é “apresentar ao público cristão um jornal totalmente bíblico, com diversos temas da vida cristã e que suprisse espiritualmente vários segmentos de pessoas.”

Todos os livros trazem mensagens de amor, incentivo, união e outras.

Nesse livro infantil que comprei, Luva Lulu, “ensina a criança a ser perseverante na busca de objetivos e a não desanimar diante das dificuldades”.

Passei momentos tão agradáveis nesse local e só me entristeci por ninguém ter entrado enquanto permaneci ali…

Um presente para a cidade e tomara muitos ainda descubram e cheguem até lá para o receber!

“DISSE JESUS: IDE POR TODO MUNDO, PREGAI O EVANGELHO A TODA CRIATURA.” Marcos, 16- 15

 

 

 

UM CAMINHO PARA A LIBERDADE

Férias é sempre assim: vou até uma livraria para escolher um livro com o intuito de ler durante o período de folga.

Geralmente já vou com algum na cabeça, mas dessa vez fiquei olhando, lendo as orelhas, a contra capa, passando de um a outro, até que achei esse.

Essa autora já era minha conhecida, desde que li “A Última Carta de Amor”em 2015 e que reli em outubro de 2019 com o mesmo encantamento da primeira vez.

É também dela o livro “Como eu era antes de Você”, que virou um filme visto por milhares de pessoas chorosas em todo o mundo.

Bem, mas voltando a esse em questão: chorei muitas e muitas vezes!

A história é emocionante e conta a trajetória de cinco mulheres no ano de 1930 e que enfrentam uma cidade inteira por amor aos livros.

Juntas, descobrem o poder do conhecimento, da liberdade e da amizade.

(Jojo Moyes)

A ideia delas é formar uma biblioteca itinerante e levar livros para os moradores mais pobres da região.

E elas enfrentam preconceitos, dificuldades com o tempo gelado, aprendem a andar à cavalo e atirar, mas afinal quem disse que ganhar a liberdade é algo fácil?

Eu amei demais essa história, por isso compartilho com vocês.

“AFASTA, POIS, A IRA DO TEU CORAÇÃO E REMOVE DA TUA CARNE O MAL, PORQUE A ADOLESCÊNCIA E A JUVENTUDE SÃO VAIDADE.” Eclesiastes, 11- 10

 

LIVROS, LIVROS E MAIS LIVROS

Nunca é demais falar sobre livros!

E eu pensava cá com meus botões o quanto sou fascinada por eles, mas, para falar a verdade, um amigo escritor é super mais do que eu!

Eu mostrava a ele o meu livro (O Nasquimi Dourado) quando ele abriu, levou ao nariz e cheirou!!!

-Adoro o cheiro de um livro novo! Falou para mim.

Somos assim mesmo: gostamos prá valer!!!

Essa é a Biblioteca Pública do Paraná, em Curitiba, fundada em 07 de março de 1857 e onde fiz muitas pesquisas desde a época do magistério.

E essa é a Biblioteca Municipal Prof. Egydio Martello em Campo Mourão, com 60 anos completos e onde temos reuniões mensais da AME (Associação Mourãoense de Escritores) e da AML (Academia Mourãoense de Letras).

E parece que os livros nos procuram quando gostamos deles.

Foi o caso do restaurante em Cape Town, África do Sul, quando eu e minha filha entramos e literalmente ficamos de boca aberta!

As paredes repletas de livros!!!

(Minha filha Fabiane)

Sabe aquele lugar aconchegante, lareira acesa, (lá fora um frio terrível), comida e vinhos maravilhosos e livros em profusão!

Ainda em Cape Town fomos visitar a biblioteca que estava comemorando naquele mês seus 200 anos!

