BOMBOM NO PRATO (DE MORANGO)

Uma sobremesa que todos conhecem e cada um faz de um jeito…

Minha nora pediu que eu fizesse para um jantar e aí resolvi fotografar os passos, se por acaso ainda alguém não fez.

Ela é uma gostosura mesmo!

INGREDIENTES

2 latas (ou caixas) de leite condensado

2 caixinhas de creme de leite

200 gramas de chocolate ao leite

2 colheres (sopa) de manteiga

2 caixas de morangos

Primeiramente lavei os morangos e deixei higienizando com vinagre uns 10 minutos.

Logo em seguida, coloquei em uma escorredeira para sair toda a água.

Reserve.

Em uma panela coloque o leite condensado e a manteiga e leve ao fogo mexendo bem até começar a soltar do fundo da panela.

Depois acrescente o creme de leite, mexa e coloque em um pirex (ou em taças).

Deixe esfriar bem!

Coloque os morangos (eu cortei ao meio) por cima do creme.

Derreta o chocolate em banho- maria, retire e junte o creme de leite.

Essas são as camadas: creme, morangos e chocolate.

E vejam que maravilha fica!!!

“PEÇA-A (A SABEDORIA), PORÉM, COM FÉ, NÃO DUVIDANDO; PORQUE O QUE DUVIDA É SEMELHANTE A ONDA DO MAR, QUE É LEVADA PELO VENTO E LANÇADA DE UMA PARA OUTRA PARTE.” Tiago, 1- 6

CARNAVAL EM POESIA (VÍDEO)

O Carnaval é uma das festas populares mais conhecidas no mundo ocidental, sendo a maior festividade do Brasil. Sua origem remonta à Idade Média e tem associação direta com o cristianismo. O Carnaval chegou ao Brasil, durante o período colonial, caracterizado por diversas brincadeiras, como o entrudo (os três dias que precedem a entrada da Quaresma).

Ao longo do século XX, uma série de ritmos e danças passaram a fazer parte do Carnaval brasileiro. Atualmente, ritmos como o samba, o maracatu e o frevo são seus símbolos. O Carnaval transformou-se na principal festa popular brasileira a partir da década de 1930 e, atualmente, conta com os blocos de rua que acontecem nos grandes centros do país, assim como os desfiles das escolas de samba. (UOL- mundo educação)

E aqui vai uma poesia que fiz, logo que começou a pandemia no mundo.

“TODAS AS COISAS ME SÃO LÍCITAS, MAS NEM TODAS AS COISAS CONVÉM; TODAS AS COISAS ME SÃO LÍCITAS, MAS EU NÃO ME DEIXAREI DOMINAR POR NENHUMA.” ICoríntios, 6- 12

CREME DE MANDIOQUINHA GRATINADO

A mandioquinha salsa é uma planta tipicamente sul-americana, dos altos da cadeia dos Andes. … Em cada região recebe uma denominação distinta, como mandioquinha-salsa, batata-baroa, batata-salsa, batata-fiuza, batata-aipo, cenoura-amarela, entre outras.

Apreciada à mesa dos brasileiros, seja como papinha de bebê, frita ou em ensopados de carne, a mandioquinha-salsa, é repleta de benefícios para o organismo, proporciona energia – além de ser saborosa e versátil.

Gente, depois disso é só passar essa receita maravilhosa para vocês!

INGREDIENTES

500 gramas de purê de mandioquinha (cozida e amassada)

1 caixinha de creme de leite

1colher (chá) de sal

1/2 xícara de queijo parmesão ralado (50 gramas)

Noz moscada- se gostar

1 copo de requeijão cremoso

Coloque a mandioquinha para ferver em água e, se gostar, 1 caldo de legumes.

Quando estiver macia, amasse bem com um garfo.

Em uma tigela, adicione na mandioquinha o sal, o creme de leite, o requeijão, uma pitada de noz moscada e misture bem.

Agora vem aquele algo mais!!!

Pegue uma cebola e corte em fatias finas.

Em uma frigideira, coloque 1 colher (sopa) de açúcar e mexa até derreter.

