A PESCARIA

 

Ah, um dia lindo de sol nessas manhãs outonais em que a natureza parece explodir em cores!

E lá vamos nós, filho, nora e dois netos para um Pesque Pague perto da nossa cidade.

Um lugar perfeito: tudo muito limpo, as casinhas cobertas, cada uma com duas cadeiras onde nos sentamos confortavelmente.

Eu animadíssima tirando fotos de tudo que via.

Pegamos três varas, sendo uma para mim, outra para meu filho e a terceira para meu neto que tem quase cinco anos.

Vara pronta, isca no anzol, a linha sendo lançada e olho na boia colorida.

-Mãe, fica atenta para quando a boia afundar pois é a hora em que o peixe está mordendo a isca. Aí é só fisgar e puxar. Explicou o meu filho.

-Ok, ok! Já entendi. Falei como se soubesse tudo a respeito.

Nossa, a minha pose era de uma profissional: calça jeans, camisão, boné e aquele ar de quem sabe que vai tirar o maior peixe da água.

Todos sentados, quietos e os peixes começam a pular, aqui, ali, prá fora, uma festa peixal!

-Peguei um! Fala o meu filho.

E vai puxando uma tilápia grande.

Coloca no balde onde ela começa a se debater até parar.

-Papai, fisguei um! É meu neto gritando e meu filho corre para ajudar a puxar uma enorme irmã daquela outra.

Começo a ficar preocupada!

Um senhor que trabalha ali mesmo, chega perto e joga uma porção de comidinhas e a água parece ficar viva com tantos peixes sassaricando por ali!

-Agora pego um! Falei.

Que nada… eles nem ligavam para minha isca e iam direto para a do meu filho que ia tirando e tirando e eu ficando sem graça e sem graça…

Disfarçadamente eu me chegava perto de onde eles estavam, mas continuava sendo ignorada.

Meu neto ainda pegou mais dois.

Meu filho pegou um que pesou 2 quilos, num total de 10 quilos de peixes.

E eu ali, dando banho na minhoca, que nem minhoca era…

De repente cansei de brincar daquilo.

Fui ver os homens limpar os peixes, tirei fotos dos quatis e acabei no restaurante comendo tilápias fritinhas e tomando uma cervejinha gelada.

Mas antes de ir embora, fiz pose com o peixe que meu filho tinha acabado de pescar…

É,“o mar não está prá peixe”, já disse alguém, mas serviu para eu chegar em casa e fazer o que sei: escrever sobre esse dia de pescaria!

“E DISSE-LHES: VINDE APÓS MIM, E EU VOS FAREI PESCADORES DE HOMENS.” Mateus, 4-19

 

 

 

 

 

 

 

A COBRA

Nunca pensei em escrever sobre isso, mas o fato é que hoje (04 de maio) tive o desprazer e pavor de ver uma cobra dentro da minha sala!

A sensação é terrível!

No piso bem branquinho, aquela coisa horrorosa se arrastando e entrando pelo corredor em direção aos quartos.

Surtei!

Nas portas da sala e da cozinha, eu tenho um rolo de areia que veda toda a extensão do vão delas, mas isso foi pensando em inibir eventualmente a entrada de baratas ou aranhas. Nunca pensando em cobras!

Mas a porta da sala estava aberta nesse momento…

Peguei o celular e chamei, quase sem conseguir, os bombeiros.

-Tem uma cobra dentro da minha casa! Falei tremendo.

-Calma, minha senhora, onde ela está? Perguntou.

-No corredor, quase no meu quarto!

-Quanto ela mede?

Pai do céu, como se eu pudesse pensar em medidas nessa hora… para mim ela era terrivelmente grande!

-Uns 80 centímetros. Falei.

-Qual a cor dela?

-Moço, por favor, manda alguém aqui que estou muito nervosa! Ah, sim, a cor é escura.

-Senhora, não precisa ficar nervosa. Ela não vai pular e nem picar. Qual o seu endereço?

Passei, implorando que ele viesse logo!

