CUCA DE BANANA

Ah, uma cuca de banana com café!

Tudo de bom!

Vou passar a receita como copiei do programa da Rita Lobo, mas acabei fazendo só a metade.

Comecei por preparar a farofa.

3/4 de xícara de açúcar

3/4 de xícara de farinha de trigo

1 colher (sobremesa) de canela em pó

50 gramas de manteiga gelada cortada em cubinhos

Mexa com a ponta dos dedos até ficar como uma areia molhada.

Reserve.

Enquanto isso corte 6 bananas em rodelas e reserve também.

Agora vamos à massa.

INGREDIENTES

6 ovos (na foto estão três porque, como já escrevi, fiz metade da receita)

1 e 1/2 xícara de açúcar

50 gramas de manteiga 

3 xícaras de farinha de trigo

1 xícara de leite

1 colher (sopa) de fermento

Primeiro unte uma forma com manteiga e polvilhe trigo.

Bata a manteiga com o açúcar e depois vá juntando os ovos um a um, sempre batendo.

Junte intercalando o leite e a farinha.

Retire da batedeira e junte o fermento, mexendo levemente.

Despeje na forma.

Coloque as bananas por cima.

Depois a farofa.

Leve para assar em forno pré aquecido a 180°, por mais ou menos 40 minutos.

Retire do forno e coma ainda quentinho!

Não dá para resistir!

“NO DIA EM QUE EU TEMER, HEI DE CONFIAR EM TI. EM DEUS LOUVAREI A SUA PALAVRA; EM DEUS PUS A MINHA CONFIANÇA E NÃO TEMEREI…” Salmos, 56- 3 e 4.

 

 

 

BOLO PEGA MARIDO

Bolo Pega Marido ou Bolo Espera Marido, o nome não importa e nem precisa ser para esperar ninguém… faça para saborear sozinha enquanto toma uma xícara de café.

Vi essa receita no site da Cozinha da Maria e gostei bastante!

E notem: não vai fermento!

Então, vamos aos INGREDIENTES:

1 lata de leite condensado

a mesma medida de leite integral

1 vidro de leite de coco

1 e 1/2 xícaras de farinha de trigo

3 colheres (sopa) de açúcar

3 ovos

3 colheres (sopa) de manteiga

Coloque em liquidificador os ovos, dá uma leve batida, depois junte os leites.

Bata e junte a manteiga, açúcar e farinha, batendo bem.

Coloque em assadeira ou forma untada.

Leve ao forno já aquecido em 200º por mais ou  menos 50 minutos.

Não precisa ser assado em banho maria, na foto aparece uma forma, mas é para não queimar embaixo do bolo…

Espere esfriar e coloque em um prato.

Depois, é só experimentar e ter cuidado com a gula…

Ele fica bem  cremoso por dentro!

“E DEUS LIMPARÁ DE SEUS OLHOS TODA LÁGRIMA, E NÃO HAVERÁ MAIS MORTE, NEM PRANTO, NEM CLAMOR, NEM DOR, PORQUE JÁ AS PRIMEIRAS COISAS SÃO PASSADAS.” Apocalipse, 21- 4

 

CUQUE COM GOIABADA

Tem dias que você está louca por um bolo com café.

E foi em um desses dias que fiz essa gostosura!

INGREDIENTES

1 xícara de açúcar

1 e meia xícaras de farinha de trigo

2 colheres (sopa rasa) de manteiga

2 ovos (separados)

leite (até ficar uma massa homogênea)

1 colher (sobremesa) de fermento

goiabada picada

Primeiro pique a goiabada e envolva em farinha de trigo. Reserve.

Bata as claras em neve e reserve.

Prepare a farofa: 1 colher (sopa) de manteiga, 1 xícara rasa de farinha de trigo, 1 xícara rasa de açúcar e canela em pó à vontade.

Derreta em uma panela a manteiga e quando estiver bem quente, junte a farinha, açúcar e canela e leve ao fogo mexendo bem por uns três minutos. Retire e reserve.

Bata bem o açúcar com a manteiga, depois as gemas e farinha de trigo com o leite.