Junte a cebola e mexa até que fique levemente murcha e caramelizada.

Coloque a massa em um pirex untado e sobre ela distribua a cebola caramelizada (eu gostei tanto do sabor que ela deu que na próxima vez vou fazer mais).

Leve ao forno pré aquecido por mais ou menos 15 minutos ou até gratinar.

Sirva quente como entrada ou acompanhando um filé mignon grelhado.

Leve, nutritivo e verdadeiramente espetacular!!!

“MAIS IMPORTA OBEDECER A DEUS DO QUE AOS HOMENS.” Atos, 5-29

MAYBUK, UM RELATO PERFEITO

Para quem escreve um livro, a maior alegria é ouvir alguém falando sobre ele.

E melhor ainda quando só falam bem!!!

Foi assim que meu amigo Sérgio Maybuk, integrante da AME (Associação Mourãoense de Escritores) e grande prestigiador de todos nós escritores, comprou, leu e comentou em seu blog (Blog do Maybuk) sobre meu mais recente livro: Acalanto.

Foi tão generoso e seu escrito tão gostoso de ler, que coloco aqui para a leitura de todos vocês.

“O Blog do Maybuk, sempre que possível publica impressões de seu editor o professor Sérgio Luiz Maybuk referente alguma obra lida, de autores aqui da região de Campo Mourão-PR.

Na presente publicação impressões sobre a obra “Acalanto” – Crônicas, Haicais e Poemas da escritora e poetisa Silvia Fernandes.

Capa Tiago Silva. Revisão – Fabiane Prohmann. Edição – Jair Elias dos Santos Junior (Nova História Assessoria e Gestão Cultural). Projeto Gráfico André Luiz Alves (Moai Comunicação).

O Blog do Maybuk já fez várias publicações relacionadas com os escritos da Silvia Fernandes, mineira de nascimento (apaixonada pelo Estado e um dos poemas comprova isso) e paranaense e mourãoense  por escolha (também apaixonada pela cidade e poemas e crônicas comprovam isso).Ela encanta com seus textos, parte deles premiados ver seu no blog e encanta também com suas declamações de poesias (ver seu canal noYoutube) .

Importante destacar que ela faz parte da Academia Mourãoense de Letras – AML e Associação Mourãoense dos Escritores – Ame.

Com referência ao presente livro que servirá de presente de natal , de arrancada o/a leitor/a vai se encantar com o prefácio, um belo texto escrito pelo professor Fábio Sexugi, mas há uma discordância ali. Ele recomenda que se leia com calma e sem pressa, mas os escritos são tão bons que não é possível aceitar a recomendação, é possível devorá-los e depois pede-se perdão pela gula rsrs e aí sim, na segunda leitura segue-se o prefaciador. 

Com referência especialmente às crônicas e poesias, há duas características interessantes. A primeira é a de que são produções escritas em vários anos inclusive os dois últimos e essas duas formas de produção não têm data de validade.

A segunda é uma característica da autora. Ninguém acredita e pede o RG para conferir, mas ela já completou 70 (é uma setentona moderníssima e deve chegar aos 120). Tal detalhe é importante porque ela retrata situações que a juventude atual não conhece e ao mesmo tempo ela se atualiza junto com os netos e pode alcançar todos os públicos.         

São vinte e duas crônicas, uma mais deliciosa que a outra. Não serão comentadas todas, mas o/ leitor/a:

Poderá lembrar da avó se ela foi uma contadora de história. E se tem crianças,  e já as viu  brincando vai se deliciar e a netinha da autora já fala em débito e crédito.

Vai entender a importância da bela mistura que é tomar café e manusear um livro. E se é mais jovem vai estranhar de se falar em conversar no escuro mas se é mais velho vai ter gostosa recordação.

Que já sonhou ter um encontro com um/a cantor/a vai se identificar com a autora. Ou que já foi a evento que odiou ou que já teve uma prosa consigo mesmo/a vai rir ou refletir com a autora. 

Quem teve a experiência de colorir um livro ou teve o prazer de assistir filme de heróis com filho ou neto vai gostar.