E ele calmamente:

-Se a senhora não se acalmar vou ter que mandar uma ambulância junto para socorrê-la. É preciso?

-Não, não precisa, vou me acalmar! Falei baixando a voz.

Aí então fui de longe seguindo o trajeto que ela fazia DENTRO DA MINHA CASA!!!

Entrou no meu quarto, passou por trás das cortinas, embaixo da cama e voltou para o corredor.

Enquanto isso fechei as portas dos outros quartos e banheiros.

E ela veio vindo, passando pela sala (aí eu já estava na área do lado de fora), atrás do sofá e pelos cantos veio vindo até sair na área.

Nessa hora os bombeiros chegaram.

Três!

Com uma caixa grande, ganchos, luvas e tudo mais.

-Ela está ali, moço. Indiquei a peçonhenta.

E eles riram…

-Essa é uma cobra cega, não faz nada. E dizendo isso, pegou-a com a mão enluvada.

Então o outro disse:

-Parece uma minhoca gigante…

E eu começando a ficar envergonhada falei:

-Olha, eu não sei o nome dela, só sei que fiquei apavorada. De onde ela pode ter vindo? Será que tem outras por aí?

-Vem da grama, dos matos desse terreno aí perto e sim, claro que tem outras, respondeu.

Puxa vida, será que ele não podia me acalmar e mentir um pouco?

E o terceiro falou:

-Oitenta centímetros, eim? Vamos deixar pela metade! E continuou: o dia que entrar outra, a senhora pega uma vassoura e joga ela prá fora…

-Hã? Brincadeira, né? Outra? Moços, obrigada por terem vindo! Falei agradecida.

E eles foram rindo para a viatura com a cobra na mão…

Pois é…

Sei que por muito tempo vou ficar com a sensação de ver outra dentro de casa.

Entrei e de repente alguma coisa roça em minha perna.

Dou um grito!

Era só uma mosca esvoaçando por ali…

“… MALDITA SERÁS MAIS QUE TODA BESTA E MAIS QUE TODOS OS ANIMAIS DO CAMPO; SOBRE O TEU VENTRE ANDARÁS E PÓ COMERÁS TODOS OS DIAS DA TUA VIDA. E POREI INIMIZADE ENTRE TI E A MULHER…” Gênesis, 3-14 e 15.

 

 

 

 

MINHA AVÓ MARIA

Ah, como me lembro dela!

Maria Luiza Pinheiro Novaes de Camargo, um nome extenso para aquela mulher baixinha, gordinha, olhos azuis penetrantes, cabelos curtos bem branquinhos e que chamávamos de tão somente, vó Maria.

Mineira de Jacutinga, nasceu em 1899.

Era enérgica e quando éramos pequenos, a lembrança que me vem dela era de muito brava conosco que passávamos as férias em sua casa.

Mas o momento que mais recordo com muito amor, é o que descrevo a seguir.

Cenário: uma sala de visitas com alguns sofás antigos e no canto, uma cadeira de balanço.

Era a sua cadeira.

Lá ela se sentava depois das tarefas diárias e se balançava.

Seus olhos azuis meio que se fechavam e eu sentia que ela começava a viajar por seu passado, lembrando fatos e coisas meio perdidas nas gavetas do pensamento.

Aí eu me sentava em um banquinho bem próximo a ela, já adivinhando o que viria a seguir.

– Menina, ela perguntava, porque você gosta tanto assim de poesia?

E eu respondia:

– Ah, vó, gosto tanto de ouvi-la declamando…quem sabe um dia eu também escreva e decore poesias como a senhora?

E ela continuava seu balanço como se ele a levasse lá para dentro dos seus guardados…

E começava com “A Doida”.

Era um poema longo que contava a triste história de uma mulher presa em uma torre, mas que sentia saudades de sua vida anterior e terminava com sua morte: “rola a doida pelo chão…”

Nunca encontrei nada sobre esse poema, mas me recordo do início:

“Lá nas brumas do poente

mal desponta o astro do dia,

quando um sabiá plangente

desprende suave melodia.

