DIA DE REIS

“E tendo nascido Jesus em Belém da Judéia, no tempo do rei Herodes, eis que uns magos vieram do Oriente a Jerusalém, e perguntaram: onde está aquele que é nascido rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos a adorá-lo.” Mateus, 2- 1 e 2.

Os três reis magos da Bíblia que teriam estado entre os primeiros visitantes do menino Jesus, só são mencionados em um dos quatro evangelhos, o de Mateus.

Cerca de 800 anos depois do nascimento de Jesus, eles ganharam nomes e locais de origem: Melchior, rei da Pérsia; Gaspar, rei da Índia; e Baltazar, rei da Arábia.

Não há nenhuma evidência de que eles tenham existido; e mesmo, segundo a Bíblia, não dá para dizer que eles eram três, nem que eram reis.

Do texto original, sabe-se apenas que eram mais de um, porque a citação está no plural.

Como o grupo levou três presentes (ouro, incenso e mirra), a tradição acabou deixando a ideia de que cada um teria trazido um tesouro para o bebê.

Afinal, devemos aos magos até a tradição de dar presentes no Natal!

(Super.abril.com.br)

Imagens: 1) todamateria.com.br; 2) acporto.wordpress.com; 3) revistavies.com.br

“E, ENTRANDO NA CASA, ACHARAM O MENINO COM MARIA, SUA MÃE, E, PROSTRANDO-SE, O ADORARAM; E, ABRINDO OS SEUS TESOUROS, LHE OFERTARAM DÁDIVAS: OURO, INCENSO E MIRRA.” Mateus, 2- 11

SERTÃO DE CIMA

Lá pelos idos de 1957, morávamos em Sengés, uma pequena cidade do Paraná e onde fiz o terceiro ano primário.

Minhas lembranças dessa época se resumem a poucas coisas, como o bulling que sofri na escola e a uma viagem que fiz com meus pais a um lugar chamado Sertão de Cima.

Frequentávamos a Igreja Presbiteriana local e nela havia uma família que possuía uma caminhonete, dessas abertas na parte de trás.

Pois bem.

Numa linda manhã de um sábado qualquer, fomos fazer um culto nesse lugar que fica bem distante da cidade que, como o nome mesmo diz, fica num alto onde chegamos depois de percorrer estradas sinuosas.

Valeu a pena, porque a vista era realmente maravilhosa: campos verdes, vales, rios, bem abaixo de nós!

Chegamos a um agrupamento de casas, todas muito simples, e crianças foram cercando o carro onde nos encontrávamos.

Papai com sua bíblia em mãos, se posicionou; minha mãe com seu acordeon começou a tocar e a melodia foi enchendo o ar; e eu fui colocada no alto da carroceria da caminhonete  quando comecei a cantar.

Eu sabia muitos hinos de cor e tinha realmente uma voz bem afinada para meus nove anos.

As portas se abriam, pessoas iam se chegando alegremente e, quando víamos, já eram muitas ao redor de nós.

Eu nunca tive vergonha ou qualquer problema em cantar: era o que eu sabia fazer naquele momento.

Depois disso, meu pai pregava a palavra.

Foi assim que terminado o dia, fomos dormir em uma casa onde me encantei com uma ninhada de gatinhos e com o colchão de palha onde dormi.

Que alto, que macio!

Mas a noite ainda me reservava surpresas!

Acenderam lampiões pela casa e havia um movimento de passos prá lá e prá cá, e qual não foi meu espanto ao ouvir bem alto, um choro de bebê!

-Acabou de nascer um nenenzinho aqui no quarto ao lado. Disse minha mãe empolgada!

E foi assim que na manhã seguinte entrei no quarto ao lado para conhecer o pequenino que dormia tranquilo no colo de sua mãe.

Sem médico, sem luz elétrica, sem nada!

Fomos embora, mas aquela cena de tão irreal permaneceu em minha lembrança.

Um lugar tão extraordinário e um acontecimento tão inusitado!

É para nunca ser esquecido, mesmo após mais de sessenta anos!

Imagens ilustrativas: 1) blogdobilhetepremiado.com 2) tripadivisor.com.br; 3) falandodeviagem.com.br

“Ó SENHOR, QUÃO VARIADAS SÃO AS TUAS OBRAS! TODAS AS COISAS FIZESTE COM SABEDORIA; CHEIA ESTÁ A TERRA DAS TUAS RIQUEZAS.” Salmos, 104- 24

 

 

 

ENQUANTO ELE NÃO CHEGA…

Uma sala com vários móveis e todos com muitas gavetas.

Cada gaveta possui uma etiqueta onde se lê: poesias, textos, crônicas, haicais, histórias infantis, releituras, histórias infanto juvenis.

E, nessas gavetas, estão folhas e mais folhas escritas no decorrer dos anos, à mão ou impressas.