É mulher que trabalha, que cuida da beleza ou percebe a necessidade de cuidar para elevar a auto estima ou que cuida de neto ou tira um momento específico para namorar ou consegue “atuar” em todas as personagens citadas, vai se identificar. Ou ainda vai lembrar de ter perdido o encanto por um homem, por causa de um hábito feio e dizer “aconteceu comigo”. E mais, inventou um pretexto para paquerar um homem desconhecido, também está valendo rsrs. 

Que já teve uma experiência linda e inesquecível quando criança, que já teve insônia, que já passou raiva por causa de mudança de casa, que já reencontrou um/a amigo que não via há muitos anos, também vai se encontrar no livro. 

Sobre os haicais são 39 e não há o que comentar, somente parabenizar. É mais fácil escrever crônicas.

Com referência aos poemas são 20 e também para vários gostos e parte deles premiados. 

Sobre Campo Mourão (duas),  Minas Gerais,  África, Amor, Entardecer, Casal apaixonado, Netos (cinco), Saudades, Calvário de Jesus, Natureza, Bailarina, Roupas penduradas (quem ler não olhará um varal com roupas como antes), uma com o título do livro e outra belíssima que trata da pandemia e fala do carnaval adiado e cita uma pequena parte, da talvez marchinha mais linda já composta em 1967, qual é?

Segredo. Compre o livro  e ao ler o verso lindo vai se sentir rodopiando num salão ou numa rua dos antigos e saudáveis blocos de carnaval. “

Gente, é isso aí!

Querem melhor resenha do que esta?

Obrigada, Sergio Maybuk!

Imagem do Carnaval: Acedata Contabilidade

“SE O SENHOR NÃO EDIFICAR A CASA, EM VÃO TRABALHAM OS QUE EDIFICAM; SE O SENHOR NÃO GUARDAR A CIDADE, EM VÃO VIGIA A SENTINELA.” Salmos, 127- 1

TULIPA DE FRANGO ASSADA

Frango sempre agrada demais.

Seja assado, cozido, frito, feito na grelha ou em panela, a carne de frango é uma das mais consumidas no Brasil, até devido ao seu baixo custo.

A tulipa é aquela parte mais carnuda bem do meio da asa do frango: tem a coxinha, a tulipa e a ponta da asinha.

Esse é um corte muito tradicional nos churrascos no Brasil.

E esses são os INGREDIENTES que usei:

500 gramas de tulipa de frango

1 dente de alho amassado

1 colher (sopa) de azeite

suco de 1 limão

sal e pimenta do reino à gosto

Antes de temperar as tulipas, faça alguns furinhos nela com a ponte de uma faca. Assim o tempero entra melhor.

Coloque as tulipas em uma tigela e tempere com o sal, pimenta, azeite, alho e limão.

Mexa tudo com as mãos massageando para que o tempero pegue bem.

Cubra a tigela e deixe descansar por 15 minutos.

Após esse tempo, acomode em uma forma untada.

OBSERVAÇÃO: eu sempre coloco meus erros, explicando o porquê errei. Dessa vez foi o seguinte: forrei a forma com papel alumínio e ele acabou grudando nas tulipas. Então, não coloque o papel alumínio forrando a forma e sim um fio de óleo.

Agora sim, cubra com papel alumínio e leve para assar em forno pré aquecido, 200º por 40 minutos.

Passado esse tempo, retire o papel alumínio e regue as tulipas com o caldo que formou, mais aquele do tempero.

Leve novamente ao forno e deixe até dourar.

MAIS UMA OBSERVAÇÃO: na hora em que tirei o papel alumínio antes de voltar ao forno, eu virei as tulipas… NÃO faça isso! deixe como estão para somente dourar porque a pele das minhas ficaram grudadas no papel!

Assim mesmo ficaram deliciosas!

Vivendo e aprendendo!!!