 

No galho em que pousava

ali bem perto ficava

as janelas gradeadas de sombria prisão

onde triste jazia então,

uma doida encerrada.”

Até aí consigo lembrar, mas o poema vai longe, muito longe…

E ela dizia todos os versos de cor enquanto  continuava seu balançar.

E eu ali, entre admirada e assustada, ouvindo com os ouvidos e o coração.

– Pronto! Terminei! Chega por hoje! Ela falava já mudando o tom de voz.

– Ah, vovó, só mais uma! Prometo! Eu pedia.

E ela recomeçava, balançando, cerrando seus olhos e em silêncio procurando em suas memórias.

Então vinha outra: “Beijos” que começava assim:

“Não queres que eu te beije?

E o beijo é a própria vida!

A invenção mais bela

e sublime do Senhor!”

E aquela menina decorou essa poesia inteira e ainda a diz, de vez em quando, enquanto lembra de sua avó.

Talvez por isso tenha tanta vontade de ter uma cadeira de balanço…

“COROA DOS VELHOS SÃO OS FILHOS DOS FILHOS; E A GLÓRIA DOS FILHOS SÃO SEUS PAIS.” Provérbios, 17- 6.

 

APAGÃO!

Eram 15:30 do dia 19 último, quando eu falava com minha filha e a internet começou a rodar, falhar e deu aquele aviso de “sem sinal”!

Pensei que era por causa da bateria do celular que estava quase acabando, tratei logo de conectar e nada de sinal.

Mudei de tomada até que vi que o problema era outro: falta de energia!

-Ah, tá! Já já volta! Falei para mim mesma.

Que nada,,,

Fui até a vizinha conversar e ela e toda a rua estavam sem luz.

-Mas deve voltar logo! Continuei otimista!

Fui para minha rede aproveitando que estava fresquinho e gostoso.

Aí começou a ansiedade:

-Quero ver meu whatsapp! Quero checar meus e-mails!

Nada ainda…

-Bom, pensei, tenho certeza que até às 18:20, hora da minha novela preferida, a luz vai voltar.

Voltei olhar para o céu, as nuvens se movimentando, o vai e vem dos passarinhos, o beija flor costumeiro, e os minutos passando e nada da luz voltar.

-Bom, já são 19:00 horas e estou com um pouquinho de fome.

Aproveito para deixar preparada duas velas e uma caixa de fósforos sobre a mesa, pego uma taça de vinho, queijos, amendoins e volto para a rede.

E por ali fico, bebericando, comendo, enquanto ouço as conversas dos vizinhos que chegam e não conseguem abrir os portões elétricos.

Lembrei de uma crônica que escrevi sobre falta de luz, em “Conversas no Escuro“, e eu ali, só tomando meu vinhote e descansando (porque trabalhei bastante nesse dia, fazendo as “Comidinhas da Vovó”).

A noite cai.

O céu está estrelado e a lua maravilhosa, apareceu.

As lagartixas começam a correr pelo muro.

A rua está escura, entro, fecho a porta, e acendo minhas velas.

-Não é possível, penso, não pode demorar tanto assim, alguma coisa grande aconteceu e o pior é que tenho um freezer cheio de comidinhas congeladas.

Me recosto na cadeira da mamãe, fecho os olhos, abro os olhos.

Fecho a janela porque fiquei com medo dos bichos voadores.

Abro a janela porque fiquei com calor.

Apago uma vela e deixo só uma para o caso de demorar muito para voltar a energia e eu ficar no escuro…só tenho essas.

Fecho os olhos novamente quando, de repente, a luz volta ofuscando meus olhos acostumados ao escuro.

Eram 20:45.

Foi uma tarde/noite diferente…até arrumei assunto para uma nova crônica!

“E DISSE DEUS: HAJA LUZ. E HOUVE LUZ”. GÊNESIS, 1- 3

 

 

 

 

 

 

 

CRIANÇAS BRINCANDO

Adoro ver crianças brincando sozinhas!

