NO ANO PASSADO

No ano passado…

Já repararam como é bom dizer “o ano passado”? É como quem já tivesse atravessado um rio, deixando tudo na outra margem…Tudo sim, tudo mesmo!

Porque, embora nesse “tudo” se incluam algumas ilusões, a alma está leve, livre, numa extraodinária sensação de alívio, como só se poderiam sentir as almas desencarnadas. Mas no ano passado, como eu ia dizendo, ou mais precisamente, no último dia do ano passado deparei com um despacho da Associeted Press em que, depois de anunciado como se comemoraria nos diversos países da Europa a chegada do Ano Novo, informava-se o seguinte, que bem merece um parágrafo à parte:

“Na Itália, quando soarem os sinos à meia-noite, todo mundo atirará pelas janelas as panelas velhas e os vasos rachados”.

Ótimo! O meu ímpeto, modesto mas sincero, foi atirar-me eu próprio pela janela, tendo apenas no bolso, à guisa de explicação para as autoridades, um recorte do referido despacho. Mas seria levar muito longe uma simples metáfora, aliás praticamente irrealizável, porque resido num andar térreo. E, por outro lado, metáforas a gente não faz para a Polícia, que só quer saber de coisas concretas. Metáforas são para aproveitar em versos…

Atirei-me, pois, metaforicamente, pela janela do tricentésimo-sexagésimo-quinto andar do ano passado.
Morri? Não. Ressuscitei. Que isto da passagem de um ano para outro é um corriqueiro fenômeno de morte e ressurreição – morte do ano velho e sua ressurreição como ano novo, morte da nossa vida velha para uma vida nova.

Mário Quintana

(Texto, Pensador.com)
Ah esse Quintana!
Consegue escrever bonito tanto seus textos como seus poemas!
E se quiser ler mais sobre o Ano Novo, é só clicar no tema abaixo.
Poetizando o Ano Novo– poemas meu, de Drummond e do próprio Quintana.
Imagens: 1) pt.wikipedia.org; 2) foap.com; 3) pensador.com
“A RESPOSTA BRANDA DESVIA O FUROR, MAS A PALAVRA DURA SUSCITA A IRA.” Provérbios, 15-1

DESCOBRINDO PORTUGAL

Fabiane é a minha filha jornalista e foi para ela que escrevi “Meu Ninho Vazio“, em setembro de 2015.

A partir daí, ela voou mesmo, mas continua mandando textos lindos para esse blog, como: “Muita Cultura no Centro de Cape Town“, “A Prisão de Mandela“, “Entre o Mar e as Montanhas” além de outros que você encontra em “Viagens”.

Agora segue esse, diretamente de Portugal!

“Descobrindo Portugal

Há um mês e meio troquei a África pela Europa.

Na verdade não chega a ser uma troca, já que serão apenas seis meses aqui e depois volto para Cape Town (África do Sul).

Vim estudar Marketing Digital em Lisboa, e tenho aproveitado para fazer passeios culturais e gastronômicos!
Cheguei ao final da primavera, e agora no outono o frio já tem dado sinais, mas sempre com dias ensolarados, o que deixa a cidade com ar ainda mais europeu.

( Lisboa vista do alto, banhada pelo rio Tejo).

Lisboa é uma cidade pequena e muito fácil de entender.

Tem ônibus (auto carro), metro, trem (comboio), elétricos e barco que levam para todos os cantos. E há ainda a opção de andar a pé pelo centro e descobrir alguma rua estreita, mas que guarda sua beleza e uma parte da história portuguesa.

( Arquitetura de Lisboa, casarios antigos e flores nas janelas colorem o outono europeu).

Diversos são os pontos turísticos, mas já tenho minha lista com os meus preferidos.

O primeiro é o Castelo de São Jorge, que tem uma das vistas mais lindas de Lisboa. Construído pelos muçulmanos em meados do século XI, a fortificação era o último reduto de defesa para as elites que viviam na cidadela.

( O Castelo é aberto para visitas e o passeio é uma volta à história).

Outro ponto muito bonito é a Praça do Comércio, localizada junto ao rio Tejo.