(Mais sobre essa visita você pode ler aqui em “Os Esquilos e a Biblioteca“)

Fui até o Google para saber sobre a maior biblioteca do mundo e descobri que a Biblioteca do Congresso nos Estados Unidos, foi inaugurada em 24 de abril de 1800 e  possui mais de 155 milhões de itens, entre livros, manuscritos, jornais, revistas, mapas, vídeos e gravações de áudio, incluindo materiais disponíveis em 470 idiomas, sendo a maior biblioteca do mundo, tanto em espaço de armazenagem como no número de livros.

Agora vou escrever sobre o que mais me tocou ultimamente!

A saga de uma professora que desenvolveu um projeto na Escola Municipal Paulo VI aqui em Campo Mourão.

Chama-se Projeto Ambiente de Leitura: não deixe essa amizade esfriar!

Ela pediu para quem tivesse uma geladeira sem uso para doar e ali ela fez a biblioteca.

(A idealizadora do projeto, professora Silvania)

Isso é amor aos livros!

Não importa se o local é amplo, lindo, se tem muitos livros ou não; o que importa é passar para as crianças essa importância que eles tem, o mundo que se abre através de suas páginas e que nos deixa apaixonados por eles.

E eu não poderia encerrar sem os versos que fiz, há muito tempo atrás, mas que resumem o que sempre vou sentir sobre eles.

LIVROS

AH, LIVRO AMIGO!

QUE SE DEITA COMIGO,

E ABERTO TEIMA EM FICAR

SOBRE MEU PEITO,

ENQUANTO DURMO,

A ME ESPERAR…

“DISSE-LHE JESUS: EU SOU A RESSURREIÇÃO E A VIDA; QUEM CRÊ EM MIM, AINDA QUE ESTEJA MORTO, VIVERÁ.” João, 11- 25

 

 

UM PASSEIO PELA LITERATURA

Começo agradecendo a Mara Cristina dos Santos Oliveira, estudante de Biblioteconomia do Centro Universitário Claretiano, responsável pelo projeto Nossa Gente Nossas Letras.

Em parceria com a bibliotecária Liane Cordeiro (Biblioteca Antonio Martins Filho), organizou o Encontro de Escritores, juntamente com os acadêmicos da Unespar Campus Campo Mourão (colegiado de Pedagogia e do curso de Formação de Docentes do Colégio Estadual).

Este foi o primeiro encontro organizado pelo projeto, aproveitando a data de 29 de outubro na qual se comemora o Dia Nacional do Livro.

(Liane, Mara e eu)

Pela manhã, falei para uma platéia interessada (Um passeio pela Literatura) e à noite, Jair Elias dos Santos Junior, discorreu sobre o tema:”Campo Mourão, a construção de uma cidade”.

Fui levando os ouvintes a passear primeiramente pela poesia, depois as crônicas, haicais, contos, reescritas, histórias infantis e juvenis.

Um passeio lindo para quem, como eu, ama a literatura!

(Valéria, a primeira à esquerda,-responsável pela biblioteca; em seguida a professora Dalva, Liane, professor Renato, eu e Marlene – bibliotecária do Colégio Santa Cruz).

(Momento para perguntas)

(Mara, Dalva e eu autografando um livro)

(Os alunos com as professoras Adriana e Cristiane e os outros já mencionados)

O que dizer desse momento?

Fernando Pessoa disse, certa vez: escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. 

A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas (como a dança e a arte de representar) entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer dela um sono; as segundas, contudo, não se afastam da vida. Não é o caso da literatura. Essa simula a vida.

(Visita à biblioteca da Unespar)

“Por intermédio de diversos gêneros, formas nas quais a linguagem literária se manifesta, a literatura toma corpo e liberta-se do plano das ideias; transforma-se em um poderoso instrumento da comunicação e interação, difunde a cultura e democratiza o conhecimento”-Mundo Educação.

“COM A SABEDORIA SE EDIFICA A CASA, E COM A INTELIGÊNCIA ELA SE FIRMA; PELO CONHECIMENTO OS SEUS CÔMODOS SE ENCHEM DO QUE É PRECIOSO E AGRADÁVEL.” Provérbios, 24- 3 e 4.

