E A PRIMAVERA CHEGOU!

Não, eu não errei não!

É que enquanto aqui no Brasil entramos no Outono, em Portugal onde minha filha Fabiane mora, é Primavera!

E é de lá que ela nos manda esse texto com as fotos lindas que tirou.

(Essa é a varanda do seu apartamento em Lisboa, já festejando com flores a nova estação)

Primeiro dia de primavera no hemisfério norte, confinamento começou a dar uma aliviada – a conta gotas, é bem verdade, mas qualquer passo é um avanço!

Saio pelas ruas de Lisboa, meio sem destino.

Quero ver as flores, sentir o ar da nova estação e acreditar que os bons ventos estão chegando.

(Alfama)

Sinto alegria por ter passado mais de um ano de pandemia sem ficar doente e tendo minha família com saúde.

Ao mesmo tempo sinto uma tristeza por todos os que se foram.

Pelas ruas vazias e lojas fechadas, pelo silêncio, pela dor. 

(Panteão Nacional)

Também sofri perdas por causa do vírus.

Perdi pessoas, perdi de estar com meus amigos, perdi de ver minha família…

Mas, nesse misto de sentimentos, o que prevalece é a gratidão.

Sou muito grata a Deus por me dar forças diariamente, por cuidar dos meus, por encher meu coração de esperança de que dias melhores virão.

(Amendoeira)

(Miradouro de Santa Luzia)

Enquanto isso, aproveito para apreciar a cidade, ver a natureza colorindo as ruas, as flores brotando e a certeza de que Ele está no comando.

Por isso, posso descansar em paz.

(Por do sol no Cais do Sodré)

Bem, aí está o texto entre tantos que ela já escreveu para o blog, desde sua temporada na África do Sul até agora em Portugal.

E sobre esse mesmo assunto você pode ler em “O que podemos aprender com essa pandemia texto de março de 2020.

“APARECEM AS FLORES NA TERRA, O TEMPO DE CANTAR CHEGA, E A VOZ DA ROLA OUVE-SE EM NOSSA TERRA.” Cantares, 2- 12

f

ANDANÇAS

Engraçado como as coisas boas acontecem até sem planejamento…

E isso aconteceu num domingo de setembro.

Acordei num dia lindo de sol e calor, com todo aquele dia pela frente e sem saber o que fazer.

Não demorou muito e o whatsapp apitou.

Minhas duas amigas, Ester e Giselta estavam perguntando o que eu achava de irmos até a Fazendinha passar o dia.

-Que ótimo! Um programa para hoje! Vamos sim! Falei alegre.

A Pousada Fazendinha pertence a um casal amigo, a Iracema e o Denir, que transformaram esse local em um encanto de lugar!

E, depois de nos encontrarmos na Praça, onde todos os domingos acontece a Feira Criativa da cidade, seguimos para lá.

E ali estavam eles: ela percorrendo tudo para se certificar que tudo corria bem e ele em uma mesa à beira da piscina, saboreando um vinho branco.

Pois foi ali que ficamos, entre conversas e lembranças, saindo de vez em quando para tirar algumas fotos do lugar.

E chegou a hora do almoço!

Que comida gostosa!

Eu, como boa mineira, me servi de carne de porco pururuca e da abóbora assada com açúcar mascavo.

Depois, sobremesa!

E se engana quem pensou que aí fomos deitar na rede para um repouso tranquilo.

Que nada… minhas duas amigas que estão acostumadas a fazer trilhas, me chamaram para andar numa delas que cortava a pousada.

E lá fui eu: com meu vestido africano, bolsinha nas mãos e mule!

Isso mesmo! Completamente despreparada para o feito!

Mas fui!

E elas riram muito de mim e eu aproveitava para deixar tudo mais engraçado do que já estava.

Até um lagarto enorme elas viram, mas eu não vi!

Estava agarrada aos arbustos pelo caminho até chegar a ponte pênsil, que foram duas, enquanto elas me zoavam muito.

Quando chegamos ao final da trilha, parei, levantei os braços e gritei:

-consegui!!!

E saiu essa foto!

Querem me convidar para uma próxima trilha (verdadeira) que farão no final do mês.

Não sei não…

Acho que fiquei satisfeita com essa!

“CERTAMENTE QUE A BONDADE E A MISERICÓRDIA ME SEGUIRÃO TODOS OS DIAS DA MINHA VIDA; E HABITAREI NA CASA DO SENHOR POR LONGOS DIAS.” Salmos 23- 6

 

 

 

VISÃO DE UMA CRIANÇA DE QUATRO ANOS, SOBRE A CIDADE ONDE MORA.

Escrevi esse texto em setembro de 2013, como se quem contasse fosse a própria Isadora, minha neta de 4 anos (na época).

“Sei que nasci em uma capital chamada Curitiba, que quer dizer “muitos pinheiros”e é considerada uma cidade de primeiro mundo.

Não sei bem o que isso quer dizer, mas sei que é muito bela, limpa e arborizada.