Fico ali perto com cara de paisagem, como quem não quer nada, às vezes fingindo ler, procurando demonstrar que não estou nem aí para o que estão fazendo.

Puro engano!

Estou super ligada, aprendendo com eles como entrar no mundo do faz de conta!

(O menorzinho, meu neto Daniel)

E é tanta magia: amigos imaginários, avião feito de uma caixa, foguetes que sobem através de uma pequena mão para cima, heróis que andam e conversam entre si, carros que passam por pontes invisíveis aos meus olhos de adulto, bonecas que conversam e tomam conta de seus filhinhos menores… tanta beleza junta!

E quando os mais velhos querem brincar de restaurante?

Aí eu entro na história!

Como somos em três, um fica como dono e os outros dois são os clientes.

E tem toda a encenação: primeiro eu, que estou com meu “filho”, toco a campainha (imaginária também) e ela atende:

-Boa tarde! Sejam bem vindos! (Ela é muito educada!) Mesa para quantas pessoas?

E eu respondo:

-Para duas! Obrigada (também sou educada!).

Aí ela mostra o cardápio (escrito por ela mesma com preço e tudo) e nós escolhemos.

Depois de anotar os pedidos, ela diz:

-Um momento que já vou trazer.

E nós esperamos ansiosos por nossa “comida” até que ela vem com uma bandeja com pratinhos, copos, xícaras e talheres (de brinquedinho) e nós experimentamos, fingimos comer e comentamos como tudo está gostoso.

Pedimos a conta e ela vem com uma caixinha e pergunta:

– Débito ou crédito?

Me seguro para não dar uma gargalhada!

-Coloque sua senha, por favor.

E eu segurando o riso, digito a senha na caixinha.

Nos despedimos e agora é a vez do outro ser o dono do restaurante.

Fazemos tudo de novo!

E querem repetir muitas vezes mais, parecem não enjoar!

(Formatura do Pré, meu neto Heitor)

À noite é hora de histórias e lá vou eu novamente.

Minha empolgação é tanta de “contadora de histórias” que isso me faz lembrar de outra passagem engraçada.

(Mudança de faixa no karatê, meu neto Cesinha)

Meu neto gostava muito da história dos Três Porquinhos e na hora em que eu contava da chegada do Lobo Mau, fazia uma voz grossa e cavernosa.

Na outra noite perguntei:

-Qual história você quer ouvir hoje?

E ele:

-Os Três Porquinhos, mas vovó não faz a voz do Lobo Mau, tá bom?

Quem não se encanta com isso?

Li, recentemente, um pensamento do meu amigo escritor Oswaldoir que diz:

“A criança rabiscou o céu num pedacinho de papel e agora brinca de ser anjo, como se já não o fosse”.

Lindo, não?

(Formatura da 4ª série, minha neta Isadora)

É muito amor envolvido!

E sim, eles acreditam em Coelho da Páscoa e Papai Noel!

E sim, quero crer que eles continuem a existir na imaginação tão pura e inocente das crianças.

E sim, ainda vou observar muito esses quatro anjos, meus netos amados, brincando, enquanto finjo ler um livro…

“…QUE DEUS É TÃO GRANDE COMO O NOSSO DEUS? TU ÉS O DEUS QUE FAZES MARAVILHAS…” Salmos, 77- 13 e 14

 

GUARDIÕES, VINGADORES E HEITOR

Tudo começou quando fomos assistir no cinema, o filme “Vingadores, Guerra do Infinito”.

Ele só falava nisso!

E eu pensando em cochilar durante a sessão (afinal não sabia nadica de nada desse assunto), ou comer muita pipoca!

Mas não foi isso que aconteceu… acabei gostando tanto do filme que me animei em conhecer os outros da série.

Então Heitor, meu neto de seis anos, tomou para si essa responsabilidade de ensinar tudo a sua avó!

(Esses são alguns dos bonecos que ele tem em seu quarto)

E tudo é tudo mesmo: as séries, os nomes de todos os personagens, quem luta com quem, os bons e os maus, o que são as joias do infinito etc, etc, etc.