 

 

 

 

 

 

 

CELEIRO CULTURAL

Outubro é um mês no qual comemoramos a cultura:

dia 12- Dia Nacional da Leitura, cujo objetivo dessa data é incentivar a prática da leitura entre jovens e adultos;

dia 20- Dia do Poeta, onde se celebra o profissional que pode e deve ser reconhecido como um artista escritor, que usa de sua criatividade , imaginação e sensibilidade para escrever, em versos, as poesias que faz;

dia 29- Dia Nacional do Livro, uma das invenções mais enriquecedoras do ser humano, que vem a ser o Livro!

E, nesse dia 19, fomos convidados (eu e mais 19 escritores), a participar do término do PROJETO CELEIRO CULTURAL MOURÃOENSE, no Colégio Estadual Dr. Osvaldo Cruz.

Que projeto encantador e tão importante!

À frente dele, duas pessoas de grande visão: Rosemere e Maria Pasquini, respectivamente diretora e coordenadora do projeto.

(Aqui, Maria Pasquini, eu e Rosemere)

Dias antes começamos a receber cartinhas dos alunos que tinham lido nossas obras e convidando para o evento.

A Leiriele do sexto ano, por exemplo, leu meu relato “Mãe África” do livro “Caminhos in Versos e Prosas VII” lançado esse ano pela AME (Associação Mourãoense de Escritores) da qual faço parte; o David, também do sexto ano, leu o conto “O Caso do Bilhete Perdido” que faz parte do livro também editado esse ano, “O Nasquimi Dourado e outras histórias“.

(Na primeira foto, as cartas recebidas; na segunda um mural com várias poesias dos autores presente e a terceira foto, a minha poesia também da Antologia citada e que foi declamada pelas alunas).

(Nessas fotos as alunas declamam poesias que decoraram para homenagear os autores)

O auditório estava repleto de alunos que se mostraram interessados e surpresos por conhecerem tantos escritores juntos!

Todos os autores presentes se apresentaram contando um pouco das suas trajetórias na literatura.

E aí começaram as perguntas: um pouco tímidas, mas que eram respondidas com muito carinho.

(Eu respondendo algumas das perguntas)

O ambiente foi de muita camaradagem entre todos os autores, porque conversar é preciso!

Depois dessa primeira parte fomos levados até as salas que já estavam organizadas com os alunos esperando para conversar “tête-à-tête” com os autores escolhidos.

(Na primeira e segunda fotos, o cartão que recebi; na foto maior, a cópia da”orelha”do meu livro de poesias “Um Pouco de Mim”)

Foram momentos muito gratificantes que pude passar com a “minha” turminha: o Vinicius, Kerolyn, Karin e Maria Eduarda respondendo mil perguntas!

(Na foto acima com a Luciana, diretora da Biblioteca Municipal Egydio Martello)

Que esses momentos possam se repetir muitas outras vezes com eles e que outros colégios possam seguir esse exemplo maravilhoso de amor a literatura!

“LOUVAI AO SENHOR, PORQUE ELE É BOM; PORQUE A SUA BENIGNIDADE É PARA SEMPRE.” Salmos, 136- 1

 

 

 

 

 

 

CAMINHOS “IN” VERSOS E PROSAS VII

“Antologia é o conjunto formado por diversas obras (literárias, musicais ou cinematográficas, por exemplo) que exploram uma mesma temática, período ou autoria. 

Na literatura, por norma, as antologias são formadas por diferentes textos (prosas ou versos) que são organizados dentro de um único volume, formando uma coletânea (coleção) de obras que abrangem um tema, período histórico ou autor específico.

Por exemplo, uma antologia poética consiste na reunião de vários poemas diferentes num único livro que, normalmente, são selecionados individualmente pelo autor”.(www.significados.com.br)

E foi assim que no dia 24 de Agosto desse ano, a nova Coletânea da AME (Associação Mourãoense de Escritores) da qual faço parte, foi lançada em um evento com a participação de muitos escritores e amigos.