Junte delicadamente as claras em neve e fermento.

Despeje em uma assadeira untada e coloque por cima os pedacinhos de goiabada.

Em seguida, polvilhe a farofa em toda a extensão.

Leve ao forno pré aquecido, 180º por mais ou menos 30 minutos.

Aí é só esperar esfriar ( se conseguir), passar um café e comer matando toda a vontade!

“CANTAI AO SENHOR, PORQUE FEZ COISAS GRANDIOSAS; SAIBA-SE ISSO EM TODA A TERRA.” Isaías, 12- 5

 

MÃOS QUE ABENÇOAM!

Existem várias maneiras de abençoar alguém, seja com orações, palavras, gestos, ações ou um trabalho em favor de outro.

E foi isso que aconteceu!

Um encontro prá lá de gratificante!

De um lado a Hosana, esposa do atual prefeito e cheia de projetos para atender as pessoas carentes; do outro a Marlene, dona da lotérica central e que possui um espaço enorme sobre essa loja e que estava com uma vontade enorme de fazer algo para ajudar; a do meio sou eu que escrevo sobre isso.

Pronto!

As duas se juntaram e deram início a esse encontro mágico de toda quarta feira à tarde e à noite.

Aí a teia foi se estendendo, uma amiga convidou outra amiga, essa levou outra e assim por diante e os encontros foram ficando cada vez mais gostosos e empolgantes!

Pessoas que nunca tricotaram ou sequer pegaram em uma agulha de crochê, de repente se juntavam para aprender com as professoras que gentilmente ensinavam.

Aí foi criado um grupo no WhatsApp onde todas se comunicam, colocam modelos de flores, mantas, bolsas, blusas e o que a imaginação criar.

Imaginem a alegria no encontro, o prazer em tomar um café juntas, o contribuir com tortas e bolos o que faz tudo ficar mais prazeroso!

E aí veio o encontro na praça!

Uma tarde de sol e céu azul!

Nos sentamos em baixo das árvores e começamos a trabalhar.

Pessoas que passavam em seu vai e vem domingueiro, paravam e perguntavam o porquê estávamos ali.

É claro que precisamos de um banner com explicações sobre esse projeto, mas isso vai vir e muitas coisas melhores virão!

Isso é só o começo!

Enquanto tecemos os quadrados coloridos, o pensamento vai até o final quando então juntaremos todos os pedaços e faremos mantas para aquecer aqueles que precisam.

E serão abençoadas essas mantas porque terão um pouco de cada uma de nós que colocamos nesse nosso fazer, o amor ao próximo!

“O SENHOR MANDARÁ QUE A BÊNÇÃO ESTEJA CONTIGO NOS TEUS CELEIROS E EM TUDO QUE PUSERES A TUA MÃO; E TE ABENÇOARÁ NA TERRA QUE TE DER O SENHOR, TEU DEUS.” Deuteronômio, 28- 8

 

PÃO DE ABÓBORA

Essa receita fiz em uma máquina de pão, mas você pode fazer manualmente que dá certinho também.

Primeiro, começamos pela abóbora que deve ser a  abóbora japonesa ou cabotiá como é mais conhecida.

Descasque, corte em pedaços e leve para cozinhar.

Escorra bem e amasse com um garfo.

Agora, os ingredientes.

1 copo de abóbora (cozida e amassada)

1 ovo

1 colher (sopa) de manteiga

2 colheres (sopa) de açúcar

1 colher (chá) de sal

3 copos de farinha de trigo

1 colher (chá) de melhorador

2 colheres (chá) de fermento seco

Adicionar nessa ordem acima todos os ingredientes na forma da máquina.

Em 3 horas você terá seu pão prontinho.

Se optar por fazer manualmente, coloque o fermento com o açúcar e um pouco de leite morno para dar uma leve crescida e junte aos outros ingredientes na bacia.

Amasse bem e deixe crescer na bacia coberta por mais ou menos 1 hora.

Retire e amasse novamente, colocando em uma forma para pão, deixando crescer novamente por mais ou menos 1 hora.

