CIDADES ONDE MOREI: 10- IPORÃ

Pois é… além do sorvete Kibon (ver o final do texto Formosa d’Oeste) a cidade nos ofereceu muitos amigos.

Éramos todos muito jovens e morando longe de nossas famílias e isso fazia com que nos aproximássemos mais.

Lá ficamos seis anos.

rua em iporã

Iporã vem do tupi que significa “rio bonito”= y (rio) e porang (bonito).

Sua população em 2013 é de 15.078 habitantes.

mapa

O asfalto chegava até lá e com a proximidade da cidade de Guaíra, pude conhecer as famosas Sete Quedas que desapareceu com a construção da usina hidrelétrica da Itaipu.

SETE_QUEDAS_4_A

E se eu em Formosa tive uma primeira notícia maravilhosa (a gravidez da minha primeira filha), em Iporã foram duas!

Anos 70, começo da TV em preto e branco e poucas atrações para as crianças; então elas brincavam no quintal, tomavam banho em bacias improvisadas no terraço porque o calor era muito!

As festas de aniversário começavam a ser preparadas bem antes porque não existiam casas de festa como hoje e eu guardava copinhos de iogurte para transformá-los em enfeites para a mesa…

Chamava as crianças vizinhas e ensaiava com elas peças de teatro e músicas, transformava a sala em auditório e amarrava cortinas para a apresentação.

E tudo era uma festa!!!

Assim quando saímos dali rumo a Campo Mourão, uma cidade bem maior, nossa família já se compunha de cinco pessoas! 

canteiros em iporã

Imagens: 1) wikimapia.org; 2) pt.wikipedia.org; 3) http://www.amerios.com.br

“E REPOUSARÁ SOBRE ELE O ESPÍRITO DO SENHOR, E O ESPÍRITO DE SABEDORIA E DE INTELIGÊNCIA, E O ESPÍRITO DE CONSELHO E DE FORTALEZA , E O ESPÍRITO DE CONHECIMENTO E DE TEMOR DO SENHOR.” Isaías, 11- 2

 

DIA DAS MÃES

Se eu tivesse que definir minha mãe em uma palavra apenas, essa seria ALEGRIA!

minha mãe jovem

E, por isso, não vou escrever sobre o dia das mães de uma maneira triste, onde choramos em cada linha.

E nos meus guardados, encontrei esse texto de Hilda Lucas que define as mães de uma maneira sincera, generosa e autêntica.

Mãe faz cada coisa…

“Mãe é aquele ser estranho, louco, capaz de heroísmos, dramas e breguices com a mesma fúria; paga mico, escreve carta para Papai Noel, se faz passar por Fadinha do Dente, Coelho da Páscoa, Cuca, pede autógrafos para artistas deploráveis, assiste a programas, peças, shows horríveis, revê milhares de vezes os mesmos desenhos animados, conta as mesmas histórias centenas de vezes, vai prá Disney e ADORA! 

Mãe faz escândalo, tira satisfação com professor, berra em público,dá vexame, deixa a gente sem graça, compra briga; é espaçosa, barulhenta, tendenciosa, leoa, tiete, dona da gente. 

Mãe desperta extremos, ganas, irrita, enlouquece, mas… é mãe!

Mãe faz promessa, prestação, hora extra, prá que a gente tenha o que é preciso e o que sonha. Mãe surta, passa dos limites, às vezes até bate, diz coisas duras; mãe pede desculpas, mortificada… Mãe é um bicho doido, louco pela cria. Mãe é visceral!

desenho-de-maes-9

Mãe chora em apresentação de balé, em competição de natação, quando a filha menstrua pela primeira vez, quando dá o primeiro beijo, quando vê a filha apaixonada no casamento, no parto… Xinga todo e cada desgraçado que faz a filha sofrer, enlouquece esperando ela ou ele chegar da balada… Mãe é uma espécie esquisita que se alterna entre fada e bruxa com uma naturalidade espantosa. É competente no item culpa e insuperável no item ternura, mas pode ser virulenta, tem um lado B às vezes C,  D, E… Mãe é melosa, excessiva, obsessiva, repulsiva, comovente, histérica, mas não se é feliz sem uma. Mãe é contrato: irrevogável, vitalício, intransferível!

Mãe lê pensamento, tem premonição, sonhos estranhos. Conhece cara de choro, de gripe, de medo; entra sem bater, liga de madrugada, pede favor chato, palpita e implica com amigos, namorados,escolhas. Mãe dá a roupa de corpo, tempo, dinheiro, conselho, cuidado, proteção. Mãe dá um jeito, dá nó, dá bronca, dá força. Mãe cura cólica, porre, tristeza, pânico noturno, medos. Espanta monstros, pesadelos, bactérias, mosquitos, perigos. Mãe tem intuição e é messiânica: mãe salva. Mãe guarda tesouros, conta histórias e tece lembranças. Mãe é arquivo!

mãe f mamad

Mãe exagera, exaure, extrapola. Mãe transborda, inunda, transcende. Ama, desmama, desarma, denota, manda, desmanda, desanda, demanda. Rumina o passado, remói dores, dá o troco, adora uma cobrança e um perdão lacrimoso.