Contribui com uma poesia “A Poesia e a Cidade” e uma prosa “Mãe África”.

Mas, como vocês sabem, meu blog é uma mistura gostosa de Literatura e Culinária e nessa Antologia encontrei um poema que disse tudo o que eu gostaria de ter escrito, do meu amigo Oswaldoir Capeloto o qual transcrevo para vocês.

BIBLIOTECA DOS VERSOS GOSTOSOS

Desconfio que as confeitarias

deveriam se chamar biblioteca.

Grafadas com letras luminosas,

coloridas, enormes:

-Biblioteca dos Versos Gostosos-

e saborosamente descontraídos.

_____

Meus olhos passeiam sobre cada um desses versos

e os devora com gosto e emoção:

Floresta Negra,

cueca virada,

espera marido,

sonho,

sonho de valsa… A imaginação

se põe a bailar, e baila, baila.

_____

Nega maluca…Ah, essa negra Fulô!

Quindim,

pé de moleque,

leite moça

bolinho de chuva… Quantos pingos d’água

serão necessários para se fazer um?

_____

Beijinho… Que doce!

Brigadeiro,

Suspiro… hum!

Baba de moça… Por quem ela baba?

Quintana babava pelas babás.

_____

Papo de Anjo,

pão de ló,

brisa de liz…Ao longe, ouço um fado de Amália.

Travesseiro de sintra… Sim, meus olhos passeiam

em terras portuguesas.

_____

Minas me serve um pãozinho de queijo

e enquanto o saboreio, boto-me a pensar

de onde vem tanta imaginação

para tão apetitosas guloseimas,

todas recheadas com infindáveis nomes poéticos.

_____

D repente, a lembrança me leva,

por um fio de ouro, até a cidade de Goiás.

Caminho pelos seus becos,

pela igreja do rosário,

pelo palácio conde dos arcos…

_____

Vejo uma ponte, uma casa antiga,

sinto um cheiro de passado e presente

unidos na mesma massa. Adentro a casa,

e nela se revela toda a história

de uma saudosa doceira

que adoçava os doces com açúcar

e a gula,com poesia.

_____

Ah, doce doceira, que doce poetisa!…

Está explicada a razão de tantos

e tão poéticos nomes de doces.

Tudo a ver com poesia.

_____

E assim, refaço a minha desconfiança

para a mais clara das certezas:

As confeitarias deveriam se chamar biblioteca.

-Biblioteca dos Versos Gostosos-

“SE ALGUÉM DIZ: EU AMO A DEUS E ABORRECE A SEU IRMÃO, É MENTIROSO. POIS QUEM AMA SEU IRMÃO , AO QUAL VIU, COMO PODE AMAR A DEUS,A QUEM NÃO VIU? E DELE TEMOS ESSE MANDAMENTO: QUE QUEM AMA A DEUS, AME TAMBÉM SEU IRMÃO.” I João, 4- 20 e 21.

 

 

ELE CHEGOU!!! A FESTA PARA ELE!!!

Lembro de uma música que se cantava nos tempos da jovem guarda, que dizia assim:

“Quando o carteiro chegou e meu nome gritou com uma carta na mão, ante surpresa tão rude, nem sei como pude chegar ao portão…”

Ele nem gritou meu nome, mas sim tocou a campainha e nem fiquei surpresa porque já esperava a qualquer hora que ele chegasse.

Ah como é gostoso receber pronto, cheirando novo, a sua última cria!

Tudo começou com uma vontade enorme de escrever para essa faixa etária que faz parte da literatura infantojuvenil e que possui poucas histórias dedicadas a ela.

Seu nome: O NASQUIMI DOURADO E OUTRAS HISTÓRIAS.

(Marcadores de páginas)

E não me perguntem o que é Nasquimi porque só saberão, ou não, quando lerem a história.