Para falar a verdade, de todos eu só conhecia o Hulk e o Homem Aranha, assim mesmo de filmes prá lá de antigos.

E Heitor em sua sabedoria dizia:

– Vovó, você vai virar fã da Marvel!

E não é que fiquei?

Começamos a saga:

Guardiões da Galáxia 1 e 2; Os Vingadores 1 e 2; A Era de Ultron; Doutor Estranho; Pantera Negra…

E a cada filme assistido, podia conversar mais com ele, porque agora estava entendendo e sabendo de quem ele estava falando: Capitão América, Gavião Arqueiro, Homem Aranha, Thanus, Homem de Ferro, Loki, Visão, Thor, Dr.Estranho, Peter Quill (o Senhor das Estrelas), Hulk, Pantera Negra, Gamora, Groot, Drax, Rocky, Nebula, Youndu, e mais outros tantos que ainda não decorei.

Isso sem falar em sua empolgação quando no meio do filme aparece o diretor (Stan Lee) em uma aparição rápida, mais ou menos como fazia Hitchcock antigamente.

Outra pergunta dele:

-Vovó de qual deles você gosta mais?

E eu respondo:

-Do Thor!

Mas por dentro, acho sensacional o vilão Thanus, mas isso não vou contar a ele…

Não perguntei a sua preferência, mas tenho comigo que é a Gamora porque ele até chorou quando ela morreu no último filme.

Aí eu disse que com certeza no próximo, eles vão dar um jeito de fazê-la viver novamente.

Afinal eles são ou não são Super Heróis?

E esse acima, é o seu vídeo game que vem a ser um jogo de lego com ação e aventura.

Pode isso?

Agora, sendo sincera mais uma vez, eu diria que: assistir um filme dos Vingadores com meu neto vibrando a meu lado… não tem preço!

Imagens 3, 4, 5 e 6: google

“O SENHOR, COM SABEDORIA, FUNDOU A TERRA; PREPAROU OS CÉUS COM INTELIGÊNCIA. PELO SEU CONHECIMENTO, SE FUNDARAM OS ABISMOS, E AS NUVENS DESTILAM O ORVALHO.” Provérbios, 3- 19 e 20

CONVERSAS NO ESCURO

Ah, quanta falta faz a luz elétrica!

Mas… faz mesmo?

Nesse caso, tenho certeza que não fez, muito pelo contrário…

Vou provar o que penso, começando por contar o que me relatou minha filha Viviane que mora em Luanda, Angola.

No dia 14 último, dia de Valentine’s day, meu genro André chegou em casa para o jantar com um espumante enquanto Viviane começava a fazer um risoto de camarão em sua Bimby, que nada mais é que uma máquina, tipo um robô, que faz tudo sozinha.

Ela coloca tudo dentro e em um tempo determinado ela prepara e desliga automaticamente.

Bem, mas vamos ao que interessa.

Tudo arrumado, mesa posta, Bimby funcionando, crianças em volta da mesa e o espumante é aberto.

No “Viva” a luz apaga!

Velas são acesas enquanto as crianças perguntam:

-O que vamos fazer agora sem TV?

-Vamos conversar! Responde o pai. E continuou: sabia que quando sua avó era pequena não existia TV e só quando ela era moça foi que eles tiveram uma em casa? E era em preto e branco! E não tinha programação durante todo o tempo não, era somente algumas horas à noite.

 

Cara de horror dos dois!

-Então o que eles faziam? Perguntam.

-Eles conversavam!

E foi o que fizeram naquela noite, sentados em volta da mesa, com a luz bruxuleante das velas, esperando a luz voltar.

Lembraram da infância dos avós e bisavós deles, contaram que jogavam dominó, contavam histórias e causos, sentavam em cadeiras nas calçadas enquanto jogavam conversa fora com os vizinhos.

E as crianças brincavam de amarelinha e esconde esconde, olhavam para o céu cheio de estrelas e viam as constelações.

-Não aponte o dedo para as estrelas que nasce uma verruga na ponta deles!