Leve para assar por mais ou menos 40 minutos.

Vejam a cor que fica!

E sintam a gostosura que fica com uma manteiga derretendo por cima!!!

Ah, e não esqueça do café!!!!

“PORQUE O PECADO NÃO TERÁ DOMÍNIO SOBRE VÓS, POIS NÃO ESTAIS DEBAIXO DA LEI, MAS DEBAIXO DA GRAÇA.” Romanos, 6- 14

 

 

 

FERNANDO PESSOA

Mais um texto lindo da minha filha Fabiane que nos leva passear por outros lugares desse mundão afora…
“Tenho em mim todos os sonhos do mundo”.
Com essa frase de Fernando Pessoa, que reflete muito o que eu sou, fui descobrindo um pouco mais desse poeta português, por quem minha mãe tem uma admiração gigante.
( Lisboa vista do Miradouro Senhora do Monte – cidade onde nasceu e
morreu Fernando Pessoa).
Morando em Lisboa, percebi o quanto sua obra é importante e reverenciada pelos portugueses.
Pessoa é considerado, ao lado de Luís de Camões, o maior poeta da língua portuguesa, e um dos maiores da literatura universal.
Diversos pontos da cidade relembram o poeta, locais por onde ele passou e que hoje prestam homenagem a esse lisboeta nascido em junho de 1888.
No Brasil Fernando Pessoa também é muito cultuado, mas confesso que pouco sabia da história da sua vida.
E descobri que temos ‘algo’ em comum: ele morou em Durban, na África do Sul, por cinco anos (eu moro em Cape Town, também na África do Sul, há dois anos e meio).
Ainda, ele adorava o café brasileiro. Por conta disso, frequentava no Largo do Chiado, em Lisboa, A Brasileira, um café inaugurado em 1905 e que vendia o genuíno café brasuca.
(Café brasileiro no A Brasileira, local frequentado por Pessoa e ponto
turístico no Largo do Chiado).
O café existe até hoje, e claro que estive lá.
O lugar preserva as características e móveis da época, com muito dourado, espelhos e grandes lustres.
Em frente ao estabelecimento há uma estátua em sua homenagem. Feita em bronze pelo escultor Lagoa Henriques, foi inaugurada em 1980, e representa Pessoa sentado à mesa na esplanada do café.
( Eu, batendo um papo com Fernando Pessoa!)
Também no Chiado fica a Livraria Bertrand, reconhecida pelo Guinness World, em 2011, como a livraria mais antiga do mundo em funcionamento.
Dividida em sete salas, cada uma tem um nome de um escritor famoso.
A Fernando Pessoa coube a sala sete, a última da livraria, onde fica o Café Bertrand. Na parede, um grande mural de Tamara Alves em homenagem ao poeta.
(Fernando Pessoa dá nome à sala sete, na mais antiga livraria em
funcionamento do mundo).
Um pouco acima do Chiado, no Largo do Carmo, um prédio pode até passar despercebido, já que em frente fica o Convento do Carmo.
O lugar é um antigo convento da Ordem dos Carmelitas da Antiga Observância. A construção, que foi a principal igreja gótica de Lisboa, ficou em ruínas no terremoto de 1755, e não foi reconstruído.
Atualmente as ruínas abrigam o Museu Arqueológico do Carmo, e visitar o local é voltar ao passado.
Fiquei encantada em ver o que restou do terremoto, e imaginar como era tudo antes.
Uma visita que vale muito a pena.
(Fachada do Convento do Carmo, vista que Pessoa tinha da sua
sacada).
Mas, voltando ao prédio que poderia passar despercebido…
Duas coisas chamam a atenção.
Na sacada do primeiro andar, uma figura feita em arame, usando uma
gravata borboleta e um chapéu, já intriga os observadores. Ao chegar à porta do prédio, a revelação.
Ali morou Fernando Pessoa, em 1911.
Atualmente o apartamento está vazio.
( Ainda hoje o poeta observa o movimento do Largo do Carmo).
( A placa indica onde Pessoa morou, em 1911).
Já no Campo de Ourique fica a Casa Fernando Pessoa, um espaço cultural inaugurado em novembro de 1933.
A ‘casa de poesia’, como é chamada, foi onde Pessoa morou nos últimos quinze anos de sua vida, de 1920 a 1935.
Fernando Pessoa faleceu em 30 de novembro de 1935, aos 47 anos, em
consequência de uma crise hepática.
Sua última frase foi escrita na cama do hospital, em inglês, com a data de 29 de novembro: “I know not what tomorrow will bring” (Eu não sei o que o amanhã trará).
( Fachada da Casa Fernando Pessoa, um lugar de pura poesia).
“ASSIM RESPLANDEÇA A VOSSA LUZ DIANTE DOS HOMENS, PARA QUE VEJAM AS VOSSAS BOAS OBRAS E GLORIFIQUEM O VOSSO PAI, QUE ESTÁ NOS CÉUS.” Mateus, 5- 16