As demais são: “O Caso do Bilhete Perdido”, “O Jardim dos Três Desejos” e “Aventuras na Ilha”.

São 64 páginas e a editora é a Multifoco do Rio de Janeiro.

A capa. convites e marcadores, ficou a cargo da Estúdio Arte daqui da cidade com a competência do casal querido Rafael e Vanieli.

Bem, aí vamos para a parte mais difícil que é a organização do evento.

Afinal tenho que apresentá-lo em grande estilo!

Começamos pelo convite, que hoje em dia nem se imprime mais e vamos enviando por whatsApp e e-mails.

Segue a encomenda do coquetel, das flores e tenho a ajuda das incansáveis funcionárias da biblioteca.

(Aqui os livros editados, antologias e revistas que participei)

A nossa Biblioteca é muito linda e foi fácil deixarmos tudo muito aconchegante e gostoso.

Nessa foto, temos a Mestre de Cerimônia (Fátima Braga) fazendo a abertura, logo depois eu discursei e em seguida fez-se a fila para os autógrafos.

Meu filho Paulo Emílio e minha nora Patrícia, foram representando minhas duas filhas e o Cesinha, representando os outros três netos.

Esse livro foi dedicado aos meus quatro netos: Isadora, Heitor, Cesar e Daniel que me proporcionam momentos indescritíveis de amor e me fazem voltar a ser uma Contadora de Histórias.

Paulo foi meu fotógrafo (apesar de na foto acima, seu filho estar fotografando) e se saiu muito bem (vejam as fotos lindas que estou postando); e a Pati foi minha tesoureira, agilizando a venda dos livros.

Na foto acima, estão as amigas Tricocheteiras, que fazemos um trabalho voluntário à pessoas carentes; abaixo, as meninas da biblioteca, Simone, Luciana, Vivian e Kelli.

Aqui, com o Prefeito da nossa cidade, Tauillo Tezelli que prestigiou o lançamento e com amigas da Academia Mourãoense de Letras.

E, em seguida, fotos das pessoas queridas que foram me abraçar!

 

Foram momentos muito gratificantes e que ficarão marcados para sempre!

Transcrevo para vocês, o final do meu discurso onde digo: “Monteiro Lobato escreveu certa vez que quem escreve um livro, cria um castelo; quem o lê mora nele. Eu já morei em muitos castelos, pois sempre li muito; agora eu criei esse castelo e quero que vocês venham comigo morar nesse lugar de sonhos, encantamento, onde tudo é poesia e amor.Ele chegou! Aproveitem!”

“O SENHOR É A MINHA FORÇA E O MEU ESCUDO; NELE CONFIOU O MEU CORAÇÃO, E FUI SOCORRIDO; PELO QUE O MEU CORAÇÃO SALTA DE PRAZER, E COM O MEU CANTO O LOUVAREI.” Salmos, 28- 7

 

 

 

 

 

OS ESQUILOS E A BIBLIOTECA

Não, não é uma historinha das que conto para as crianças…(esse vídeo dos Esquilos e o Cachorro, está aqui).

Começou com um passeio pela Company’s Gardens, um jardim criado pelos holandeses em 1650 e que hoje se tornou um grande calçadão arborizado, com início na esquina da Wale Street com a Adderley Street.

(O começo do passeio)

Ao longo do jardim estão vários prédios importantes, como o Parlamento Sul Africano, uma escola, museus e…a Biblioteca!

Há também um grande parque público de acesso gratuito com jardins, jardim japonês, aviário e um pequeno lago.

E, esquilos!!!

São muito fofos e dóceis; se aproximam querendo algo para comer e teve um que até subiu pelas minhas pernas me dando susto!

Aí, como por encanto, surge a National Library of South Africa, fundada em 1818, portanto completando seus 200 anos de existência.

Abrimos o portão de ferro, subimos as escadas e entramos.

Já na entrada, assino um livro com meu nome e país de onde venho.

(Essa foto me fez lembrar do filme do Harry Potter, com as estantes que se moviam).