E Isadora e Heitor ouviam entre curiosos e espantados as coisas que aconteciam antigamente.

Nisso Viviane vai até a cozinha, munida de uma vela, tirar o risoto que estava quase pronto, mas que nada…como estava sem energia a máquina parou faltando um minuto e meio para terminar e simplesmente a tampa não abria.

André foi chamado para ver se conseguia abrir a tampa teimosa, mas qual nada: não conseguiu.

Não tinham o que comer!!!

De repente, depois de uma hora e meia de conversa, eis que volta a luz, clareando tudo, ferindo os olhos dos quatro enquanto a máquina dava sinal de vida e as crianças corriam ligar a TV.

Tempos modernos…

Imagens: 1) assimquesefaz.com; 2) wall street journal; 3) freebeacon.com; 4) velhostemposontwitter

“DIANTE DAS CÃS TE LEVANTARÁS, E HONRARÁS A FACE DO VELHO, E TERÁS TEMOR DO TEU DEUS. EU SOU O SENHOR.” Levítico, 19- 32

 

 

 

 

 

 

ENQUANTO ELE NÃO CHEGA…

Uma sala com vários móveis e todos com muitas gavetas.

Cada gaveta possui uma etiqueta onde se lê: poesias, textos, crônicas, haicais, histórias infantis, releituras, histórias infanto juvenis.

E, nessas gavetas, estão folhas e mais folhas escritas no decorrer dos anos, à mão ou impressas.

Elas estão como em “chocadeiras”, dentro do meu cérebro, esperando o dia de nascer.

E eu olho para cada uma e abro a gaveta de “histórias infanto juvenil”.

Talvez porque tenha sido convidada com mais 10 escritores da AME (Associação Mourãoense de Escritores) para irmos conversar com estudantes da 7ª e 8ª séries de um colégio onde notei a falta de livros para essa faixa etária, ou, bem…porque gosto muito dessas histórias!

Foi difícil selecionar quatro delas, mas depois de tirá-las da gaveta, a gestação teve início de uma forma rápida e divertida.

Primeiro, a escolha do hospital (no caso a Editora) e depois as conversas com o médico ( o editor responsável pelo meu projeto).

Aí então, comecei o enxoval!

Dois profissionais lindos cuidaram do berço (a capa do livro), outra competente e não menos linda, cuidou para que tudo saísse perfeito (a revisão).

Aí mando tudo para o hospital: foto minha (claro, sou a mãe), contrato assinado (quero todos os direitos garantidos a esse filho), a capa e texto revisado.

E chega o dia de ver o ultrassom, que é o esboço daquele que virá à luz!

Quase choro de emoção!

Isso apesar de ter outros filhos que saíram bater asas pelo mundo afora…

Se vai ter festa quando nascer?

Claro que sim!!!

Chamarei filhos, netos, amigos, imprensa, fotógrafos e todos que quiserem conhecê-lo!

E ele já está quase chegando…

Me perguntam qual será o nome dele e eu respondo orgulhosa: “O Nasquimi Dourado e outras Histórias”!

Queixo caído, ar de quem não entendeu e vem outra pergunta:

-Mas, o que quer dizer Nasquimi?

E eu respondo enigmática:

-Vai ter que esperar para conhecer o bebê, ler a história e saber o que é… ou não!

Observação: não coloquei os nomes envolvidos para em outra ocasião dar o devido crédito!

Imagens: 1) napratica.org.br; 2) pt.pngtree.com; 3) manauarashopping.com.br; 4) leiturinha.com.br

“PORQUE DEVERAS HÁ UM FIM BOM; NÃO SERÁ MALOGRADA A TUA ESPERANÇA.” Provérbios, 23- 18

 

FILOSOFANDO…

Fiquei horas com a caneta nas mãos, sobre a folha em branco.

Faz tempo que não escrevo…

Que coisa escrever?

Sobre o tempo, sobre flores, passarinhos, livros, canções?

Acho que já esgotei esses temas…

Então sobre amizade, família, netos, amor, velhice, o que acha?