“E TEMOS, MUI FIRME, A PALAVRA DOS PROFETAS, À QUAL BEM FAZEIS EM ESTAR ATENTOS, COMO A UMA LUZ QUE ALUMIA EM LUGAR ESCURO, ATÉ QUE O DIA ESCLAREÇA, E A ESTRELA DA ALVA APAREÇA EM VOSSO CORAÇÃO.”II Pedro, 1- 19

FELÍCIA

Ela não era minha, mas a conheci bebê.

Isso foi antes da família do meu filho e nora aumentar.

Aí ela chegou e virou rainha!

Era e sempre foi dócil, carinhosa e querida pelo casal e por mim que vinha visita-los vindo de Curitiba onde morava na ocasião.

Cada vez que chegava, trazia um mimo para ela: lacinhos, fitas e roupinhas.

O tempo passou, dois meninos vieram alegrar a família e acabei vindo com minha mudança, morar aqui em Campo Mourão.

E ela continuava a mesma doçura com todos e nem ligava quando algum dos meninos deitava sobre ela.

Acho que até gostava…

Eu a chamava de FÊ.

E quando chegava a casa deles, ela vinha feliz, pulando em mim, como a dizer: estava com saudades.

Linda menina, Fê!

Quando eu era menina e até antes de me casar, tive um cãozinho de nome Pancho.

Ele era tudo para mim naquela época e, depois dele, nunca mais quis ter outro cão. Nenhum poderia substituí-lo.

Mas mesmo não sendo minha, me apeguei a Fê.

O tempo passou depressa e ela ficou cega.

Que pena vê-la batendo nos móveis, querendo encontrar as pessoas e coisas e não conseguindo.

Nunca chorou, latiu ou gemeu.

Foi se acostumando com os caminhos até sua casinha, até a churrasqueira e até onde nos encontrávamos para receber um carinho.

E assim foi, até o fim, deixando em nós uma saudade tristonha e a lembrança de quando enchia nossos dias de alegria.

Obrigada, querida Fê.

“O JUSTO OLHA PELA VIDA DOS SEUS ANIMAIS, MAS AS MISERICÓRDIAS DOS ÍMPIOS SÃO CRUÉIS.” Provérbios, 12- 10

PENTATONIX

A primeira vez que ouvi essa palavra, prestei muita atenção porque quem falava era meu neto Heitor.

– Vovó, já ouviu o Pentatonix?

Eu sem jeito:

– Não, ainda não, o que é?

– Um grupo musical muito bom! Respondeu.

Lá fui eu então a procurar sobre o dito grupo musical quando, qual não foi minha surpresa?

Simplesmente amei aquelas vozes!

Pentatonix é um grupo americano à capela, composto por cinco vocalistas.

Mas o que é cantar à capela?

Sua origem é italiana e significa cantar algo apenas com voz, sem acompanhamento instrumental.

Esse formato vem dos cantos gregorianos.

A harmonia deles é tão fantástica que produz, quando ouvimos, uma sensação agradável e de prazer.

E o que significa Pentatonix?

É uma referência a escala pentatônica que é a denominação dada ao conjunto de todas as escalas formadas por 5 notas ou tons.

E esse grupo acreditou que as 5 notas da escala combinavam com eles por serem um quinteto.

São inúmeros prêmios que ganharam desde 2011 quando começaram a carreira de sucesso.

Você já os ouviu cantar?

Se não, tenho certeza que irão gostar tanto como eu, mas se sim, aproveitem para ouvir e deleitar-se de prazer.

Essa é, talvez, a música mais ouvida: HALLELUJAH!

“CANTAI AO SENHOR UM CÂNTICO NOVO, CANTAI AO SENHOR, TODOS OS MORADORES DA TERRA.”Salmos 96- 1

Antes desse post ir ao ar, contei a Isadora e Heitor sobre ele. Ela pediu que eu fizesse uma observação: foi Isadora quem apresentou os Pentatonix ao Heitor.

Pronto, já está devidamente retificado!

Imagens: 1) open.spotify.com; 2) G1-Globo

BEIJO GELADO

Beijo Gelado é uma sobremesa deliciosa, fácil de fazer, com três camadas de gostosura: a primeira é um creme branco, a segunda um creme de chocolate e a terceira uma cobertura de claras.