Ouvi na TV que seus moradores separam o lixo e desde muito pequena aprendi que não se joga papel nas ruas.

Meu pai é engenheiro civil e minha mãe é arquiteta e resolveram se mudar para Luanda, capital de Angola, na África.

Lá vim eu, ainda bebê para cá.

Sempre pensei em leões, elefantes, girafas, zebras, mas nunca encontrei nenhum a não ser no parque, porém isso também tem no Zoológico da minha cidade. Só não tem a Palanca Negra que é um antílope e considerado animal símbolo aqui em Angola.

Não tive nenhum problema com as pessoas: para mim são tão amigos quanto os amigos de lá. Falam mais rápido (papai disse que é o português falado em Portugal) e peguei logo o jeito deles.

As mulheres é que se vestem diferentes: são blusas e saias largas e coloridas, até os pés e um turbante na cabeça. Carregam seus bebês em uma espécie de bolsa em suas costas e ainda levam bacias enormes com roupas ou frutas em suas cabeças. Parecem equilibristas!

O dinheiro deles chama-se kwanza e vale bem menos que o nosso real.

Mamãe contou que Kwanza é o nome do rio que banha a cidade.

Aprendi com eles que aqui houve uma guerra que durou quase 30 anos e a cidade foi quase toda destruída. Então existem os prédios que sobraram desse tempo e os novos que papai ajuda a construir. Com isso a cidade vai ficando mais bonita e seu povo tem muito orgulho disso.

Precisam aprender ainda sobre os lixos. É muito triste ver as ruas amontoadas deles e isso traz doença para as crianças.

Mas são todos muito alegres!

Quando falamos “bom dia”, eles respondem “obrigado”, diferente do nosso jeito brasileiro de cumprimentar. Muito legal!

Em agosto, vovó veio nos visitar e fomos passear com ela pelas redondezas.

Como aqui o clima é sempre tropical, com muito sol, nos dirigimos à praia. No caminho, papai parou o carro ao lado de uma placa que dizia: “Miradouro da Lua”. Vovó só repetia: fantástico, fantástico! Aí mamãe explicou que aquele lugar é onde dizem que se encaixava o Brasil há milhões de anos atrás.

Não sei não…

Mas o nome é porque o solo se assemelha ao solo lunar. São fendas incríveis feitas nas pedras arenosas e de cima onde estávamos, pareciam crateras enormes. Só que não tinha ninguém tomando conta e o resultado era montes de lixo ao lado da única placa na frente do local. Acho que deveria ter uma casinha com muitos cartazes e folders explicando tudo para as pessoas e que pudessem ser levados para casa, mas… nada!

Que pena!

Vovó tem o livro “O Pequeno Príncipe” e já me contou a história do baobá que é uma árvore enorme. Pois é…esse baobá da história é a mesma árvore que existe aqui.

São muitas e em toda parte. Elas têm o tronco muito largo e, como estávamos no inverno, quase sem folhas em seus galhos.

Nesse dia quando saímos para passear vovó não se cansava de tirar fotos e mais fotos.

Fomos visitar também a feira de artesanato que é enorme e se chama Mercado do Benfica. Papai ficou só olhando enquanto as mulheres nem decidiam o quê comprar entre quadros e esculturas, tudo tão lindo!

Agora o que mais gostamos mesmo foi o safári que fizemos no Parque Nacional do Quiçama!

Fiquei meio cansada até chegar lá e, para falar a verdade, dei umas cochiladas. Acordei mesmo quando entramos na estrada de terra, muito estreita e os macacos começaram a aparecer.

Dali fomos para um pequeno caminhão alto, aberto dos lados com motorista e guarda do parque para “procurarmos” os animais. Cada vez que víamos, eram gritos de alegria e eram zebras em bando, girafas tranqüilas e maravilhosas, gnus e veados. Só não vimos os elefantes que procuramos na beira do rio, mas não estavam mais lá.

Que pena!

No condomínio onde moramos acontece uma coisa bem diferente: quando é mais ou menos seis horas da tarde, nos recolhemos dentro de casa e mamãe fecha portas e janelas. Isso porque vai passar o “fumacê”, um homem com uma máquina nos ombros e soltando uma névoa de veneno para matar pernilongos.

Pelo menos ficamos a salvo deles!

Aqui não temos aquela infinidade de shoppings que temos em Curitiba. Temos apenas um e bem novo que se chama Belas Shopping e fico orgulhosa quando vou até lá e vejo o restaurante japonês feito pela minha mãe.

É bem bonito!

Minha escola é muito parecida com as escolas do Brasil mas já estou querendo logo as férias para voltar. Tenho saudades de muitas comidas que não se encontram os ingredientes para fazer além de ser muito caro porque vem de fora do país.

Quanta coisa tenho para contar para meus primos e amigos dessa minha vida aqui!

E, como todos dizem, são experiências e conhecimentos que levarei para sempre!

Nada como ser um pouquinho angolana!”