Viagens talvez?

Política? Nem pensar!!!

Quero esvaziar minha mente e ficar saboreando momentos como esse em que procuro um tema e não encontro nenhum.

Hoje o dia começou mais tarde; é assim mesmo o horário de verão.

Ouço muitas pessoas que dizem gostar ou não dessa mudança que, para mim, não altera nada: nem minha saúde e nem meus hábitos.

Mas o dia está azul e os passarinhos parecem estar meio perdidos nessa mudança que o homem impõe…

Ontem a essa hora as luzes da rua já estavam acesas e hoje o sol ainda brilha forte.

Gostaria que chovesse…

Minhas plantas estão ressequidas e o pó permeia pelas frestas das portas e janelas.

Gosto da chuva como gosto do sol.

Tudo é necessário e perfeito!

Em momentos assim meu pensamento cria asas e voa para outros continentes em busca de minhas filhas e netos.

A saudade dói!

E, quando dou por mim, a folha já está repleta de palavras e sentimentos e nem sei bem o que escrevi…

Vou lendo desde o começo e vejo que reprisei todos os assuntos que achava ter esgotado…

E noto com prazer que acabei escrevendo sobre coisas da vida, a minha vida e isso acaba sendo um assunto inesgotável!

Imagens: 1) duvidas.dicio.com.br; 2) goconqr.com; 3) mixdereferencias.blogspot.com

” QUANDO VEJO OS TEUS CÉUS, OBRA DOS TEUS DEDOS, A LUA E AS ESTRELAS QUE PREPARASTE; QUE É O HOMEM PARA QUE TE LEMBRES DELE? E O FILHO DO HOMEM, PARA QUE O VISITES?” Salmos, 8- 3 e 4

ACREDITE, SE QUISER!

E a menina, querendo virar mulher, lá no tempo do êpa, sonha acordada com seu príncipe encantado.

Não tem TV, nem celular, muito menos internet, mas tem o rádio e é nele que ouve a voz de seu ídolo.

Pega as revistas que passam por suas mãos a procura do seu amado Elvis.

14-elvis-w529-h529

Recorta e cola (com aquele grude feito com farinha de trigo e água) no caderno de cartografia guardado a sete chaves.

E cuida como se realmente fosse o maior dos tesouros e pensa, quem sabe, um dia vê-lo de perto.

Por que não?

São sonhos, mas quem em plena adolescência não sonha?

Na verdade ela tem alguns pretendentes, todos estudando no ginásio estadual e quando termina sua aula, vai pelo caminho andando devagar esperando que “aquele” especial venha a seu lado empurrando a bicicleta.

Aí chega em casa encalorada, rosto vermelho e corre escrever em seu diário a conversa que teve.

E guarda tudo com cuidado, ao lado das fotos do Elvis.

À noite, senta na calçada e começa a procurar no céu limpo a estrela desejada e quando encontra recita os versos decorados:

“primeira estrela que eu vejo

qualquer coisa desejo.

Se……….estiver pensando em mim

cachorro late, gato mia, homem assobia.”

estrela

Aí é só esperar.

Em sua casa tem gatos e cachorro, mas nada de ouvir som nenhum.

De repente para sua alegria ouve um miado e logo depois os latidos do cão.

_Só falta o assobio de um homem. Ela fala consigo mesma.

E começa a ficar aflita.

Corre até seu pai e pede com jeitinho que ele assobie uma música para ela.

Então está feito!

Ela acredita!

Ele está pensando nela!

Coisas de antigamente…

Imagem 1)www.vulture.com; 2) g1.globo.com

” ALEGRA-TE, JOVEM, NA TUA MOCIDADE, E ALEGRE-SE O TEU CORAÇÃO NOS DIAS DA TUA MOCIDADE, E ANDA PELOS CAMINHOS DO TEU CORAÇÃO E PELA VISTA DOS TEUS OLHOS; SABE, PORÉM, QUE POR TODAS ESSAS COISAS TE TRARÁ DEUS A JUÍZO.” Eclesiastes 11- 9