É uma das maiores praças da Europa, e ao seu redor há diversos restaurantes e feirinhas. O lugar abrigou o palácio dos reis de Portugal durante cerca de dois séculos e hoje seus prédios antigos são ocupados por alguns órgãos do governo.

( A Praça do Comércio fica entra o rio Tejo e o Arco da Augusta, na baixa Lisboa).

Na parte norte da Praça fica o Arco da Rua Augusta, um símbolo da Lisboa renascida das cinzas após o terremoto de 1775.

A Augusta é uma rua apenas para pedestres, repleta de lojas e restaurantes típicos.

Há sempre músicos tocando em alguma esquina, e o cheiro de comida se espalha pelo ambiente.

( O Arco liga a rua Augusta à Praça do Comércio).

Foi lá que experimentei o pastel de bacalhau (o nosso bolinho), recheado com o queijo Serra da Estrela, um queijo português feito com leite de ovelha.

Maravilhoso!

( Vitrine da Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau).

A Torre de Belém também é um cartão postal da cidade.

Considerada Patrimônio Mundial pela Unesco desde 1983, a torre fica às margens do rio Tejo e tinha inicialmente função militar. Sua construção teve início em 1514 e término em 1519.

Hoje é um dos locais mais visitados por turistas em Portugal.

( A Torre de Belém é cartão postal da cidade, e o bairro é repleto de atrações).

Vizinho da Torre, o Mosteiro dos Jerônimos (também conhecido como Mosteiro de Santa Maria de Belém) teve suas obras iniciadas em 1502.

A sua construção foi uma iniciativa do rei D. Manuel I, mas prolongou-se por centenas de anos. O prédio é maravilhoso, sua arquitetura é incrível, mas a fila para entrar exige paciência.

( Mosteiro dos Jerônimos visto da praça do Império).

Na mesma rua do Mosteiro fica o mais tradicional pastel de nata de Portugal: o Pastéis de Belém.

Fundado em 1837 ele mantém até hoje sua receita secreta oriunda do mosteiro. Impossível comer um só!

A fila assusta, mas a dica é entrar na pastelaria e pedir os pastéis, que são servidos quentes e sempre fresquinhos. Na minha primeira ida pedi um, porque não tinha certeza se iria gostar. Nas vezes que voltei lá (em pouco mais de um mês já fui três vezes!) nunca consigo comer menos de dois!

(Pastéis de Belém acompanhados de um cafezinho: de comer rezando!)

Ainda em Belém há outro ponto turístico, o Padrão dos Descobrimentos.

Às margens do rio Tejo, o monumento foi inaugurado em 1960, em comemoração aos 500 anos da morte do Infante D. Henrique, ‘o impulsionador das descobertas’.

O por do sol visto daqui é lindo!

E logo à frente fica a famosa ponte 25 de Abril (data em que se comemora o dia da Liberdade), que liga a cidade de Lisboa à cidade de Almada.

( À esquerda o monumento, e ao centro a ponte 25 de Abril, tendo a lua como companhia).

No centro da cidade a dica é conhecer o Parque Eduardo VII, o maior parque do centro de Lisboa.

O nome é em homenagem ao rei Eduardo VII do Reino Unido, que visitou Lisboa em 1902 para reafirmar a aliança entre os dois países.

O espaço foi inaugurado em 1945 e do alto a vista é linda, chegando até o rio Tejo.

A faixa central faz um desenho com a grama e pequenos arbustos.

( Vista geral do Parque Eduardo VII, no centro de Lisboa).

Também já estive em algumas cidades próximas à Lisboa, como Sintra, Cascais e Estoril.

Mas isso rende assunto para um próximo post!

Obs: Se quiser acompanhar minha viagem por Portugal e minhas aventuras pela África, meu Instagram é Fabiane Prohmann.”

Adorei conhecer Lisboa pelos seus olhos, filha!

Aguardamos mais textos logo!!!

Obrigada!

“PORQUE COM ALEGRIA, SAIREIS E, EM PAZ, SEREIS GUIADOS; OS MONTES E OS OUTEIROS EXCLAMARÃO DE PRAZER PERANTE VOSSA FACE, E TODAS AS ÁRVORES DO CAMPO BATERÃO PALMAS.”Isaías, 55- 12