Elas estão como em “chocadeiras”, dentro do meu cérebro, esperando o dia de nascer.

E eu olho para cada uma e abro a gaveta de “histórias infanto juvenil”.

Talvez porque tenha sido convidada com mais 10 escritores da AME (Associação Mourãoense de Escritores) para irmos conversar com estudantes da 7ª e 8ª séries de um colégio onde notei a falta de livros para essa faixa etária, ou, bem…porque gosto muito dessas histórias!

Foi difícil selecionar quatro delas, mas depois de tirá-las da gaveta, a gestação teve início de uma forma rápida e divertida.

Primeiro, a escolha do hospital (no caso a Editora) e depois as conversas com o médico ( o editor responsável pelo meu projeto).

Aí então, comecei o enxoval!

Dois profissionais lindos cuidaram do berço (a capa do livro), outra competente e não menos linda, cuidou para que tudo saísse perfeito (a revisão).

Aí mando tudo para o hospital: foto minha (claro, sou a mãe), contrato assinado (quero todos os direitos garantidos a esse filho), a capa e texto revisado.

E chega o dia de ver o ultrassom, que é o esboço daquele que virá à luz!

Quase choro de emoção!

Isso apesar de ter outros filhos que saíram bater asas pelo mundo afora…

Se vai ter festa quando nascer?

Claro que sim!!!

Chamarei filhos, netos, amigos, imprensa, fotógrafos e todos que quiserem conhecê-lo!

E ele já está quase chegando…

Me perguntam qual será o nome dele e eu respondo orgulhosa: “O Nasquimi Dourado e outras Histórias”!

Queixo caído, ar de quem não entendeu e vem outra pergunta:

-Mas, o que quer dizer Nasquimi?

E eu respondo enigmática:

-Vai ter que esperar para conhecer o bebê, ler a história e saber o que é… ou não!

Observação: não coloquei os nomes envolvidos para em outra ocasião dar o devido crédito!

Imagens: 1) napratica.org.br; 2) pt.pngtree.com; 3) manauarashopping.com.br; 4) leiturinha.com.br

“PORQUE DEVERAS HÁ UM FIM BOM; NÃO SERÁ MALOGRADA A TUA ESPERANÇA.” Provérbios, 23- 18

 

BEBÊS REBORNS

Reborn (em inglês), quer dizer Renascido!

Vocês já ouviram falar desses bebês?

São tão reais que parecem que a qualquer momento vão se mexer e chorar de verdade!

Minha neta Isadora de oito anos, tem um bebê menina, a Melissa.

E é tanto encantamento dela com essa boneca que às vezes acho que ela está pensando que se trata de uma criança de verdade.

E a Melissa não veio sozinha: chegou com sua mochila, seus vestidos, tiaras e fivelas para cabelo, pijamas, sapatinhos, fraldas, toucas, casacos, etc.

Até eu (como boa bisavó) já contribui tricotando para o enxoval as mantas, touca e sapatinhos.

E onde Isadora vai, leva sua filha junto.

(Aqui com Heitor, no Aeroporto)

Sabe aquele sentimento maternal?

Pois aflorou tanto que minha neta troca, conversa, coloca roupas para dormir, arruma para sair e como dormi em seu quarto nessas férias em Curitiba, ficava observando e dizia:

-Isa, apague a luz, já é tarde!

E ela:

-Já vai, vovó, estou colocando o pijama na Melissa…

E quando fomos ao shopping então, ela toda orgulhosa passeando com sua “filha”(claro que Melissa estava com roupa de sair) enquanto as pessoas se voltavam e comentavam se era um bebê de verdade.

Até para mim vieram perguntar quando fiquei com ela no colo para Isa e Heitor irem ao carrossel.

E já teve até Chá de Bonecas, onde cada amiga levou seu bebê!

Isso foi lá na casa dela em Luanda.

Agora ela está esperando ganhar um irmão para a Melissa que já tem até nome: Maurício!

Fico lembrando da boneca que tive quando pequena (veja em Boneca): de louça, tão dura, mas que naquela época era tudo de mais moderna.

As coisas mudam…

Só não muda o sentimento de uma menina que se sente uma mãezinha de verdade, cuidando, embalando, fazendo dormir.

(Uma ida ao Shopping)

Isso não quer dizer que ela só vive nesse mundo de fantasia, não!

Isadora usa celular, gosta dos joguinhos, assiste filmes, lê livros, estuda, mas tem aquela coisa de menina que gosta de brincar de boneca.

Ainda bem que ela é assim, nesses tempos em que meninas de sua idade já querem ser mocinhas, imitando as Anitas rebolativas, ela faz renascer (Reborn) esse  encantamento!

Ainda bem mesmo!

” BENDITO SEJA O SENHOR, PORQUE OUVIU A VOZ DAS MINHAS SÚPLICAS.” Salmos, 28- 6