BOLO DE MANDIOCA (sem farinha)

Algumas considerações sobre essa raiz tão querida por nós: a Mandioca, Aipim ou Macaxeira, foi eleita pela ONU como o alimento do século XXI; na mesa do jamaicano Usain Bolt, o homem mais veloz do mundo, não pode faltar; barata e cheia de carboidratos especiais, ela pode ser usada em inúmeras receitas de doces e salgados.

(Esqueci de colocar o leite de coco para a foto…)

INGREDIENTES

2 ovos

1 e 1/2 xícara de açúcar (eu usei o demerara para experimentar)

2 colheres (sopa) de manteiga

1 vidro de leite de coco

500 gramas de mandioca (crua)

Primeiro rale a mandioca e reserve.

Numa tigela bata os ovos com a manteiga e o açúcar.

Junte o leite de coco e a mandioca ralada.

Leve para assar em forma untada, forno 180º por 50 minutos.

Desenforme ainda morno, em um prato.

(O meu deu uma quebradinha, mas nada que não pudesse ser consertado…)

Nós comemos ainda morninho acompanhado de um café e ficou maravilhoso!

“MAS BUSCAI PRIMEIRO O REINO DE DEUS, E A SUA JUSTIÇA, E TODAS ESSAS COISAS VOS SERÃO ACRESCENTADAS.” Mateus, 6- 33

 

 

 

DUAS SEMANAS DE JULHO

E não é que cheguei em Curitiba com duas malas cheias de blusas, cachecóis, gorros de lã e botas e não usei quase nada?

Foram duas semanas de dias lindos, céu azul e um friozinho bem confortável!

(Uma rua nas Mercês com essa cerejeira maravilhosa)

Aliás, a cidade estava florida e meu coração cheio de alegria por poder passar essas duas semanas com minhas filhas e netos que chegaram da longínqua África…

E aproveitei muito!

(Dentro do elevador nas saídas quase que diárias)

E assim íamos ao shopping onde eu tomava meu imperdível sundae no Mc Donald’s, café canelinha na Kopenhagen, comidinha no Outback, mas também andava no parque Barigui enquanto as crianças brincavam.

Quando ficávamos em casa, eu ia para a cozinha e dali saíram pasteis, panquecas, estrogonofe, filé à parmegiana, batata suíça, feijão com arroz e farofinha, macarrão à bolonhesa além do bolo indiano que é uma gostosura!

À noite, brindávamos com um vinho que saboreávamos com uma bandeja de aperitivos!

Pude encontrar uma das minhas irmãs, a Raquel, e passeamos, tomamos café e pusemos as conversas em dia.

(Faltou encontrar meus dois irmãos, Ciro e Ângela, que estavam viajando)

Depois almocei com a Akico, amiga de longa data e que fazemos parte de um grupo onde também algumas estavam viajando.

Aí a vez foi da Sonia fazer um lanche na casa dela onde eu e Débora ficamos até tarde, sempre conversando e relembrando coisas de quando elas vieram me visitar aqui em Campo Mourão.

E o último encontro foi com nove amigas da turma de 1966, na casa da Vera!

Cada vez surge uma nova amiga daqueles áureos tempos!