INGREDIENTES

Para o creme branco

1 gema

1 colher (de sopa) de manteiga

1 caixinha de leite condensado

1 medida de leite (medir na caixinha)

1 colher (sopa) de maisena (dissolvida em um pouquinho de leite)

Misture todos os ingredientes em uma panela e leve ao fogo médio, mexendo sem parar, até ferver e engrossar.

Despeje o creme em um pirex ou taças e leve à geladeira enquanto faz a segunda parte.

Para o creme de chocolate:

São os mesmos ingredientes, mais 4 colheres (de sopa) de achocolatado (eu usei Nescau).

O modo de fazer é o mesmo.

Depois de pronto, coloque sobre o creme branco e leve à geladeira enquanto prepara a última camada.

Bata as duas claras reservadas em batedeira até ficarem bem firmes.

Junte 5 colheres (sopa) de açúcar e uma caixinha de creme de leite que deve estar bem gelado.

Bata por mais ou menos três minutos e coloque em cima dos cremes.

Leve ao congelador e retire uns 10 minutos antes de servir.

(Baseado na Receita Toda Hora).

“OS MEUS OLHOS PROCURARÃO OS FIÉIS DA TERRA, PARA QUE ESTEJAM COMIGO; O QUE ANDA NUM CAMINHO RETO, ESSE ME SERVIRÁ.” Salmos, 101- 6

A VELHA MÁQUINA DE ESCREVER

Dia dois de dezembro desse ano, comemoramos os 25 anos da AME (Associação Mourãoense de Escritores) e foi lançada mais uma Antologia com a participação de 25 escritores.

A presidente em exercício, Silvania Maria Costa, enviou aleatoriamente, 25 fotos sendo uma para cada, com a mensagem que deveríamos escrever um poema ou texto sobre aquela foto recebida.

A que recebi foi a seguinte.

E saiu assim.

A VELHA MÁQUINA DE ESCREVER

Tac, tac, ta, tac…

É assim que eu ouvia o som batendo nas teclas daquela máquina de escrever.

Antiga, como eu.

Mas eu era menina ainda quando via meu pai, sentado em sua cadeira do escritório, tocar aquelas teclas.

Era música para meus ouvidos, pois sabia que meu pai estava em casa, bem perto de mim.

Tac, tac, tac, tac…

E daquelas folhas brancas saiam seus poemas, cartas e sermões.

Meus filhos não conheceram esse tipo de máquina, muito menos meus netos.

E foi nela que eu, seguindo os passos de meu pai, aprendi a escrever tirando também poemas, cartas e histórias.

Hoje em dia, elas só existem em museus e no google.

E também nessa foto que me fez relembrar o passado já distante e quase ouvir o tocar das teclas.

Tac, tac, tac, tac…

“E SEJA O VOSSO CORAÇÃO PERFEITO PARA COM O SENHOR, NOSSO DEUS, PARA ANDARDES NOS SEUS ESTATUTOS E GUARDARDES OS SEUS MANDAMENTOS…” I Reis, 8-61

A MAGIA DE ESCREVER

A MAGIA DE ESCREVER

Sou mágica, acreditem!

Transformo pensamentos em letras,

que se transformam em palavras,

para tudo virar poesia,

contos, histórias,

na mais perfeita harmonia.

—–

Gosto de escrever.

Sinto-me plena quando

minhas mãos parecem ter vontade própria

e tecem poemas que voam

para outros mundos

levando toda minha história.

—–

Gosto do cheiro do livro.

Do novo, do velho.

De sentir em meus dedos

o toque das páginas passando

uma a uma,

como melodia tocando.

—–

Só quem escreve

sabe o poder que recebeu.

Transformar mentes,

instigar o leitor

a imaginar, exercitar, criar!

É sou mesmo mágica!

Imagens: 1) Freepik; 2) Espaço Cognita

“DESPERTA, GLÓRIA MINHA! DESPERTA, ALAÚDE E HARPA! EU MESMO DESPERTAREI AO ROMPER DA ALVA.” Salmos, 57- 8