“Antologia é o conjunto formado por diversas obras (literárias, musicais ou cinematográficas, por exemplo) que exploram uma mesma temática, período ou autoria. 

Na literatura, por norma, as antologias são formadas por diferentes textos (prosas ou versos) que são organizados dentro de um único volume, formando uma coletânea (coleção) de obras que abrangem um tema, período histórico ou autor específico.

Por exemplo, uma antologia poética consiste na reunião de vários poemas diferentes num único livro que, normalmente, são selecionados individualmente pelo autor”.(www.significados.com.br)

E foi assim que no dia 24 de Agosto desse ano, a nova Coletânea da AME (Associação Mourãoense de Escritores) da qual faço parte, foi lançada em um evento com a participação de muitos escritores e amigos.

Contribui com uma poesia “A Poesia e a Cidade” e uma prosa “Mãe África”.

Mas, como vocês sabem, meu blog é uma mistura gostosa de Literatura e Culinária e nessa Antologia encontrei um poema que disse tudo o que eu gostaria de ter escrito, do meu amigo Oswaldoir Capeloto o qual transcrevo para vocês.

BIBLIOTECA DOS VERSOS GOSTOSOS

Desconfio que as confeitarias

deveriam se chamar biblioteca.

Grafadas com letras luminosas,

coloridas, enormes:

-Biblioteca dos Versos Gostosos-

e saborosamente descontraídos.

_____

Meus olhos passeiam sobre cada um desses versos

e os devora com gosto e emoção:

Floresta Negra,

cueca virada,

espera marido,

sonho,

sonho de valsa… A imaginação

se põe a bailar, e baila, baila.

_____

Nega maluca…Ah, essa negra Fulô!

Quindim,

pé de moleque,

leite moça

bolinho de chuva… Quantos pingos d’água

serão necessários para se fazer um?

_____

Beijinho… Que doce!

Brigadeiro,

Suspiro… hum!

Baba de moça… Por quem ela baba?

Quintana babava pelas babás.

_____

Papo de Anjo,

pão de ló,

brisa de liz…Ao longe, ouço um fado de Amália.

Travesseiro de sintra… Sim, meus olhos passeiam

em terras portuguesas.

_____

Minas me serve um pãozinho de queijo

e enquanto o saboreio, boto-me a pensar

de onde vem tanta imaginação

para tão apetitosas guloseimas,

todas recheadas com infindáveis nomes poéticos.

_____

D repente, a lembrança me leva,

por um fio de ouro, até a cidade de Goiás.

Caminho pelos seus becos,

pela igreja do rosário,

pelo palácio conde dos arcos…

_____

Vejo uma ponte, uma casa antiga,

sinto um cheiro de passado e presente

unidos na mesma massa. Adentro a casa,

e nela se revela toda a história

de uma saudosa doceira

que adoçava os doces com açúcar

e a gula,com poesia.

_____

Ah, doce doceira, que doce poetisa!…

Está explicada a razão de tantos

e tão poéticos nomes de doces.

Tudo a ver com poesia.

_____

E assim, refaço a minha desconfiança

para a mais clara das certezas:

As confeitarias deveriam se chamar biblioteca.

-Biblioteca dos Versos Gostosos-

“SE ALGUÉM DIZ: EU AMO A DEUS E ABORRECE A SEU IRMÃO, É MENTIROSO. POIS QUEM AMA SEU IRMÃO , AO QUAL VIU, COMO PODE AMAR A DEUS,A QUEM NÃO VIU? E DELE TEMOS ESSE MANDAMENTO: QUE QUEM AMA A DEUS, AME TAMBÉM SEU IRMÃO.” I João, 4- 20 e 21.

 

 

3 comentários em “CAMINHOS “IN” VERSOS E PROSAS VII

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s