(Sentadas: Jóia, Vera, Ivete e Maria de Lourdes; em pé: eu, Elizabeth, Cleide, Carmen, Sonia e Marilu).

Quanta coisa boa pode acontecer em duas semanas!

Até um assalto, o que deixou de ser bom!!!

Em plena 15:00 horas, dentro do ônibus, fui imprensada na porta por 3 mulheres que roubaram minha carteira de dentro da bolsa, com todos meus documentos, cartões e dinheiro!

Voltei para casa com somente um BO e pronta para fazer todos os documentos novamente.

Mas como dizem, “mais tem Deus para dar do que o diabo prá tirar” ou “vão-se os anéis, mas ficam os dedos”; eu digo, obrigada, Senhor por mais esse livramento!

“EM TUDO DAI GRAÇAS, PORQUE ESTA É A VONTADE DE DEUS EM CRISTO JESUS PARA CONVOSCO.” I Tessalonicenses, 5- 18

 

 

 

 

PÃO DE QUEIJO (até que enfim!!!)

Demorei, mas  aqui está uma receita de pão de queijo que fiz e gostei muito!

Essa demora se deu pelo fato que faço sempre muito biscoito (Biscoito Bola), mas agora que encontrei essa receita que dá para congelar, virei fã!

image

Então vamos aos 

INGREDIENTES

image

1 xícara de óleo

1 xícara de água

1 xícara de leite

2 colheres (sopa) de sal

4 ovos

300 gramas de queijo minas 

100 gramas de queijo parmesão

1 quilo de polvilho doce 

image

(Ralar os queijos no lado fino)

Em uma panela coloque o óleo, água, leite e sal e deixe ferver.

image

Em uma tigela grande coloque o polvilho e escalde com a mistura fervente.

Acrescente os ovos e queijos e vá misturando até incorporar todos (eu usei as mãos)os ingredientes e a massa ficar lisa.

image

Faça bolinhas e achate com um garfo.

image

Leve assar em forno pré aquecido a 200º por cerca de 30 minutos ou até dourar.

image

Maravilhoso!!! E não esqueça do café!!!

“DE TARDE, E DE MANHÃ, E AO MEIO DIA, ORAREI; E CLAMAREI, E ELE OUVIRÁ A MINHA VOZ.” Salmos, 55- 17

PANETONE

Eba!!! Está chegando o Natal e os panetones também já chegaram com tudo!

image

Essa receita já fazemos há tempo e não tem como errar!

INGREDIENTES

5 tabletes de fermento para pão

1 xícara de açúcar

1 xícara de leite morno

1 xícara de água morna

1 xícara de manteiga

6 ovos ligeiramente batidos

raspas de 1 limão

1 pitada de sal

1 colher (chá) de essência de panetone

1 leite condensado

farinha de trigo (mais ou menos 1 quilo)

frutas cristalizadas 

Misture o fermento com o leite morno e açúcar e deixe crescer um pouco.

image

Numa bacia coloque os outros ingredientes (menos as frutas cristalizadas).

image

Junte o fermento e amasse com as mãos.

image

À parte junte um pouco de farinha de trigo às frutas cristalizadas.

image

Depois de amassar bem até desgrudar das mãos, divida a massa em partes ( eu fiz 6 panetones médios).

image

Vá pegando os punhados da massa e colocando dentro as frutas e arrume nas formas untadas com manteiga.

image

Deixe crescer por mais ou menos 1 hora e meia e leve ao forno fraco por mais ou menos 1 hora (dependendo do tamanho do panetone).

image

Depois de assado é só decorar como quiser: eu coloquei frutas cristalizadas, nozes, damasco e derramei chocolate preto e branco derretidos por cima.

image

image

Coloque em papel próprio e amarre com uma fita bem bonita.

image

Pronto, pode degustar seu delicioso panetone com um café quentinho!

“ENTÃO, OS JUSTOS RESPLANDECERÃO COMO O SOL, NO REINO DE SEU PAI. QUEM TEM OUVIDOS PARA OUVIR, QUE OUÇA.” Mateus, 13- 43