Mãe abriga, afaga, alisa, lambe, conhece as batidas do nosso coração, o toque dos nossos dedos, as cores do nosso olhar e ouve música quando a gente ri.  Mãe tem coração de mãe!

Mãe é pedra no caminho, é rumo, é pedra no sapato, é rocha, é drama mexicano, tragédia grega e comédia italiana; é o maior dos clássicos, é colo, cadeira de balanço e divã de terapeuta. Mãe é madona-mia! É Deus me acuda! É mãezinha do céu, é a que padece no paraíso enquanto nos inferniza… Mãe é absurda e inexoravelmente para sempre e é uma só: não há mistério maior! Só cabe uma mãe na vida de um filho… e olhe lá! Às vezes, nem cabe inteira.

Mãe é imensurável! Mãe é a saudade instalada desde o instante em que descobrimos a morte. Mãe é eterna, não morre jamais. Bicho estranho, entranha, milagre, façanha, matriz, alma, carne viva, laço de sangue, flor da pele.

Mãe é mãe e faz cada coisa…”

eu e minha mãe

Minha última foto tirada com minha mãe em 2001… minha homenagem a ela que era tudo isso e muito, muito mais!!!

Imagens: 1) http://www.novidadediaria.com.br; 2) enrebdomdaniel.blogspot.com

SEXTA FEIRA, 20:00 HORAS

A primeira saiu esfuziante do salão de beleza.

Resplandecia como uma capa de revista!

Os cabelos lisos e brilhantes, graças a uma chapinha bem feita, as mãos com unhas vermelhas combinando com as dos pés, calçados em rasteirinhas de pérolas. 

Seu dia tinha sido calmo como sempre: acordou às nove, tomou seu iogurte com linhaça e foi malhar. Tudo muito saudável!

Depois de um banho e creme pelo corpo todo, retirou do freezer a comida congelada, tomou seu suco de uva, descansou, viu as notícias pela TV e foi ao shopping.

A segunda chegou em casa suando depois de um dia exaustivo de trabalho.

Saiu às seis e meia da manhã, pegou ônibus e chegou no trabalho em tempo de passar o cartão. O telefone não deu descanso!

Às vezes olhava suas unhas mal feitas e pensava se teria tempo para lixar e passar uma base.

O almoço no refeitório da empresa não estava nos bons dias e assim, voltou correndo para sua sala na recepção.

A tarde foi pior: muita gente inquieta, telefone tocando sem parar e seu rosto como uma máscara de alegria fingida, desejava a todos “boas vindas”!

4 amigashttp://www.flogao.com.br

A terceira estava cansada de dar dó!

Já era final de tarde e aquela “coisinha linda”, codinome sua neta, não dera descanso!

Era suquinho, frutinha, papinha, aguinha e mais quantos inhas havia!

Tinha esquecido de como uma criança de quase um ano dava trabalho…

Quando pensou que ela dormia como um anjo, correu no chuveiro e, de cócoras, tentou lavar seus cabelos mas teve que sair com eles pingando condicionador porque seu bebê já estava de pé no berço reclamando companhia.

Mas era tão gratificante!

Não cansava de olhar aquela criança tão perfeita e linda, filha da sua filha que sorria feliz ao ouvir a música do cocoricó!

Terminou de trocar a fralda molhada e ouviu o barulho da chave na porta.

A mãe chegou!

A quarta voltou do motel com um sorriso nos lábios.

Estava feliz apesar de saber que aqueles encontros só podiam acontecer nas sextas feiras à tarde. 

Ela se preparava desde cedo para isso.

Enquanto colocava roupa na máquina de lavar, já passava o vestido de alcinhas para vestir e, no banho demorado, o ritual se completava: depilava pernas, axilas e virilha, lavava os cabelos, secava, esfregava cuidadosamente o óleo perfumado no corpo.

Depois de uma refeição ligeira seguia em seu carro ao local previamente combinado.

Fazia tempos que esses encontros aconteciam e ela, muitas vezes, gostaria de poder acabar com eles por saber que não tinham futuro algum.

Mas eram tão bons! Ela se sentia viva novamente!

Não sabia como outras mulheres conseguiam ficar tanto tempo sozinha, sem “um homem prá chamar de seu”.

O relógio marcava 20:00 horas e as quatro chegaram juntas, na frente do bar tão conhecido.

Eram amigas há tanto tempo… se encontravam nos aniversários, casamentos de filhos, batizado de netos, restaurantes, velórios… assistiam filmes e futebol juntas, choravam, riam e torciam… aos domingos juntavam suas panelas para um almoço recheado de conversas e confissões… viajavam e, cada duas em apartamento de hotel, se juntavam para planejar o que fazer.

A porta se abriu e a música se fez ouvir.

Cabeças se voltaram para olhar e cada uma delas entrou triunfante, carregando sua história e expectativa.

O dia terminara.

A noite começava.

Tornaram-se iguais.

Era bom estar ali…

amigaswhitefluffybunny.blogspot.com