Imagens: 1) curitiba-parana.net; 3) africa21online; 4) voaportugues.com; 7) escolabritannica.com.br

“NUNCA MAIS SE PORÁ O TEU SOL, NEM A TUA LUA MINGUARÁ, PORQUE O SENHOR SERÁ A TUA LUZ PERPÉTUA, E OS DIAS DO TEU LUTO FINDARÃO.” Isaías, 60- 20

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A PESCARIA

 

Ah, um dia lindo de sol nessas manhãs outonais em que a natureza parece explodir em cores!

E lá vamos nós, filho, nora e dois netos para um Pesque Pague perto da nossa cidade.

Um lugar perfeito: tudo muito limpo, as casinhas cobertas, cada uma com duas cadeiras onde nos sentamos confortavelmente.

Eu animadíssima tirando fotos de tudo que via.

Pegamos três varas, sendo uma para mim, outra para meu filho e a terceira para meu neto que tem quase cinco anos.

Vara pronta, isca no anzol, a linha sendo lançada e olho na boia colorida.

-Mãe, fica atenta para quando a boia afundar pois é a hora em que o peixe está mordendo a isca. Aí é só fisgar e puxar. Explicou o meu filho.

-Ok, ok! Já entendi. Falei como se soubesse tudo a respeito.

Nossa, a minha pose era de uma profissional: calça jeans, camisão, boné e aquele ar de quem sabe que vai tirar o maior peixe da água.

Todos sentados, quietos e os peixes começam a pular, aqui, ali, prá fora, uma festa peixal!

-Peguei um! Fala o meu filho.

E vai puxando uma tilápia grande.

Coloca no balde onde ela começa a se debater até parar.

-Papai, fisguei um! É meu neto gritando e meu filho corre para ajudar a puxar uma enorme irmã daquela outra.

Começo a ficar preocupada!

Um senhor que trabalha ali mesmo, chega perto e joga uma porção de comidinhas e a água parece ficar viva com tantos peixes sassaricando por ali!

-Agora pego um! Falei.

Que nada… eles nem ligavam para minha isca e iam direto para a do meu filho que ia tirando e tirando e eu ficando sem graça e sem graça…

Disfarçadamente eu me chegava perto de onde eles estavam, mas continuava sendo ignorada.

Meu neto ainda pegou mais dois.

Meu filho pegou um que pesou 2 quilos, num total de 10 quilos de peixes.

E eu ali, dando banho na minhoca, que nem minhoca era…

De repente cansei de brincar daquilo.

Fui ver os homens limpar os peixes, tirei fotos dos quatis e acabei no restaurante comendo tilápias fritinhas e tomando uma cervejinha gelada.

Mas antes de ir embora, fiz pose com o peixe que meu filho tinha acabado de pescar…

É,“o mar não está prá peixe”, já disse alguém, mas serviu para eu chegar em casa e fazer o que sei: escrever sobre esse dia de pescaria!

“E DISSE-LHES: VINDE APÓS MIM, E EU VOS FAREI PESCADORES DE HOMENS.” Mateus, 4-19

 

 

 

 

 

 

 

FILOSOFANDO…

Fiquei horas com a caneta nas mãos, sobre a folha em branco.

Faz tempo que não escrevo…

Que coisa escrever?

Sobre o tempo, sobre flores, passarinhos, livros, canções?

Acho que já esgotei esses temas…

Então sobre amizade, família, netos, amor, velhice, o que acha?

Viagens talvez?

Política? Nem pensar!!!

Quero esvaziar minha mente e ficar saboreando momentos como esse em que procuro um tema e não encontro nenhum.

Hoje o dia começou mais tarde; é assim mesmo o horário de verão.

Ouço muitas pessoas que dizem gostar ou não dessa mudança que, para mim, não altera nada: nem minha saúde e nem meus hábitos.

Mas o dia está azul e os passarinhos parecem estar meio perdidos nessa mudança que o homem impõe…

Ontem a essa hora as luzes da rua já estavam acesas e hoje o sol ainda brilha forte.

Gostaria que chovesse…

Minhas plantas estão ressequidas e o pó permeia pelas frestas das portas e janelas.

Gosto da chuva como gosto do sol.

Tudo é necessário e perfeito!

Em momentos assim meu pensamento cria asas e voa para outros continentes em busca de minhas filhas e netos.

A saudade dói!

E, quando dou por mim, a folha já está repleta de palavras e sentimentos e nem sei bem o que escrevi…

Vou lendo desde o começo e vejo que reprisei todos os assuntos que achava ter esgotado…

E noto com prazer que acabei escrevendo sobre coisas da vida, a minha vida e isso acaba sendo um assunto inesgotável!

Imagens: 1) duvidas.dicio.com.br; 2) goconqr.com; 3) mixdereferencias.blogspot.com

” QUANDO VEJO OS TEUS CÉUS, OBRA DOS TEUS DEDOS, A LUA E AS ESTRELAS QUE PREPARASTE; QUE É O HOMEM PARA QUE TE LEMBRES DELE? E O FILHO DO HOMEM, PARA QUE O VISITES?” Salmos, 8- 3 e 4