Maravilhosa!!!

(Muitas pessoas pesquisando e um silêncio absoluto).

(Programação do mês de Junho)

Se você quiser saber mais sobre “Muita Cultura no Centro de Cape Town“, clique aqui para ler uma matéria linda e completa, escrita em novembro de 2015 pela minha filha Fabiane Prohmann que reside lá e me acompanhou nesse passeio.

“DO SENHOR É A TERRA E A SUA PLENITUDE, O MUNDO E AQUELES QUE NELE HABITAM.” Salmos, 24- 1

 

 

UM LUXO DE MEMORIAL!!!

E nesse domingo, 27 de maio, fomos visitar o MAAN (Memorial Dr.Antonio Agostinho Neto), inaugurado em 17 de setembro de 2012 com o objetivo de perpetuar a memória do primeiro Presidente Líder da Luta de Libertação.

(Já escrevi sobre ele em Conhecendo a Fortaleza de São Miguel)

Gente, é tudo grandioso, rico, maravilhoso!!!

Essa área externa tem uma avenida para desfiles de cerca de 500 metros, com uma área de tribuna de 2000 lugares e parque para 300 viaturas, numa área total de 18 hectares.

(Nessa foto um poema dedicado a um representante da Floresta, o Elefante, “um mais velho que atravessou as idades da Terra e ganhou sabedoria”).

(Ainda do lado de fora, uma estátua da libertação vista pelo olhar atento da minha neta Isadora).

(Logo na entrada o quadro acima mostra a chegada do Dr. Agostinho Neto ao aeroporto, um piano de cauda e sala).

Aqui tudo é grandioso: galeria de exposições, salas multiuso, administração, biblioteca/videoteca, biblioteca multimídia, centro de documentação, lojas e hall das autoridades.

O Presidente Dr.Antonio Agostinho Neto foi um homem de cultura e um defensor da arte (acima um de seus livros de poesia).

E espalhado por paredes e quadros, versos e mais versos:

“As minhas mãos colocaram pedras

nos alicerces do mundo

mereço o meu pedaço de pão.”

(Na primeira foto, sua assinatura; abaixo sua escrivaninha com seus pertences)

(Medalhas, cartas, quadros e roupas usadas por ele).

(Visitantes sendo monitorados por um guia).

 

(Observem, como já mencionei, a grandiosidade de tudo: mármore, vitrais e um bom gosto incrível).

Essa flor no centro do último andar, é a Welwitschia, conhecida como Polvo do Deserto e que só existe no deserto de Angola e Namíbia.

(Isadora entre as flores)

As suas grandes folhas, duras e muito largas, deitadas no chão, arrastam-se pelo deserto podendo atingir dois ou mais metros de comprimento.

É considerada uma espécie ameaçada, pois já existe desde o tempo dos dinossauros.

Em uma das grandes salas, se encontra o Sarcófago onde repousa os restos mortais de Agostinho Neto.

Não se pode entrar com câmaras fotográficas nem filmadoras, muito menos celular.

É de uma riqueza enorme, toda em mármore com o esquife ao meio rodeado de centenas de coroas todas preservadas!

E todos entram em silêncio (não se pode conversar nem tocar em nada) num sinal de respeito.

(Vista de cima onde se vê na primeira foto, ao fundo, a Assembleia Nacional de Angola).

(Aqui na segunda foto, já de volta para casa)

(Linda Luanda!)

A Bandeira que hoje flutua é o símbolo da liberdade, fruto do sangue, do ardor e das lágrimas, e do abnegado amor do Povo Angolano” (Discurso da Proclamação da Independência, 11.11.1975.

 

Obs: contém algumas informações da Wikipédia.

“TENHO OBSERVADO OS TEUS PRECEITOS E OS TEUS TESTEMUNHOS, PORQUE TODOS OS MEUS CAMINHOS ESTÃO DIANTE DE TI.”Salmos, 119- 168