INDEPENDÊNCIA OU MORTE!

(Quadro de Pedro Américo- Wikipédia)

Sempre gostei muito dessa poesia do meu pai, mas achava muito longa para colocar aqui.

Isso porque sou muito rápida no modo de me expressar e escrever, mas isso não quer dizer que não dou valor àqueles que com talento sabem colocar em versos toda uma história.

E é assim que coloco essa poesia que retirei do livro do meu pai, Rossine Sales Fernandes, “ANTES QUE ESCUREÇA O SOL”, lançado em 1983.

“INDEPENDÊNCIA OU MORTE!”

“Independência ou Morte”-ousado grito,

supremo anelo de um valente povo,

clangor vibrante, de sonido novo,

marcial clarim de retumbantes sons…

—————

Ipiranga, altaneiro monumento,

símbolo augusto de eternais anseios,

mármore belo de impecáveis veios,

altar da Pátria, templo altivo e nobre.

—————

Obra de estetas, de imortais titãs,

és bem a súmula de heroicos feitos:

teu esplendor me lembra os largos peitos

de lendários soldados do passado…

—————

Salve! Setembro, dia sete histórico.

O jugo sacudimos, virilmente,

de Portugal, da lusitana gente,

em feitos de epopeia mui famosa.

—————

Oh! LIBERDADE- vocação divina,

nobre apanágio deste humano ser,

seu título de glória e seu prazer

-és do progresso a propulsora mor.

—————

Salve! Salve! Dom Pedro valoroso,

alto príncipe luso-brasileiro:

se alguma vez falhaste em ser ordeiro,

uma glória tiveste- foste intrépido.

—————

Salve! Santista Andrada, conselheiro,

a ti deve o País feitos ingentes.

E salve! Tu também, ó Tiradentes,

intimorato sonhador e mártir.

—————

Salve! Predecessores de Dom Pedro:

em bom solo a semente foi lançada

e, brotando, cresceu multiplicada

em farta messe de preciosos frutos.

—————

Oh! Filipe dos Santos, pioneiro,

cujo sangue regou nosso Brasil…

Salve! Tomás Gonzaga varonil.

Salve! Cláudio da Costa, José Maia,

—————

Álvares Maciel, Freire de Andrade,

Alvarenga Peixoto, Vila Rica…

Vossa lembrança em nossa mente fica…

“Liberdade, inda mesmo que tardia”.

—————

Pena é que sangue se verteu na luta…

Mais belo fora o grandioso feito,

se na justa conquista de um direito

não fossem trucidadas tantas vidas…

—————

Berço de heróis, terra fecunda e boa,

do Cruzeiro do Sul a detentora,

da liberdade justa a defensora

-és desta gente audaz a “mãe gentil”.

—————

Pátria minha querida, meu Brasil,

hoje com muitos poderás contar.

As tradições que tens hemos de honrar,

sem transigir no são temor de Deus.

—————

Conserva-te assim, firme no ideal.

Faze jus ao teu nome e grande fama.

Não deixes apagar a tua chama,

mas primeiro corrige os teus desmandos…

—————

Que vale um solo assim tão grande e rico,

se milhões de teus filhos não se prezam,

se apenas com seus lábios eles rezam,

claudicando no amor e na justiça?

—————

Bem perto esteja a tua vera glória!

Perto o dia feliz da redenção,

em que o nome mereças de “cristão”,

fugindo ao cativeiro do pecado!

—————

Então se poderá falar com garbo

em patriotismo, em liberdade pura,

e não temer de outras nações censura,

e não ter do Senhor justo castigo.

—————

Nas ideias, sê forte e generoso.

Nos atos, cortês. Em tudo honesto.

Aos desvalidos, caridoso gesto.

Moderação no mando e na política…

—————

Rejeita extremos (pouco importa o nome):

“in médio virtus”, aconselham mestres.

Não te estribes em glórias só terrestres,

nem te curves a jugos prepotentes…

—————

Em teu materno seio cabem todos:

Ao estrangeiro dás abrigo e pão

e te comprazes em chamá-lo “irmão”,

se sabe honrar e amar nossos princípios.

—————

E, em meio a toda confusão do mundo,

ergue bem alto o facho da esperança!

E, com firmeza e destemor, avança

na conquista da paz e da justiça!

—————

“TUA É, SENHOR, A MAGNIFICÊNCIA, E O PODER, E A HONRA, E A VITÓRIA, E A MAJESTADE; PORQUE TEU É TUDO QUANTO HÁ NOS CÉUS E NA TERRA.” I Crônicas, 29-11



ANDANÇAS

Engraçado como as coisas boas acontecem até sem planejamento…

E isso aconteceu num domingo de setembro.

Acordei num dia lindo de sol e calor, com todo aquele dia pela frente e sem saber o que fazer.

Não demorou muito e o whatsapp apitou.

Minhas duas amigas, Ester e Giselta estavam perguntando o que eu achava de irmos até a Fazendinha passar o dia.

-Que ótimo! Um programa para hoje! Vamos sim! Falei alegre.

A Pousada Fazendinha pertence a um casal amigo, a Iracema e o Denir, que transformaram esse local em um encanto de lugar!

E, depois de nos encontrarmos na Praça, onde todos os domingos acontece a Feira Criativa da cidade, seguimos para lá.

E ali estavam eles: ela percorrendo tudo para se certificar que tudo corria bem e ele em uma mesa à beira da piscina, saboreando um vinho branco.

Pois foi ali que ficamos, entre conversas e lembranças, saindo de vez em quando para tirar algumas fotos do lugar.

E chegou a hora do almoço!

Que comida gostosa!

Eu, como boa mineira, me servi de carne de porco pururuca e da abóbora assada com açúcar mascavo.

Depois, sobremesa!

E se engana quem pensou que aí fomos deitar na rede para um repouso tranquilo.

Que nada… minhas duas amigas que estão acostumadas a fazer trilhas, me chamaram para andar numa delas que cortava a pousada.

E lá fui eu: com meu vestido africano, bolsinha nas mãos e mule!

Isso mesmo! Completamente despreparada para o feito!

Mas fui!

E elas riram muito de mim e eu aproveitava para deixar tudo mais engraçado do que já estava.

Até um lagarto enorme elas viram, mas eu não vi!

Estava agarrada aos arbustos pelo caminho até chegar a ponte pênsil, que foram duas, enquanto elas me zoavam muito.

Quando chegamos ao final da trilha, parei, levantei os braços e gritei:

-consegui!!!

E saiu essa foto!

Querem me convidar para uma próxima trilha (verdadeira) que farão no final do mês.

Não sei não…

Acho que fiquei satisfeita com essa!

“CERTAMENTE QUE A BONDADE E A MISERICÓRDIA ME SEGUIRÃO TODOS OS DIAS DA MINHA VIDA; E HABITAREI NA CASA DO SENHOR POR LONGOS DIAS.” Salmos 23- 6